Deserto Particular, do baiano Aly Muritiba, é selecionado para Veneza

entretenimento
28.07.2021, 16:43:00
Atualizado: 28.07.2021, 17:02:18
Cena de Deserto Particular (Fotos: divulgação)

Deserto Particular, do baiano Aly Muritiba, é selecionado para Veneza

Longa, do mesmo diretor de O Caso Evandro, está na mostra Venice Days

O filme mais novo do diretor baiano Aly Muritiba (do filme Para Minha Amada Morta e do filme O Caso Evandro), Deserto Particular, fará sua première mundial no Festival de Veneza, na mostra Venice Days, que acontece em setembro. Parte do filme foi gravada na Bahia, na cidade de Sobradinho. Segundo o diretor, que é também roteirista junto com Henrique dos Santos, o longa-metragem  trata “dos afetos masculinos no Brasil contemporâneo”.

O longa é protagonizado por Antonio Saboia (“Bacurau”), que vive Daniel, um policial afastado do trabalho depois de cometer um erro. Ele mora em Curitiba, com um pai doente, de quem cuida com devoção. Taciturno, Daniel fala pouco, e sorri menos ainda. Seu único motivo de alegria é a misteriosa Sara, uma moça que mora no sertão da Bahia, e com quem se corresponde por aplicativo de celular. O desaparecimento súbito de Sara faz com que Daniel resolva cruzar o país em busca de seu amor.

O diretor Aly Muritiba

"Deserto Particular é um filme de encontros. Desde 2016, com o golpe que tirou do poder uma presidenta democraticamente eleita, minha geração enfrenta o momento mais dramático de sua existência. O país afundou numa espiral de ódio que culminou com a eleição de um fascista como presidente e o país se dividiu entre o sul conservador e o norte e nordeste progressista. Essa época de ódio me motivou a fazer uma obra sobre encontros. Nesse momento de ódio, resolvi fazer um filme sobre o amor”, explica o cineasta.

Saboia foi o primeiro escolhido para o filme, e, conforme explica o diretor, lutou muito pelo papel. “Eu não o conhecia, mas ele havia ouvido falar do roteiro e me procurou. Depois de algumas ligações nós enfim nos encontramos e o santo bateu. Olhei pra ele e senti a energia de Daniel. Parei pra ouvi-lo e ela tinha a voz que havia imaginado que Daniel tinha.”

Sobradinho
Para Muritiba, a cidade de Sobradinho, como cenário, serve como uma metáfora para os personagens. “Sempre me interessei por aquela pequena cidade erguida ao redor de uma enorme represa. Sobradinho é uma cidade rodeada de energia elétrica, mas também levantada sob o signo do represamento, do controle do fluxo das águas. Essa energia decorrente desse represamento movem meus personagens, mas também essa vontade de sair se derramando por aí.” E filmar ali “foi um desafio proporcional à magnitude da represa que há na cidade. Havia toda uma energia no set que com toda certeza contagiou o filme.”

Também diretor de documentários, com filmes como A Gente e Pátio, e da recente série Globoplay O Caso Evandro, Muritiba explica que essa experiência foi fundamental para Deserto Particular. “O modo como abordo os espaços e os corpos nos espaços vem do documentário de observação. Aqui, essa experiência foi determinante para o mise-en-scène, mas não só. O compromisso ético com o tema e os objetos (personagens) que tenho quando faço documentários está todo o tempo em pauta nas minhas ficções.” Deserto Particular estreia no Brasil no próximo ano.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas