Circuito Caramuru é inaugurado com ideia de abrir novo espaço

carnaval
04.03.2011, 11:25:00

Circuito Caramuru é inaugurado com ideia de abrir novo espaço

Paulinho Boca de Cantor e Gereba inovaram e saíram com um bloco pela orla do Rio Vermelho

Luciana Rebouças | Redação CORREIO

O cantor e compositor Paulinho Boca de Cantor, com sua blusa de lantejoulas prateadas, e o também cantor e compositor Gereba, com um tradicional chapéu de xaxado, abriram o circuito Caramuru, no Rio Vermelho, na noite de ontem, com um objetivo único: botar mais um bairro da cidade para dentro da programação oficial. Gereba sintetiza e já intitula o Rio Vermelho como a “nossa Olinda baiana”, ou seja, a proposta é fazer um Carnaval de rua, sem trio elétrico e “0800, é tudo free”, como propõe a música tema do bloco Vai Quem Quer, idealizado pelos músicos há dois anos.


Paulinho Boca de Cantor e Gereba inovaram e saíram com um bloco pela orla

A proposta foi bem aceita, até mesmo por quem passava na Rua da Paciência e não perdeu a oportunidade de balançar o esqueleto ao som de Brasil Pandeiro, clássico dos Novos Baianos, o forró Sebastiana, de Jackson do Pandeiro, e até mesmo Ando Meio Desligado, da banda Mutantes, em um ritmo mais animado. O público foi se formando ao longo do trajeto e quem estava só passeando se juntou ao bloco. “É esta ideia de trazer o povo para a rua”, enfatizou Paulinho Boca de Cantor, ao lembrar que no Rio de Janeiro as pessoas estão revivendo os carnavais de bairro.

Para abraçar este projeto, Raimundo Bandeira, coordenador da campanha Carnaval Sem Fome, levou o Bloco da Cidadania, que saía desde 2008 no Pelourinho, para o novo circuito Caramuru. Quando questionado se este espaço para marchinhas e fanfarras já não seria tradicional e suficiente no próprio Pelourinho, Bandeira também lembra o exemplo do Rio e diz que na cidade há vários bairros com festa.

Diversidade
“Tem espaço para os blocos na cidade inteira. E acredito que o Rio Vermelho vai ser um dos pontos futuros da festa, porque ele traduz a espontaneidade do Carnaval”, diz.

A noite também contou com as presenças do forrozeiro Zelito Miranda e do compositor paraibano Val Macaúbas, que apoiou o projeto com o desfile do bloco Maracatu Bizoro Avoador, que saiu com os tradicionais bonecos. “Propomos uma virada cultural. Fazer um Carnaval de rua, um Carnaval no chão”, concluiu o compositor.

O circuito recebeu este nome em homenagem ao português Diogo Álvares Corrêa, o Caramuru, que descobriu o bairro em 1509

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas