Cursos de autoescola ficarão cerca de 25% mais caros por conta da alta da gasolina

bahia
06.05.2022, 05:00:00
(Divulgação)

Cursos de autoescola ficarão cerca de 25% mais caros por conta da alta da gasolina

Valor médio para habilitação categoria B (carro) passará de R$1.900 para R$2.375

A alta dos preços dos combustíveis vai fazer os valores cobrados pelas autoescolas também subirem. Segundo o Sindicato das Autoescolas e Centros de Formação de Condutores da Bahia (Sindauto Bahia), o aumento será, em média, de 25%, e deve ser aplicado a partir de julho. No estado, o custo médio da habilitação para carro (categoria B), é de R$ 1.900; com o reajuste, será de R$ 2.375. A habilitação para moto (categoria A), custa, em média, R$ 1.600 e passará a custar R$ 2.000. 

O presidente do Sindauto Bahia, Wellington Oliveira, ressalta que as autoescolas passaram cerca de oito meses fechadas por conta das medidas restritivas da pandemia, entre 2020 e 2021, e ainda amargam as consequências da crise sanitária. “Agora temos esses consecutivos aumentos dos combustíveis, que é o nosso insumo básico, representa cerca de 40% dos custos de uma autoescola. Estamos segurando o reajuste, mas, a partir do segundo semestre, não vamos ter mais como segurar”, diz.

Oliveira acrescenta ainda que os reajustes não são feitos desde 2019 e estão sendo evitados ao máximo para não espantar clientes. “Estamos segurando e, quando aumentarmos, vai ser uma porcentagem menor do que o ideal porque sabemos que são tempos difíceis para todo mundo, o poder de compra vem diminuindo, se repassarmos tudo, vamos afastar os clientes”.

O biólogo e ator Emerson Sant’Anna, de 32 anos, está no processo de tirar habilitação para as categorias A e B e espera conseguir a carteira antes do reajuste. Ele perdeu na primeira prova prática e está sem dinheiro para fazer novamente o teste. “São R$100 para o de moto e depois ainda tem o de carro, de R$150. Eu comecei o processo em Salvador em 2021, mas voltei para Itapetinga, então agora está mais complicado ainda”, diz.

Emerson diz que só está tirando carteira para poder fazer concursos públicos

(Foto: Arquivo Pessoal)

“Eu acho os valores absurdos, só estou fazendo porque preciso mesmo, já que os concursos públicos exigem. Para começar, juntei dinheiro, ainda dividi os custos da autoescola em 10 vezes, mas, mesmo assim, é muito pesado”, conta Sant’Anna, que já gastou cerca de R$3 mil com o processo até agora. 

O dono da Autoescola Nota 10, Obi Soares, estima que um aumento justo dos preços seria de 50%, mas deve aplicar um reajuste de 25% a partir do segundo semestre. “Já estou aqui com planilhas, colocando as coisas no papel e conversando com meu contator. O aumento real, justo, seria de 50%, mas, pelo cenário que estamos vivendo, não dá, eu vou colocar em torno de 25% para não perder cliente. E só vou aumentar porque não tem jeito, estou pagando para trabalhar. Se eu não aumentar até o final do ano, fecho as portas”, afirma. 

A Autoescola Nota 10 deve aplicar reajuste de 25% no segundo semestre

(Foto: Reprodução)

O dono da Autoescola Corsário, Denilson Nunes, ainda não sabe de quanto será seu reajuste, mas tem certeza que precisa aumentar o valor cobrado aos clientes. “Eu aqui estou aqui segurando ao máximo os preços. Mas, realmente, no segundo semestre, terei que aumentar. Mas não sei ainda qual será o percentual porque depende do reajuste salarial da categoria que vai ter agora na convenção coletiva. A partir de junho, a folha de pagamento deve subir”, coloca. 

Nunes conta que ainda tem 40% a menos de alunos na comparação com o cenário pré-pandemia e que a procura está baixa. Para segurar as pontas, ele vai enxugando os custos. “Já cheguei a ter seis carros e três motos, hoje só tenho dois carros e duas motos porque é o mínimo exigido pelo Detran. Na comparação de antes da pandemia e agora, eu tenho 50% a menos de pessoas no quadro de funcionários”, conta. 

Autoescola Corsário ainda tem 40% de alunos a menos do que antes da pandemia

(Foto: Reprodução)

A estudante Clara Ferrari, de 21 anos, assim como Emerson Sant’Anna, diz que só está tirando habilitação porque considera necessário, já que o trajeto da casa dela até a faculdade dura 1h30 de ônibus. Ela queria tirar a carteira para categoria B desde os 18 anos, mas conta que precisou se planejar e juntar dinheiro. Em novembro do ano passado, na promoção da Black Friday, viu uma oportunidade e resolveu aproveitar. 

“Eu pesquisei muito e levei em consideração os preços. Consegui na promoção R$1.600 na autoescola. Foi um valor para pagamento à vista, achei que valia à pena. No total, com as taxas e tudo mais, estou gastando R$2 mil. Acho um valor alto e não é uma coisa que eu faria se não visse realmente necessidade”, acrescenta. 

Não é só combustível

O presidente do Sindauto Bahia, Wellington Oliveira, lembra que manter uma autoescola envolve uma série de custos que vão além dos combustíveis. “É importante que a sociedade compreenda que a atividade das autoescolas é regulada pelos órgãos de trânsito e seguem uma série de requisitos, como aquisição e renovação de frota, infraestrutura física mínima, carga horária obrigatória de aulas nos cursos Teórico e Prático, entre outros. Não basta ter um carro e uma moto”, conclui.

E quase tudo está mais caro. O dono da Autoescola Nota 10, Obi Soares, faz uma retrospectiva dos preços. “As coisas estão dobrando de preço. A gasolina antes da pandemia era R$ 3,19; hoje, chega a R$8,00. Eu comprei um carro em 2019, o mais básico possível, por R$38.900. Comprei o mesmo carro agora por R$ 80 mil. Eu comprava pneu por R$249. Hoje, é R$450”, destaca.

Aumento do preço dos combustíveis

Até o momento, no ano de 2022, já foram nove aumentos nos preços dos combustíveis na Bahia. Com isso, em quatro meses, a gasolina registra uma  alta de 27%  e o diesel de 64%, muito acima da inflação oficial do país que, até março, acumulava uma alta de 3,20%. O último reajuste aconteceu no dia 20 de abril, anunciado pela Acelen, que administra a Refinaria de Mataripe. O aumento nos preços do diesel S10 foi de 11,3%, do diesel S500 de 11,4% e da gasolina de 6,7%. 

Confira todos os aumentos de 2022: (Fonte: Sindicombustíveis com dados da Acelen)

Gasolina   R$            Variação

01/jan       3,26702
15/jan       3,31385    1,43%
22/jan       3,38830    2,25%
05/fev       3,46840    2,36%
05/mar      4,12100    18,82%
19/mar      4,08800    -0,80%
26/mar      4,23850    3,68%
02/abr       3,81340    -10,03%
09/abr       3,77720    -0,95%
16/abr       3,87530    2,60%
23/abr       3,87870    0,09%
30/abr       4,13790    6,68%

Diesel    R$                Variação

01/jan    3,42760
15/jan    3,62323    5,71%
22/jan    3,67534    1,44%
05/fev    3,75660    2,21%
05/mar    4,63380    23,35%
19/mar    4,50540    -2,77%
26/mar    5,06670    12,46%
02/abr    4,53250    -10,54%
09/abr    4,68800    3,43%
16/abr    4,84010    3,24%
23/abr    5,03850    4,10%
30/abr    5,60680    11,28%

O que aumenta na refinaria tem sido repassado pelos postos ao consumidor. Segundo dados da plataforma Preço da Hora, que registra o valor médio de mais de 500 mil produtos de todos os municípios da Bahia, o litro de gasolina que, em média, saía a R$ 6,88 em janeiro, custa R$ 7,58 em maio nos postos do estado. Já o diesel, que tinha o valor médio do litro em R$ 5,81, sai a R$ 7,44 para quem quer abastecer com o combustível. Para se ter ideia dos aumento, ainda de acordo com dados da Preço da Hora, em maio de 2021 o litro da gasolina e do diesel custava, respectivamente, R$ 5,71 e R$ 4,56. 

O aumento da bomba, para além de quem abastece o tanque, é um problema para os que precisam pagar passagens mais caras ou viagens por aplicativo mais custosas. A alta no combustível faz com que os custos cresçam em todos os setores da economia, inclusive energia e transporte rodoviário, afetando o consumidor final. 

Quais são as etapas para tirar a carteira e quanto custa?

  • Cadastro inicial (laudo)

A primeira etapa é solicitar a emissão do laudo, que representa a abertura do processo de solicitação da primeira habilitação perante o Detran. Valor: R$ 237,36.

  • Exame médico 

O candidato a condutor passará por avaliação da aptidão física, principalmente, com exame de vista. O processo deve ser feito em uma clínica indicada pelo Detran. O pagamento é feito à vista no dia do exame. Valor: R$ 128,00. 

  • Psicoteste (aptidão mental)

O candidato a condutor passará por avaliação da aptidão mental, através de testes escritos. O processo deve ser feito em uma clínica indicada pelo Detran. O pagamento é feito à vista no dia do exame. Valor: R$ 170,00. 

  • Autoescola

Na autoescola, o candidato a condutor passará por aulas teóricas para aprender conteúdos como regras do Código de Trânsito e primeiros socorros. Depois, passará por uma prova teórica e, se aprovado, irá para as aulas práticas, conduzindo o veículo nas ruas. Algumas autoescolas oferecem ainda a etapa de passar por um simulador de direção, que deixou de ser obrigatória. Concluída esta etapa, o candidato estará apto a realizar a prova prática. São 45 horas de aulas teóricas e 20 aulas práticas. Valor: Em média, o curso de 1ª Habilitação de carro (categoria B) é de R$ 1.900,00. Já para o curso de moto (categoria A), o valor médio praticado pelos CFCs no estado é de R$1.600,00. 

  • Prova teórica

Será agendada data e horário para a prova objetiva no Detran. Valor: Esta etapa não possui custo adicional. 

  • Prova prática

Será agendada data e horário para a prova no Detran. A prova é dividida em três etapas: teste de baliza, teste de meia embreagem e teste de direção na rua. Valor: Esta etapa não possui custo adicional perante o Detran. Algumas autoescolas cobram uma taxa a parte para o uso do veículo para a prova, que custa, em média, R$100. 

  • Retirar a carteira

Após a aprovação, o aprovado irá até o Detran para a retirada da carteira provisória, sem custo adicional. Um ano depois, ele poderá tirar a carteira permanente. Para isso, deverá pagar um valor de R$ 128,06. 

Valor total estimado: R$2.363,42

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas