Com baiano, Brasil fica em 8º na final do revezamento 4x200 livre

esportes
28.07.2021, 01:19:00
Atualizado: 28.07.2021, 01:19:17
Equipe do revezamento acabou a decisão na oitava posição (Satiro Sodré/CBDA)

Com baiano, Brasil fica em 8º na final do revezamento 4x200 livre

Equipe formada por Breno Correia, Fernando Scheffer, Murilo Sartori e Luiz Altamir fechou com tempo de 7m08s22; Grã-Bretanha levou o ouro

O revezamento 4x200 metros livre masculino do Brasil terminou na oitava posição a final da prova dos Jogos Olímpicos de Tóquio, disputada na madrugada desta quarta-feira (28), pelo horário de Brasília. O quarteto formado pelo baiano Breno Correia, com Fernando Scheffer, Murilo Sartori e Luiz Altamir, fez o tempo 7min08s22, pior do que nas eliminatórias, quando havia concluído a prova em 7min07s73.

A medalha de ouro ficou com a Grã-Bretanha, que venceu com 6min58s58, novo recorde europeu. A Rússia foi prata, com 7min01s81. Já a Austrália completou o pódio com 7min01s84.

O melhor nadador do Brasil foi Fernando Scheffer, que abriu o revezamento com 1min45s93, deixando o Brasil na sexta colocação. Scheffer, inclusive, faturou a única medalha da natação brasileira em Tóquio até agora com o bronze nos 200m livre, na terça.

Na sequência, Murilo Sartori manteve o ritmo e, com 1min46s09, a equipe brasileira continuou na sexta posição. Breno Correia, porém, nadou em 1min48s11, tempo semelhante ao de Luiz Altamir (1min48s09) e o Brasil acabou na última posição.

Largando na raia 8, a equipe não estava entre as cotadas para brigar por uma vaga no pódio. O Brasil havia se classificado com o último tempo nas eliminatórias.

Mesmo com a última colocação na final, esse foi o melhor desempenho do Brasil em mais de duas décadas. No Rio-2016, o país terminou a prova em 14º, enquanto que em Pequim-2008 foi 16.º. Em Atenas-2004, o Brasil ficou em 9.º e nos Jogos de Sydney-2000 foi o 13º.

A última vez que o Brasil subiu ao pódio nesta prova foi quando conquistou o bronze nos Jogos de Moscou, em 1980.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas