Criado por baiana, grupo de mulheres contra Bolsonaro no Facebook sofre ataque cibernético

bahia
16.09.2018, 10:02:00
Atualizado: 16.09.2018, 13:31:17

Criado por baiana, grupo de mulheres contra Bolsonaro no Facebook sofre ataque cibernético

Baiana que é administradora do grupo teve redes sociais sequestradas

O grupo do Facebook "Mulheres Unidas Contra Bolsonaro", que alcançou 2,2 milhões de membros,  foi hackeado e passou a exibir mensagens de apoio ao presidenciável do PSL. Uma baiana, que é uma das criadoras e administradoras do grupo, teve seu Facebook hackeado e registrou o caso na 1ª Delegacia (Barris) neste sábado (15). 

Página teve nomes e administradores alterados
Foto: Reprodução

O grupo teve o nome alterado para "Mulheres Com Bolsonaro #17" e a administração foi substituída por homens. Após denúncias, o grupo foi retirado do ar pelo Facebook e será devolvido posteriormente às administradoras.

De acordo com boletim registrado pela baiana, além de seu Facebook, seu WhatsApp e sua linha telefônica também foram sequestrados digitalmente. Os invasores ainda teriam agredido verbalmente seus clientes. 

"Todas as providências jurídicas estão sendo tomadas para que os responsáveis por invadir as contas e comunicações pessoais das administradoras, sejam identificados e punidos de acordo com a lei", disse a baiana em um comunicado oficial publicado em sua conta, após conseguir rever seus dados. 

Durante o ataque, os responsáveis postaram mensagens ofensivas contra as mais de 2 milhões de participantes. "Esquerdistas de merda", disseram.

A capa do grupo chegou a ser assinada pela dupla "Eduardo Shinok e Felipe Shinok", que podem ser autores da invasão. 

A Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) informou que o caso será investigado pela Polícia Civil através do Grupo Especializado de Repressão aos Crimes por Meios Eletrônicos. Ainda não há informações sobre a autoria do ataque.

Em nota enviada ao CORREIO no início desta manhã, o Facebook informou que o grupo foi removido temporariamente. "O grupo foi temporariamente removido após detectarmos atividade suspeita. Estamos trabalhando para esclarecer o que aconteceu e restaurar o grupo às administradoras" , afirmou a rede social, em nota. 

Por volta das 12h30, o Facebook informou que "o grupo foi restaurado e devolvido às administradoras”.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/piloto-alema-de-17-anos-sofre-acidente-grave-e-sera-operada/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/temer-ressalta-forca-e-estabilidade-das-instituicoes-em-pronunciamento/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sessao-do-tj-ba-e-suspensa-apos-confusao-e-retirada-de-advogado/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/confira-o-clipe-da-cantora-argentina-lali-em-parceria-com-pabllo-vittar/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/voce-sabia-que-o-ford-mais-vendido-na-america-do-sul-e-feito-na-bahia/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/mostra-multimidia-homenageia-os-40-anos-do-correio/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/igreja-transmite-momento-em-que-pastor-e-baleado-em-culto-veja/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/camera-de-shopping-flagrou-conversa-de-empresario-que-matou-jogador-e-testemunhas/