Cinco pessoas foram presas na segunda fase da “Operação Capinagem"

bahia
02.07.2020, 07:56:00
(Foto: Divulgação/PRF)

Cinco pessoas foram presas na segunda fase da “Operação Capinagem"

Também foram cumpridos onze mandados de busca e apreensão

A segunda fase da “Operação Capinagem”, que desarticulou uma organização criminosa que atuava em Capim Grosso, resultou em cinco prisões, além do cumprimento de onze mandados de busca e apreensão. Na ação conjunta do Ministério Público estadual, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas e Investigação Criminal (GAECO), da Promotoria de Capim Grosso, e com o apoio da Promotoria de Jacobina e da Coordenadoria de Segurança Institucional e Inteligência (CSI) do MP, em parceria com a Rodoviária Federal (PRF), foram apreendidos 20 aparelhos celulares, cinco pen drives, dois pés de maconha e substâncias análogas, bem como embalagens para acondicionar as drogas. 

Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram cumpridos na quarta-feria (1), em endereços de alvos de suspeitos ligados a uma organização criminosa voltada  para o tráfico de drogas nos municípios baianos de Jacobina, Capim Grosso e Ponto Novo, foram expedidos pela Vara Criminal de Capim Grosso. A operação contou, também, com o apoio da 91ª Companhia Independente da Polícia Militar (PM), da Rondesp Norte, e da Polícia Civil, através da 16ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/Jacobina).

A “Operação Capinagem” teve início no dia 15 de agosto de 2019, quando foram cumpridos 19 mandados de prisão e 25 de busca e apreensão nos municípios de Senhor do Bonfim, Jacobina, Juazeiro, Capim Grosso, Serrolândia e Lauro de Freitas. A operação investiga uma organização criminosa baiana, ligada a uma facção paulista que atua com tráfico de drogas e é responsável por diversos homicídios no estado.

A primeira fase da operação integrou uma ação realizada por nove Grupos de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaecos) do Ministério Público brasileiro contra integrantes de organizações criminosas em todo o país e foi articulada pelo Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC). Foram cumpridas nos estados de Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Mato Grosso do Sul, Pernambuco e Rio de Janeiro.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas