De volta ao TCA, ainda sem público, Osba celebra obra de Carlos Gomes

entretenimento
10.09.2020, 06:00:00
Osba volta aos ensaios em versão reduzida, com no máximo 15 músicos (Arisson Marinho/CORREIO)

De volta ao TCA, ainda sem público, Osba celebra obra de Carlos Gomes

Em formato reduzido, orquestra retorna ao palco para gravar vídeos e realizar ensaios

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foram quase seis meses longe do palco em razão do isolamento social, mas finalmente a Osba (Orquestra Sinfônica da Bahia) está de volta à sua casa: o Teatro Castro Alves. É verdade que volta num ritmo moderado, como pede o momento: dos quase 75 músicos do conjunto, só 15 estão presentes em cada ensaio e, claro, todos devidamente protegidos. Além disso, o público ainda não pode assistir às apresentações.

Mas a boa notícia é que esse retorno está sendo gravado e o resultado já poderá ser visto nesta quinta (10), às 19h, no canal da orquestra no YouTube, quando vai ao ar a primeira edição do Osba em Casa Virtual, com a execução de um programa dedicado a Carlos Gomes (1836-1896). No dia 24, é a vez de homenagear o compositor Alberto Nepomuceno (1864-1920), cuja centenário de morte se completa agora em 2020. No dia 30, a Osba celebra o aniversário de 38 anos, com uma edição especial do projeto.

"Não pudemos retornar todos ao mesmo tempo, mas de alguma forma estamos felizes porque estamos voltando a exercer o nosso ofício. Não tinha uma vaga ideia de quando voltaria nem mesmo se voltaria", celebra o maestro da Osba, o carioca Carlos Prazeres, 46 anos, há nove anos na função. Além do revezamento de músicos, houve uma grande redução no número de instrumentos de sopro, já que o uso deles poderia representar maior risco de transmissão de covid.

O Osba em Casa, que agora será apresentado virtualmente, já acontecia fisicamente há alguns anos, até ser suspenso em razão da pandemia. O projeto propõe uma experiência mais intimista entre o público e os músicos. As apresentações, na sala principal do TCA, tinham lotação reduzida e comportavam no máximo 230 pessoas. A plateia ficava no palco, junto com os músicos e as cortinas permaneciam fechadas.

O maestro Carlos Prazeres (foto: divulgação)

Prazeres lamenta que o público ainda não possa retornar, mas tem ciência da necessidade do isolamento. Por isso, já está preparando para o final do ano uma apresentação especial, que acontecerá também virtualmente: no Natal, haverá uma homenagem aos 250 anos de nascimento de Ludwig Van Beethoven (1770-1827). "A pandemia impediu que ele já tivesse sido homenageado de forma digna neste ano. Então, vamos comemorar com um grande espetáculo: além das músicas dele, haverá declamação de poemas de Gregório de Mattos e de Castro Alves".

Quarentena

Mas, mesmo em quarentena, Prazeres e seus músicos não pararam de produzir vídeos para o canal da orquestra no YouTube. Nesse período, foi criado o selo Osbaflix, para reunir tudo que foi criado na pandemia. Uma das atrações do selo foi a live Viagens Sinfônicas, em que o maestro funcionava como um guia, comentando as peças sinfônicas apresentadas. O Osba Talks era um bate-papo entre um integrante da orquestra e um convidado da área musical.

O evento de maior sucesso nesses quase seis meses foi o São João Sinfônico, que continua disponível no YouTube, assim como outros vídeos. "Chamamos Gilberto Gil, Geraldo Azevedo, Bule Bule, João Cavalcanti... Um time desses custaria milhões se fosse reunido de forma presencial. Mas aceitaram fazer por um cachê simbólico", diz o maestro.

Mas pode uma orquestra sinfônica tocar forró? Segundo Prazeres, não há problema algum e ele até acha importante: "Algumas pessoas dizem que eu 'popularizo' a música clássica, mas popularizar é levar ao povo, fazer que chegue a todos. Popularizar não quer dizer transformar música erudita em música pop", defende.

Foi assim que uma das apresentações da Osba na Concha Acústica terminou com músicas de Pablo e Anitta. Houve críticas, claro, mas Prazeres as rebate: "Não podemos pensar em orquestras como cópias de organismo vienenses ou alemães. Precisamos pensar na Osba como uma orquestra com a cara da Bahia".

Programação do Osba Virtual

10/SET, QUINTA-FEIRA, 19h
OSBA em Casa #Virtual
Programa: C. GOMES – Sonata para cordas em Ré maior

24/SET, QUINTA-FEIRA, 19h 
OSBA em Casa #Virtual – ALBERTO NEPOMUCENO (Centenário de falecimento)
Programa:  
A. NEPOMUCENO – Serenata para cordas 
A.NEPOMUCENO – Suíte Antiga, Op.11 

30/SET, QUARTA-FEIRA, 19h
OSBA em Casa #Virtual – ANIVERSÁRIO DA OSBA
Programa:
D. R. MUSSURUNGA – As Belas Bahianas: Quadrilha de contradanças
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas