CORREIO visita a maior livraria flutuante do mundo

entretenimento
25.10.2019, 19:03:00
CORREIO visitou a livraria flutuante (Marina Silva/CORREIO)

CORREIO visita a maior livraria flutuante do mundo

Logos Hope atraca em Salvador com missão de levar educação e esperança através da fé

A maior livraria flutuante do mundo, a Logos Hope possui acervo com mais de 5.000 livros de diferentes segmentos, mas com foco maior voltado à leitura cristã, a preços mais baratos do que o mercado. O navio, visitado pelo CORREIO, na manhã desta sexta-feira (25), fica em Salvador até o dia 5 de novembro, com entrada a R$ 5 por pessoa.

Operada pela Good Books For All (GBA), uma organização de origem cristã da Alemanha, o Logos Hope começou a funcionar em 2009. O navio conta com 9 andares e tem capacidade para uma média de 442 pessoas. É o maior navio da organização,  que já possuiu também os navios Logos, Doulos e Logos II, que juntos já passaram por mais de 160 países, contabilizando mais de  46 milhões de visitas desde os anos 70.

Representantes do Governo do Estado e da Prefeitura cortam faixa

(Foto: CORREIO/Marina Silva)

Durante a cerimônia de abertura com apresentações de parte das nações que fazem parte da tripulação, estavam presentes o Subsecretário do Estado, Danilo de Melo Souza, o vice prefeito de Salvador, Bruno Reis, e representantes da Marinha e um da Polícia Militar.

Apresentação de dança coreana 

(Foto: CORREIO/Marina Silva)

Na livraria é possível encontrar um espaço chamado de Jornada da Vida, onde as pessoas entram em uma história baseada na obra bíblica, o Filho Pródigo e que muda a aparência dos personagens, de acordo com o continente. Há ainda um espaço de teatro voltado para as crianças e o Café Internacional para os visitantes terem um momento de interação e conversa com os visitantes.

Segundo a organização, a ideia é promover uma “viagem da esperança”, evangelizando pessoas através do “conhecimento, ajuda e esperança”, surgiu depois que um casal americano que fazia o transporte de livros dos Estados Unidos para o México, através de uma Kombi, resolveu expandir a missão e através de parcerias. Eles compraram um navio, o Logos, em 1973, que saiu da Dinamarca para a Alemanha. 

Espaço Jornada da Vida

(Foto: CORREIO/Marina Silva)

'Estamos identificando quem falhou', diz diretor de ONG que mantém livraria, após post ofensivo

Depois de 20 anos da primeira passagem no Brasil, a organização volta ao país, com a mesma missão de “trazer livros de boa qualidade, a um preço acessível para diferentes públicos”, diz a baiana Raquel Menezes, coordenadora de projetos da Logos Hope.

Raquel é uma das brasileiras que integra a tripulação de 400 pessoas de 60 nações diferentes que se voluntariaram para seguirem passando por países onde a situação é mais precária. “A ideia também é compartilhar conhecimento, ajuda e esperança. Então, muito mais do que ter o trabalho só a bordo, todos os dias também, trabalhamos com projetos sociais nos países em que nós passamos”, conta, completando que durante os 10 dias em que o navio vai estiver atracado em Salvador, uma parte dos tripulantes visitará igrejas, escolas, orfanatos e hospitais para fazer diferentes tipos de trabalho.

A baiana Raquel Menezes está há mais de 2 anos no Logos Hope

(Foto: CORREIO/Marina Silva)

A livraria funciona de terça à sábado, das 10h às 21h e domingo, das 14h, às 21h.Entre crianças, adolescentes e adultos, os 400 tripulantes tentam levar uma vida normal no mar. Todos têm um trabalho com horário de entrada e saída e é comum encontrar famílias inteiras à bordo, como é o caso da família do comandante alemão, Samuel Hils, que vive com esposa e as duas filhas no navio.

Polêmia antes da chegada
Antes mesmo de chegar, a livraria-ambulante se envolveu em uma polêmica. Uma postagem de cunho discriminatório, feita no Facebook da livraria, pedia para os seguidores orarem por “proteção, força e sabedoria para os tripulantes durante a permanência do navio em Salvador - cidade conhecida pela crença das pessoas em espíritos e demônios”. 

A publicação gerou desconforto e críticas à organização da Logos, que na abertura da livraria aqui em Salvador, nesta sexta (25), ainda não sabia quem havia feito a postagem. “Ainda estamos identificando quem foi a pessoa que falhou com esse tipo de informação”, explicou o Márcio Lugão, diretor da ONG Operação Mobilização (OM), que está por trás da Logos Hopes e tem como objetivo levar conhecimento ao mundo através de estudos bíblicos, da arte, do trabalho e desenvolvimento.

Post que gerou polêmica (Foto: Reprodução)

Ainda segundo Márcio, a postagem foi feita de “maneira errônea” e uma nota pública será divulgada para imprensa. O diretor da OM afirma que esse tipo de postagem foge dos princípios da organização. “A gente leva respeito, companheirismo, ajuda humanitária, social, então é possível que tenha havido falhas como em qualquer lugar e profissão, mas a boa notícia para a imprensa e população de Salvador é que esse problema já foi solucionado’, afirmou.

Em vídeo, a promotora de Justiça Lívia Sant’Ana, afirmou que o Ministério Público do Estado da Bahia tomou conhecimento, através da Promotoria de Justiça de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa, "de mensagem de cunho discriminatório emitido pela Logos Hope Livraria Flutuante". "Já foi instaurado o devido procedimento e a organização do navio será notificada com recomendação para retirada da mensagem de todas as redes sociais, bem como para prestar esclarecimentos no prazo de três dias", afirmou a promotora.

Além disso, foi enviada uma cópia do procedimento para "adoção das medidas cabíveis no que se refere ao direito do consumidor, uma vez que, pelo que foi verificado no local, trata-se de acervo de livros evangélicos, informação que não foi divulgada no material publicitário", acrescenta.

A Ordem dos Advogados do Brasil na Bahia (OAB-BA) divulgou nota de repúdio. Declarar que a tripulação estaria submetida a algum risco ao chegar em uma cidade "conhecida pela crença do povo em espíritos e demônios" ultrapassa os limites da liberdade de expressão e liberdade religiosa, diz a presidente da Comissão Especial de Combate à Intolerância Religiosa do órgão, Maíra Vida.  

"Nos é exigido um esforço transdisciplinar de superação das violências. O desafio é garantir que o enfrentamento jurídico seja célere, adequado e, ainda assim, transformador", afirma.

*Com orientação da editora Ana Cristina Pereira

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas