Conheça as cidades baianas com perfil para tornarem-se smart cities

agenda bahia
11.11.2014, 11:41:00
Atualizado: 11.07.2017, 12:12:28

Conheça as cidades baianas com perfil para tornarem-se smart cities

Pesquisador cita Vitória da Conquista, Luis Eduardo Magalhães e Barreiras como exemplos de cidades com vocação para centros urbanos naturais

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Apesar de Salvador, neste momento, ainda estar longe das smart cities europeias e americanas, o pesquisador do tema Maurício Pedrão acredita que há cidades baianas que podem se tornar inteligentes. Entre elas, cita Vitória da Conquista, Luís Eduardo Magalhães e Barreiras. “É possível fazer os investimentos necessários em cidades de médio porte e que são centros urbanos naturais”, falou.

A vantagem para Conquista é que ela já é um centro de atendimento à saúde reconhecido. Barreiras e Luís Eduardo Magalhães contam com recursos financeiros oriundos da produção agrícola e devem receber campi da Universidade do Oeste da Bahia (Ufoba).

Luis Eduardo Magalhães, um dos municípios baianos com vocação para smart citie (Divulgação)

Pesa contra Salvador o fato de ser uma cidade grande, sem recursos e infraestrutura adequados, mas as ações podem começar por bairros, como aconteceu em outras partes do mundo. “Imagine que nos EUA tem um aplicativo que pela trepidação do carro avisa à prefeitura as vias que têm buracos ou problemas de pavimentação. De posse da informação, uma equipe vai lá e conserta. Com a qualidade das nossas vias, isso não seria possível”, explica.

Outra ausência destacada pelo pesquisador na Bahia é a de uma sociedade civil forte, capaz de dialogar em alto nível com empresas e com a prefeitura. “Uma iniciativa interessante para mudar esse cenário foi o Movimenta, uma organização liderada pela Fieb que reuniu outras instituições da sociedade para pensar soluções para a mobilidade de Salvador”, lembra.

Sinal solar

Amsterdã Smart City (ASC) é um dos maiores projetos de smart cities no mundo (Foto: Divulgação)

Ainda assim, Pedrão observa que algumas soluções nascidas em smart cities podem ser adotadas por aqui. Um exemplo são sinaleiras alimentadas por energia solar. O poste que as abriga é mais alto, com uma placa fotovoltaica no topo. Além de sinaleiras, esses postes também sustentam câmeras de segurança eletrônica e um ponto de acesso público à internet (wi fi), alimentados pela energia solar captada pelo próprio poste. Esse tipo de equipamento já é usado em Amsterdã, na Holanda.

Iniciativas inteligentes pelo mundo

*Barcelona. A cidade implantou em um bairro histórico, onde as ruas apertadas impediam a entrada de caminhões, um sistema de recolhimento de lixo por canais de ar. Os moradores depositam nesses canais os resíduos já separados entre plástico, metal, papel e orgânicos. Em outro bairro, que foi o centro industrial da cidade e estava em decadência, foi implantado o projeto bcn@22, onde funciona um centro de tecnologia, com as mais modernas soluções de planejamento urbano extraídas de municípios de todo o mundo.

*Skolkovo. É uma cidade laboratório por excelência. Foi erguida pelo governo russo, nas proximidades de Moscou, para se criar e testar possibilidades de aplicações para solucionar diversos problemas, o principal deles é o da mobilidade. O objetivo estratégico do Centro de Inovação Skolkovo é concentrar o capital intelectual internacional para estimular o desenvolvimento de novas soluções nas áreas de informática, energia nuclear, inovação biomédica e telecomunicações.

*Copenhague. A capital da Dinamarca é conhecida como uma das cidades mais ecológicas do mundo, e tem como meta zerar a emissão de gás carbônico - responsável pelo aquecimento global - até 2025. Pioneira no uso e na adequação das vias públicas para bicicleta, tem usado energia eólica de centrais instaladas no litoral da cidade.

*Amsterdã. Amsterdã Smart City (ASC) é um dos maiores projetos de smart cities no mundo e é fruto de uma parceria sem precedentes entre a população de Amsterdã, as empresas, as instituições de conhecimento e as autoridades locais. Foi criada com o objetivo de mostrar como é possível promover o desenvolvimento local baseado em padrões sustentáveis e inteligentes de consumo de energia, agora e no futuro.

BRT em Curitiba, no Paraná (Foto: Divulgação)

*Búzios. Possui convênio com a IBM (uma das maiores empresas de tecnologia do mundo) para ser a primeira cidade 100% inteligente da América Latina. Outro convênio foi feito com empresa de engenharia para instalar rede elétrica que integre tecnologias tradicionais e novas soluções digitais para melhorar a flexibilidade da rede, permitindo a cobrança de tarifas diferenciadas pelo horário de consumo, como já ocorre em cidades europeias.

*Curitiba. A capital paranaense adotou, há mais de 30 anos, soluções urbanísticas que ainda hoje estão na vanguarda da mobilidade urbana, a exemplo de corredores exclusivos para BRT (Bus Rapid Transport, ou, em português, ônibus para transporte rápido), que devem fazer parte da paisagem de Salvador em breve.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas