Consumo virtual de atividades culturais cresce na pandemia

entretenimento
22.07.2021, 12:50:00
Atualizado: 22.07.2021, 13:38:53
(Foto: Shutterstock)

Consumo virtual de atividades culturais cresce na pandemia

Pesquisa Itaú Cultural/Datafolha aponta que mais indivíduos estão conectados diariamente

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Os brasileiros aumentaram o consumo de atividades culturais no ambiente on-line durante a pandemia e pretendem manter o hábito mesmo depois da volta à normalidade presencial, aponta a pesquisa Hábitos Culturais II, realizada em conjunto pelo Itaú Cultural e pelo Datafolha. Divulgado na manhã desta quinta-feira (22), o levantamento mostra que apresentações de música, teatro e dança e podcasts experimentam crescimento de público on-line, enquanto que o acesso a webinares e as visitas a museus e exposições perdem terreno em 2021.

De acordo com a pesquisa, que ouviu 2.276 indivíduos em todo o país, entre os dias 10 de maio e 9 de junho, o aumento de consumo de cultura no ambiente virtual ocorreu no momento em que os brasileiros passaram a ficar mais conectados à internet. O levantamento aponta que 76% dos entrevistados passaram a se conectar todos os dias, em contraponto ao ano de 2020, quando índice era de 71%. Interessante dizer que cada ponto percentual representa cerca de 1,5 milhão de pessoas. 

O consumo de apresentações artísticas de teatro, dança e música dobrou de 2020 para cá. No ano passado, 20% dos indivíduos disseram que consumiam este tipo de atividade no ambiente on-line, já em 2021 esse índice subiu para 40%. Ou seja, significa que houve um aumento de 30 milhões para 60 milhões de pessoas que vivenciaram esta experiência.

"É um dado bem expressivo. É um número bastante relevante e que responde ao que o mundo cultural e artístico fizeram com ainda mais intensidade, de setembro até o comecinho de junho. O quanto essa intensidade de produção reverberou no público", enaltece Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural.

De acordo com os dados, 80% dos que assistiram a apresentações de teatro, música e dança nesse ambiente pretendem seguir com a prática mesmo após a volta à normalidade. O índice é o mesmo declarado para aulas ou oficinas de arte. Já entre os espectadores de apresentações infantis, o índice é de 81%, semelhante aos 82% declarados pelos habitués de seminários nas redes.

Saron destaca que a pesquisa é importante porque joga luz sobre os desafios que estão por vir. "Claro que queremos o contato físico que virá com a imunidade coletiva, a partir da vacina. Nós queremos voltar, precisamos do contato físico. Mas o desejo é continuar acompanhando as atividades virtuais. Quase 80% das pessoas disseram querem permanecer realizando atividades culturais por meio remoto. Então o digital veio pra ficar. O mundo da cultura precisa estar pronto para receber as pessoas", defende.

Mais podcasts, músicas e jogos eletrônicos
Outra atividade que teve forte crescimento durante a pandemia foi a audição de podcasts. Em 2020, 24% dos entrevistados informaram que acessavam plataformas do gênero. Este ano, o índice subiu para 39%, um salto de 15 pontos percentuais.

O consumo de jogos eletrônicos também apresentou aumento, com salto de 32% para 43% no percentual de entrevistados que realizaram a atividade, no comparativo entre 2020 e 2021. O consumo de música on-line foi outro que ganhou novos adeptos (de 74% para 79%), bem como o consumo de filmes e séries, que saiu de 68% para 75% dos entrevistados.

Os cursos livres (de 35% para 41%) e a leitura de livros digitais (de 36% para 40%) também ganharam espaço no consumo on-line. Os espetáculos infantis, por outro lado, se mantiveram estáveis (23%). “Instituições, corpos estáveis, grupos artísticos e uma legião de profissionais da área criaram um ambiente mais leve para estes tempos tão duros”, completa Saron.

Quedas
A pesquisa Itaú Cultural/DataFolha aponta, entretanto, que nem todas as atividades ganharam força on-line durante a pandemia. Os webinares, que estouraram logo no início do distanciamento social, perderam terreno. Em 2020, 30% dos entrevistados praticavam a atividade. Em 2021, o índice caiu para 23%.
As visitas on-line a exposições e museus também recuaram. No levantamento realizado em 2020, 16% diziam realizar este tipo de atividade. No levantamento atual o índice encolheu para 11%.

É menor o índice de continuidade da prática no caso das exposições e museus (67%). Registraram patamares equivalentes, estatisticamente, visitas virtuais a centros culturais  (78%), oficinas de criação para crianças (75%) e visitas guiadas a projetos artísticos (76%). 

Esta edição procurou investigar, ainda, outras atividades não mensuradas na versão anterior da pesquisa. De acordo com o levantamento, o índice de consumo virtual de seminários ficou em 24%, seguido por aulas ou oficinas de arte (21%), visitas a centros culturais (15%), oficinas de criação para crianças (15%) e projetos artísticos (12%). 

Democratização do acesso
Outro dado levantado pela pesquisa mostra que as atividades on-line ampliaram o acesso e aumentaram o interesse do público para a cultura. De acordo com o levantamento, 72% informaram que as atividades on-line permitiram acesso a atividades culturais que, de outra forma, não seriam experimentadas. Na pesquisa anterior, realizada em 2020, o índice tinha sido de 67%.

O conteúdo on-line ampliou o acesso especialmente entre os jovens de 16 a 24 anos onde a concordância com a afirmativa foi de 79%. Os que se dizem menos impactados foram os indivíduos entre 45 e 65 anos, que apontaram taxa de concordância de 69%.

O interesse por atividades culturais também aumentou graças à oferta de conteúdos on-line.  Os mais impactados foram os indivíduos entre 16 e 24 onde a concordância com a afirmativa foi de 64%. O estrato da Classe C registrou 59% de concordância com o benefício.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048