Cigano é morto por outros ciganos na frente de mulher e filha em Camaçari

salvador
12.07.2017, 16:02:00

Cigano é morto por outros ciganos na frente de mulher e filha em Camaçari

De acordo com as investigações, uma dívida teria motivado a morte de Juberlam Pinheiro do Nascimento, 37 anos

O cigano Juberlam Pinheiro do Nascimento, 37 anos,  foi assassinado a tiros na noite de terça-feira (11), em Camaçari, Região Metropolitana de Salvador (RMS). Ele morreu com cerca de 20 tiros, na frente da mulher e da filha de apenas 11 anos, na casa onde moravam, no bairro de Nova Vitória. 

Segundo a polícia,  o crime foi cometido por outros quatro ciganos e os autores já foram identificados. “Existe um parentesco entre os autores. São pai, filho, um primo e um outro indivíduo”, explicou um dos policiais da Delegacia de Homicídios de Camaçari (DH/RMS), onde o crime é apurado, que não quis ser identificado. 

O policial não soube precisar se os autores também são parentes de Juberlam. De acordo com as investigações, uma dívida teria motivado a morte da vítima. 

No entanto, segundo um familiar de Juberlam, que não quis se identificar, um dos envolvidos no crime era primo de primeiro grau da vítima, e um outro era padrinho de um dos seus filhos. "É uma situação bem complicada porque os envolvidos são os próprios familiares, inclusive o restante da família também está correndo risco de morrer. A família não sabe que dívida era essa, só a mulher dele sabe ao certo o que ele devia", conta. 

Ainda de acordo com o parente da vítima, a morte de Juberlam pode acabar fazendo outras vítimas. "A cultura cigana costuma vingar as mortes, todo mundo está correndo risco".

Crime
O crime aconteceu na casa de número 23, na Rua Chico Mendes. Segundo a polícia, Juberlam recebeu os outros ciganos em sua casa, por volta das 18h20. 

Na hora, houve uma discussão por conta de uma dívida entre Juberlam e um dos ciganos, que em seguida efetuou os primeiros disparos. "Ainda baleada, a vítima correu, mas foi alcançada no corredor e foi baleada pelos quatro criminosos”, contou o policial, da Delegacia de Homicídios de Camaçari (DH/RMS).

Segundo um vizinho da vítima, a mulher dele tinha acabado de colocar o lixo na porta, quando ouviu os tiros. “Ela retornava para casa, quando escutou muitos disparos e em seguida um baralho de um carro saindo em disparada”, contou o moarador.  

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas