Contra a Chapecoense, Vitória mira primeiro triunfo fora de casa

e.c. vitória
17.10.2020, 05:00:00
Wallace é um dos pilares do Vitória nesta Série B (Foto: Letícia Martins/EC Vitória)

Contra a Chapecoense, Vitória mira primeiro triunfo fora de casa

Rival é o melhor mandante da Série B, mas retrospecto em Chapecó põe Leão na vantagem: aproveitamento de 75%

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Sem ganhar há quatro jogos, o Vitória está em busca de reabilitação na Série B. Neste sábado (17), terá mais uma chance de acabar com o jejum e reencontrar o triunfo. E para isso, terá que superar uma das melhores equipes da competição, e que ainda não perdeu jogando em casa: a Chapecoense. A partida começa às 16h, na Arena Condá, em Chapecó (SC).

Ao todo, o Verdão do Oeste fez seis jogos em seu estádio, com cinco vitórias e um empate. É a melhor campanha de um mandante da segunda divisão: 88,9% de aproveitamento. O rubro-negro, por sua vez, é um dos piores visitantes. Fora de casa, ainda não conseguiu bater um adversário e acumula cinco empates e duas derrotas. O rendimento longe do Barradão é de apenas 23,8%.

Em termos gerais, a Chape entra na 16ª rodada na vice-liderança, com 29 pontos, e tem chances de assumir a ponta da tabela. Para isso, precisa derrotar o Leão por pelo menos dois gols de diferença. Atual primeiro colocado, o Cuiabá já jogou, na terça-feira, e perdeu para o Guarani por 1x0. Dessa forma, o Verdão do Oeste e o Dourado chegariam à mesma quantidade de pontos, mas os catarinenses, ainda com um jogo a menos, passariam no saldo.

Técnico do Vitória, Eduardo Barroca admite que o desafio será grande. Esse, aliás, será o segundo jogo como treinador da equipe, após estrear com derrota para o Avaí, por 2x1, no Barradão.

“Primeiro, tem que ter ciência que a gente vai enfrentar, proporcionalmente, a melhor equipe da competição. Que tem um equilíbrio coletivo muito forte, um trabalho que já tem tempo maior, isso faz muita diferença. Sem sombra de dúvidas, posso falar que a equipe da Chapecoense, coletivamente, se não é a mais forte, está entre as duas mais fortes. Que sofreu apenas quatro gols, que não sofreu nenhum gol dentro de casa. A gente está indo sabendo das dificuldades que vamos enfrentar”, avaliou.

Sendo assim, disposição para contrariar a lógica de momento não pode faltar. “A gente precisa ir para lá com coragem, com personalidade. Principalmente com vontade de transferir o que treinamos essa semana e colocar em prática durante o jogo, para que a gente saia de lá com o resultado que nos interessa", continuou Barroca.

O retrospecto, aliás, está do lado do Vitória. Nos quatro jogos na história realizados contra a Chapecoense na Arena Condá, o rubro-negro ganhou três vezes e perdeu apenas uma. É um aproveitamento de 75% na casa do rival.

A primeira vez que as duas equipes se enfrentaram por lá foi em 2014, quando o Vitória  ganhou por 1x0. Dois anos depois, novo encontro e mais um resultado bom para o Leão - e com direito a goleada: 4x1. Em 2017, veio a única derrota, por 2x1. E, no ano seguinte, mais uma vitória por 1x0.

Assim, se tirar a inspiração desse passado recente e repetir a média histórica, o rubro-negro pode sair de lá com mais três pontos na bagagem e alcançar os 21, se afastando do Z4 e ficando a seis pontos do G4. Sem falar que há chance de, finalmente, quebrar a “maldição” de não vencer como visitante. 

Rejeitou o Cruzeiro
O técnico Umberto Louzer, da Chapecoense, virou notícia nacional durante a semana porque recusou proposta do badalado Cruzeiro - que iniciou a rodada na zona de rebaixamento da Série B. Sob o comando dele, a equipe acumula 11 jogos sem perder - nove pela Série B e dois pelo Catarinense. 

Louzer está a três partidas de alcançar marcas que Claudinei Oliveira e Gilson Kleina tiveram no time, com 14 duelos sem derrotas.

Sem Fernando Neto, Lucas Cândido deve ser novidade no Leão
O Vitória terá uma novidade e um desfalque em campo contra a Chapecoense. O volante Lucas Cândido não sente mais o desconforto no tornozelo e está apto para atuar. Volta em boa hora, já que Fernando Neto foi vetado por sentir dor na coxa esquerda e sequer viajou para Santa Catarina. A tendência é que Lucas Cândido seja o substituto.

Quem também fica de fora é o lateral direito Van que, apesar de estar reabilitado de lesão, não foi relacionado.

O time encerrou a preparação no CT da própria Chapecoense, sexta-feira (16), ocasião em que recebeu a visita do ex-centroavante Christian, que marcou época no Internacional e hoje é superintendente de futebol da equipe catarinense.

Eduardo Barroca não antecipou a escalação, mas o Leão deve ter como titulares: Ronaldo; Jonathan Bocão, João Victor, Wallace e Thiago Carleto; Guilherme Rend, Lucas Cândido e Marcelinho; Ewandro, Alisson Farías e Léo Ceará.

Chapecoense tem quatro desfalques; Anselmo Ramon joga
Técnico da Chapecoense, Umberto Louzer tem um número de desfalques considerável para o jogo contra o Vitória. Os meias Anderson Leite e Denner não jogam porque estão machucados. Já o atacante Thiago Ribeiro teve um mal-estar e também fica de fora, assim como o lateral esquerdo Alan Ruschel, que se recuperou da covid-19, mas está na transição.

O meia Vini Locatelli, por outro lado, está recuperado de lesão e já pode ser utilizado. A tendência, porém, é que comece no banco. 

Dois velhos conhecidos do Vitória são titulares da equipe: os atacantes Anselmo Ramon, que foi artilheiro rubro-negro no ano passado, com sete gols pela Série B de 2019, e Felipe Garcia, que rescindiu contrato com o Leão em setembro. 

Uma provável escalação da Chapecoense tem: João Ricardo, Hiago, Joilson, Luiz Otávio e Busanello; Willian Oliveira, Evandro, Paulinho Moccelin e Felipe Garcia; Aylon e Anselmo Ramon.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas