Danuza Leão critica ato contra assédio no Globo de Ouro: 'Pareceu um funeral'

entretenimento
10.01.2018, 11:55:00
Atualizado: 10.01.2018, 12:02:56

Danuza Leão critica ato contra assédio no Globo de Ouro: 'Pareceu um funeral'

Em texto polêmico, escritora questiona os limites para algo ser considerado assédio

O protesto das atrizes de Hollywood no Globo de Ouro e o discurso da jornalista Oprah Winfrey durante a cerimônia, realizada em Los Angeles, no último domingo (7), têm provocado uma série de reações em todo o mundo. Algumas delas, inclusive, contrárias ao que tem sido classificado como assédio sexual.

Ontem, a atriz Catherine Deneuve e mais de cem personalidades francesas assinaram uma carta defendendo o que achamaram de a ‘liberdade de importunar’. Segundo o texto, publicado no jornal Le Monde, o grupo rejeita um feminismo que “exprime ódio pelos homens” e insurge-se contra “uma caça às bruxas”.

A polêmica também chegou no Brasil. A jornalista e escritora Danuza Leão publicou nesta quarta-feira (10), um dia após a divulgação da carta pelas francesas, um texto em que também questiona os limites para algo ser considerado assédio e critica onda de denúncias. 

Ao declarar que "o Globo de Ouro pareceu um grande funeral" - referindo-se ao fato de as mulheres terem ido à cerimônia vestidas de preto - , Danuza disse que as francesas estão certas em suas reivindicações. "Não acho que as denúncias de assédio possam gerar uma ‘caça às bruxas’ porque são uma coisa ridícula, para começo de história", disparou.

Leia o depoimento na íntegra:

"O que não está claro para mim é o conceito de assédio. É uma paquera? Avanços sexuais entre homens e mulheres começam sempre de um lado. Às vezes, o outro lado não quer, e isso é normal. Como definir?

Espero que essa moda de denúncia contra assédio sexual não chegue ao Brasil. O que aconteceu no Globo de Ouro me pareceu um grande funeral. Apesar dos vestidos lindíssimos, acho que aquelas mulheres (que foram à cerimônia de preto) foram muito pouco paqueradas e voltaram sozinhas para casa.

Não acho que as denúncias de assédio possam gerar uma ‘caça às bruxas’ porque são uma coisa ridícula, para começo de história. É doloroso saber que uma mulher pode fazer uma acusação e tirar o emprego de um homem. É algo pecaminoso. Mas isso é coisa de americano. Lá eles não têm noção de sexo. É ótimo passar em frente a uma obra e receber um elogio. Sou desse tempo. Acho que toda mulher deveria ser assediada pelo menos três vezes por semana para ser feliz. Viva os homens."


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas