Covid: estudo sugere que gato contaminou veterinária na Tailândia

coronavírus
12.06.2022, 17:25:56
(Foto: Reprodução)

Covid: estudo sugere que gato contaminou veterinária na Tailândia

Caso, no entanto, é considerado raro

Um artigo científico assinado por cientistas da Universidade Príncipe de Songkla, na Tailândia, identificou que uma médica veterinária provavelmente foi contaminada com Covid-19 por um gato. A informação é da The New York Times. Esse é o primeiro documento que associa a contaminação de humanos por gatos. De acordo com os especialistas, porém, o risco do contágio é baixo.

Segundo o estudo, o animal teria sido contaminado por um de seus dois tutores e passou o vírus à veterinária ao espirrar no rosto dela. De acordo com o sequenciamento genômico feito no gato e nas três pessoas, a versão do vírus identificada foi idêntica. Na época da contaminação, essa versão não era encontrada no restante da população local.

De acordo com os cientistas, é mais provável que o humano passe Covid-19 para um gato, e não o inverso.

"Mas o caso é um lembrete de que as pessoas infectadas com o vírus devem tomar precauções com seus animais de estimação - que veterinários e funcionários de abrigos que possam entrar em contato com animais infectados devem fazer o mesmo", disse Scott Weese, veterinário de doenças infecciosas na Universidade de Guelph, em Ontário (Canadá).

Pesquisas anteriormente realizadas já mostravam que humanos podiam contaminar seus gatos de estimação, e que os felinos podiam passar o vírus para seus colegas, mas a comprovação de que o vírus podia ser transmitido de gatos para humanos em condições naturais ainda não havia sido comprovada.

Contaminação de Covid por gato na Tailândia
Em agosto do ano passado, um homem e o filho sentiram sintomas de Covid-19 em Bangkok. Devido à falta de leitos hospitalares na cidade, os dois foram transferidos de ambulância a um hospital localizado em Songkhla, numa viagem de 20 horas. Por razões ainda não esclarecidas, o gato dos dois foi junto.

Com seus tutores hospitalizados, o animal foi levado a um hospital veterinário. Embora com aparência saudável, a veterinária, de 32 anos, coletou amostras nasais e anais do felino, comprovando que ele estava com Covid-19.

Durante o exame, o gato acabou espirrando no rosto da médica. Poucos dias depois, ela também começou a apresentar sintomas da doença como tosse e febre, tendo o diagnóstico confirmado após exames.

O teste de PCR realizado no gato mostrou que ele tinha uma alta carga viral no momento do exame.

Nenhum dos contatos próximos à veterinária teve Covid-19 no período, e ela também não teve contato com os tutores do gato, o que sustenta a tese que ela foi contaminada pelo animal.

A tese ganhou força após o sequenciamento genético, que mostrou que os quatro haviam sido infectados com uma versão da variante Delta que não tinha muita circulação na cidade na época do registro.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas