"Democracia não pode se limitar a apertar um botão a cada 4 anos", diz Boulos

bahia
22.08.2018, 18:50:00

"Democracia não pode se limitar a apertar um botão a cada 4 anos", diz Boulos

Afirmação foi feita em resposta a uma questão do CORREIO em sabatina do Jornal do Commercio

O candidato à Presidência da República Guilherme Boulos (PSOL) defendeu a  implementação de um sistema nacional de democracia direta. A ideia dele é  incentivar a participação popular nas decisões dos rumos do país por meio de  plebiscitos e referendos. 

"Para nós, democracia não pode se limitar a apertar um botão a cada quatro anos e  depois fica um presidente no Palácio e o Congresso na Praça dos Três Poderes  decidindo o rumo do Brasil", afirmou, durante sabatina realizada nesta quarta-feira  pelo Jornal do Commercio e à TV JC, de Recife. 

O posicionamento dele foi em resposta a uma questão enviada pelo CORREIO, que integra a Rede Nordeste ao lado dos jornais do  Commercio e O POVO, de Fortaleza. Também nesta quarta, Boulos concedeu entrevista para Rádio Jornal, também no Recife.

CORREIO questionou a Boulos como seria a relação dele com o Congresso diante  das críticas que têm feito à maioria dos presidenciáveis, que integram as legendas  de maior bancada na Câmara e no Senado. O candidato do PSOL tem dito que esses  partidos servem a interesses de quem paga, e não de quem elege. 

Confira abaixo a entrevista na íntegra:

"Nos últimos 30 anos no Brasil se entendeu que governabilidade é construir maioria  no parlamento e ponto final. Aí você constrói maioria pelo meio que for. Esses meios que, inclusive, se  tornaram pais e mães da corrupção no Brasil", afirmou.

Ele ressaltou que seu partido defende outra forma de fazer política, diferente do  "toma lá dá cá". "Desde o financiamento de campanha eleitoral, onde o grande poder econômico paga a banda para depois escolher a música, se criam desde verdadeiras máfias no Congresso até a troca de voto por cargos e ministérios, que vimos a céu aberto no governo Temer quando ele foi salvar o pescoço dele", disse. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas