Começa em maio reforma em fortalezas do Porto da Barra

salvador
10.03.2015, 08:08:00
Atualizado: 10.03.2015, 08:23:39

Começa em maio reforma em fortalezas do Porto da Barra

Carybé e Pierre Verger terão exposição permanente nos fortes de Santa Maria e São Diogo. Licitação para obras, que custarão R$ 3,5 milhões, será lançada este mês

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Do Forte São Diogo, vista da praia do Porto da Barra e, na ponta, a fortaleza de Santa Maria: locais vão receber exposições do artista plástico Carybé e do fotógrafo Pierre Verger (Foto: Marina Silva)

Construídos no século XVII para proteger Salvador, então capital do Brasil, dos ataques holandeses, os fortes de Santa Maria e de São Diogo, no Porto da Barra, viraram cartões-postais da cidade pelas mãos de um argentino, que aqui desembarcou em 1938, e de um francês, que chegou oito anos depois.

“Carybé desenhou e Verger fotografou. Esses dois espaços, esse recorte e o mar da baía não são estranhos à obra”, diz o antropólogo e museólogo Raul Lody, experiente curador de exposições dos dois artistas.

Carybé (1911-1997), baiano nascido na Argentina, e o francês Pierre Verger, dois visitantes que aqui criaram raízes e se tornaram personagens icônicos, vão ganhar espaços culturais a partir de janeiro de 2016 nas fortalezas.

Fechado à visitação desde 2012, por conta das condições físicas, o Forte de Santa Maria será restaurado para abrigar a “casa” do fotógrafo Verger. Já o Forte de São Diogo, que ainda está aberto à visitação, também passará por obras para receber um centro em homenagem ao artista plástico Carybé.

Licitação
“A licitação sai agora em março”, assegura o secretário municipal de Cultura e Turismo, Érico Mendonça. “Estamos colocando dentro do aniversário da cidade. A nossa expectativa é que em maio a gente assine o contrato e são seis meses de obra. Depois, mais dois meses para implantação da exposição permanente”, explica.

Embora tenha objetivo turístico e cultural, o projeto de obras e restauro das duas estruturas será feito pela Secretaria Municipal de Manutenção (Seman). Os dois espaços serão inaugurados simultaneamente.
 
Os R$ 3,5 milhões, recursos para reforma e restauro, vêm da prefeitura de Salvador. Serão R$ 2 milhões aplicados nas obras do Forte de São Diogo e mais R$ 1,5 milhão destinado às intervenções no Forte de Santa Maria.

Imagem de projeto para o Forte Santa Maria: quiosque sobre tablado terá café em espaço de convivência (Foto: Divulgação)

Lei Rouanet
Já a instalação das exposições permanentes será paga com verba da Lei Rouanet, através do projeto Fortes na Cultura — as duas mostras custarão cerca de R$ 2 milhões, segundo Mendonça.
 
Mas, apesar de abrigar os centros culturais por pelo menos dois anos — período de cessão dos espaços pelo Exército à prefeitura —, os fortes continuarão sendo administrados pelos militares.
“Os fortes não serão transformados em espaços Verger e Carybé. Eles abrigarão os espaços culturais dedicados a Verger e a Carybé, mas continuarão sendo Forte São Diogo e Forte de Santa Maria”, explica o assessor cultural do Comando da 6ª Região Militar, coronel Gurjão.
 
Café
Na prática, o que será dedicado aos trabalhos de Verger e Carybé serão os salões de exposições dos fortes. Também será instalado do lado de fora de cada uma das construções um café — em formato de quiosque sobre um tablado —, que não interfira na estrutura original das edificações.
 
O projeto foi elaborado durante parte do ano de 2014 e aprovado pelos institutos do patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e Artístico e Cultural da Bahia (Ipac) somente em janeiro deste ano. Os dois prédios são tombados. O Forte de Santa Maria, pelo Iphan, desde 24 de maio de 1938. Já o São Diogo, pelo Ipac, em 5 de novembro de 2002.
 
Além das obras de reforma e restauro, o projeto do arquiteto Sidney Quintela prevê  elevadores. No Forte de Santa Maria, construção de 1627, haverá um elevador interno. Já no Forte de São Diogo, de 1629, o elevador será externo. 

Hoje, o São Diogo encontra-se aberto à visitação e recebe cerca de 200 visitantes por mês. No momento, não há exposições.  Os eventos culturais do Exército também foram suspensos.  “Ele não é muito visitado porque é pouco conhecido, fica meio que escondido no Porto da Barra e não tem visibilidade”, diz o coronel Gurjão.
 
Já o Forte de Santa Maria está fechado ao público desde 2012. “O pessoal sempre aparece aí, principalmente os turistas, tiram foto, perguntam o que tem dentro, porque não está aberto”, diz o ambulante José Carlos Paixão Oliveira,  55 anos, que trabalha ao lado do forte. O prédio acumula lixo nas laterais e tem vidros das janelas quebrados. Até uma placa entalhada no muro, que relata a invasão holandesa de 9 de maio de 1624, foi pichada.


Atrativos
Para preparar os espaços, a prefeitura firmou um convênio com a Fundação Pierre Verger, que há 27 anos trabalha com a divulgação da obra do fotógrafo francês. A curadoria das exposições será feita por Lody, antropólogo, museólogo, curador da Fundação Pierre Verger e também do Instituto Carybé.
 
Lody conta que o trabalho de seleção das peças que serão levadas para os fortes ainda está em fase inicial. “Os dois artistas eram amigos pessoais e tinham coisas em comum: candomblé, Bahia, povo daqui, cultura”, explica. Os dois, inclusive, vieram à Bahia após a leitura do mesmo livro: Jubiabá, de Jorge Amado.
 
Lody antecipa que, além das obras, objetos pessoais dos artistas estarão nas exposições. “É muito importante o público saber quem são esses intérpretes da Bahia. Vamos ter objetos pessoais. Verger não tem a obra exclusiva na Bahia, como Carybé”, afirma.
 
contrato  Segundo Mendonça, além do material sobre Verger e Carybé, os espaços também vão contar histórias dos próprios fortes — faz parte do contrato da prefeitura com o Exército.

“Sob o ponto de vista da cultura, eles resgatam o patrimônio arquitetônico e histórico da cidade. E sob o ponto de vista turístico, agregam dois novos atrativos. O turismo cultural é o nosso maior diferencial sob o ponto de vista da competitividade com outros destinos”, destaca.
 
Para a integrante da Associação dos Moradores da Barra Sonia Garrido, a revitalização é bem-vinda, embora o projeto ainda não tenha sido apresentado com detalhes aos moradores. “O turismo que a Barra tem hoje é o da cerveja. Precisamos do turismo de cultura”, diz.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas