Curada de covid é pedida em casamento em Itapuã e noivo brinca: "de uma laranjada para entrar em outra"

salvador
10.06.2021, 19:17:00
Atualizado: 10.06.2021, 20:54:05

Curada de covid é pedida em casamento em Itapuã e noivo brinca: "de uma laranjada para entrar em outra"

Mulher foi surpreendida pelo companheiro quando saia do hospital após ter complicações com a covid-19

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A auxiliar administrativa Rosana Ferreira, 33 anos, vai terminar a quinta-feira (10) com dois motivos para sorrir. Isso porque, depois de passar por uma barra e  ter ficado mais de uma semana internada por causa de complicações da covid-19, ela foi surpreendida por seu companheiro,  Adriano Santos, 33, na hora que saia do Hospital de Campanha de Itapuã. 

Aplaudida pelos profissionais e em cadeira de rodas, Rosana se emocionou ao ver o companheiro e a filha do casal. Adriano, inclusice, fez graça na hora de pedir a mão da amada.“Você acabou de sair de uma laranjada para entrar em outra agora”, disse ele, ao entregar as alianças. "Laranjada" em Salvador é uma gíria para situação complicada, constrangedora.


Leia mais: Laranjada, baratino, castelano e quatchá quatchá: 30 gírias de favela na Bahia

Rosana ficou internada por 11 dias, com passagem pela UTI e pela enfermaria do Hospital de Campanha de Itapuã, unidade de saúde da Prefeitura de Salvador, gerida pela Liga Álvaro Bahia, que mantém o Martagão Gesteira. Ainda emocionada, ela não escondeu a felicidade após aceitar o pedido.

“Estou muito feliz. Não esperava por isso. São duas felicidades: a alta médica e ser pedida em casamento. Eu tive sintomas muito fortes. Foi horrível, mas agora estou recuperadíssima”, comemorou

Fim da enrolação

Adriano admitiu que tomou a decisão depois de nove anos de relacionamento após tomar o susto com a internação da amada e imaginar como seria a vida sem ela. 

"Eu já enrolava ela durante nove anos. Depois dessa situação, aí eu vi que era o momento certo. Quando tive a sensação que podia perdê-la pra covid, eu tive que fazer essa ação. Há três dias eu tive a coragem e a decisão de pedí-la em casamento pra sacramentar tudo", relata.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas