Coreias retomam comunicação após dois anos

mundo
04.01.2018, 00:40:00
(Foto: AFP)

Coreias retomam comunicação após dois anos


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Coreia do Norte reabriu uma linha de fronteira com a Coreia do Sul, nesta quarta-feira (3). A atitude foi tomada horas depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou ter um botão nuclear “muito maior e mais poderoso” do que o do ditador norte-coreano Kim Jong-un.

A decisão de reabrir a linha telefônica da fronteira, que foi cortada há cerca de dois anos, ocorre também um dia depois que a Coreia do Sul se mobilizou para discutir com um emissor norte-coreano o programa de mísseis e também a participação do país nos Jogos Olímpicos de Inverno em PyeongChang.

Toda a mobilização se deu após Kim Jong-un declarar que estava aberto a conversar com Seul e que consideraria o envio de uma delegação para a Olimpíada em PyeongChang, que começa em 9 de fevereiro.

Nos EUA, a reação do governo Donald Trump foi a de que não participaria de conversas entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul se elas não contribuíssem para desmobilizar a corrida armamentista dos norte-coreanos. Os EUA mantêm 28.500 soldados no Sul, legado da Guerra da Coreia (1950-1953). O Departamento de Estado dos EUA informou que a Coreia do Norte pode estar tentando ganhar tempo.

Kim ordenou uma reabertura da linha direta na aldeia de Panmunjom às 6h30 de ontem, quando funcionários da Coreia do Sul na fronteira receberam uma chamada do Norte. O canal de comunicação de Panmunjom, vilarejo na fronteira entre os dois países onde o cessar-fogo da Guerra da Coreia (1950-53) foi assinado, foi reaberto às 3h30 (horário de Brasília). A conversa telefônica durou 20 minutos.  

A linha direta com a Coreia do Sul foi encerrada pelos norte-coreanos em fevereiro de 2016, em retaliação contra o fechamento de uma fábrica na fronteira que era operada conjuntamente pelos dois países. “Vamos tentar manter comunicações estreitas com o lado sul-coreano, com uma posição sincera e atitude honesta de nossa liderança suprema, para tratar do envio de nossa delegação”, afirmou Ri Son Gwon, presidente do Comitê para a Reunificação Pacífica da Pátria da Coreia do Norte, a um canal estatal.

O porta-voz do governo da Coreia do Sul, Yoon Young-chan, afirmou que a decisão dos norte-coreanos de abrir uma linha direta teve significado muito importante porque isso permite manter uma comunicação constante.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas