Dirigentes de times do interior veem risco do Baianão não acabar

esportes
18.03.2020, 06:00:00
Atualizado: 18.03.2020, 16:30:20
Imagem do jogo entre Fluminense e Bahia de Feira pela 4ª rodada, no Joia da Princesa (Bahia de Feira / Divulgação)

Dirigentes de times do interior veem risco do Baianão não acabar

"Já determinei aos diretores que liberem os jogadores sem prazo para retornar", diz presidente do Flu de Feira

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Os presidentes dos clubes do interior do estado que disputam o Campeonato Baiano divergem em relação ao recuo da Federação Bahiana de Futebol (FBF), que determinou na terça-feira (17) a suspensão por tempo indeterminado do estadual. Um dia antes, a entidade havia mantido as duas rodadas finais da fase classificatória com portões fechados.

A maioria das equipes possui contratos com jogadores apenas até abril, prazo de duração do torneio originalmente - o campeão seria conhecido no dia 26 de abril. Com o agravamento da pandemia do Covid-19 e a suspensão do calendário, alguns clubes liberaram seus atletas a partir desta terça. Há equipes que alegam não ter condições de renovar os contratos e manter os jogadores por mais meses, até que o estadual seja retomado. 

A primeira decisão tomada pela FBF foi de realizar as duas últimas rodadas da fase classificatória no domingo (22) e na quarta-feira (25), com os portões fechados. A proposta, sustentada por parte dos clubes, visava a definir logo os quatro classificados para as semifinais e os seis eliminados. Assim, estas seis equipes poderiam liberar os jogadores dos seus contratos.

DIFICULDADES

Presidente da Juazeirense, Roberto Carlos aponta limitações financeiras: "Vou me reunir com elenco e comissão técnica e fechar as portas do clube sem saber quando voltaremos. Ninguém vai ficar pagando jogador com ele em casa sem poder treinar. O patrocinador não vai pagar o clube, não tem renda. Como vou fechar essa conta?", indaga.

"A maioria dos nossos contratos acaba em abril. Postergando o campeonato, teremos que renovar os contratos. Não dá para esperar. Se ficarmos dois meses, três meses com esse custo e sem jogar nem treinar, vou contrair uma dívida que o clube nunca teve", explica o presidente do Cancão de Fogo.

Outro que considera a manutenção do clube algo inviável é o presidente do Fluminense de Feira, Pastor Tom. "Como um time de interior vai manter 40 homens alojados com alimentação e tudo sem ter jogo para fazer? É complicado. Já determinei aos diretores que liberem os jogadores sem prazo para retornar. Nos próximos dias vamos avaliar o que fazer, se dispensamos dos contratos ou não", revela.

Roberto Carlos e Pastor Tom defenderam a proposta de encerrar a fase classificatória e depois parar o Baianão: "Era a medida mais salutar, porque terminaríamos logo a primeira fase e depois paralisaríamos o torneio só com quatro equipes na competição. E seria com os portões fechados, baseados na declaração do secretário de saúde do estado (Fábio Vilas-Boas) de que ainda não há razão para desespero", argumenta o dirigente do Cancão.

Além de Juazeirense e Fluminense de Feira, o CORREIO entrou em contato com dirigentes de Atlético de Alagoinhas e Vitória da Conquista, que confirmaram a liberação dos atletas e da comissão técnica e o encerramento das atividades sem prazo para retorno, e também com a direção do Bahia de Feira, que interrompeu os trabalhos do clube até o fim do mês.

O Doce Mel se posicionou por meio de uma nota oficial assinada pelo presidente Eduardo Catalão na qual informa que paralisou o futebol profissional e de base.

Presidente do Jacobina, Rafael Damasceno afirmou que o clube é totalmente a favor da paralisação alegando que "a prioridade do momento é a saúde". O dirigente afirmou que todos precisam colaborar para conter o avanço da pandemia e foi enfático ao declarar que "neste momento o menor prejuízo é o financeiro".

O Jacobina tem 53 pessoas em seu quadro - número que engloba elenco, funcionários, diretoria e comissão técnica. Damasceno alertou que já existem casos de suspeita na região e que os atletas ficaram receosos de continuar treinando. Por conta disso, as atividades no clube foram interrompidas nesta terça-feira (17) e não há previsão de volta.

"Nossos contratos são até abril, mas neste momento o prejuízo menor é o financeiro. Parabenizamos a sensatez da Federação Baiana por ouvir clubes e os jogadores para tomar a decisão. Paramos as atividades, os jogadores estão sem querer treinar. Agora vamos aguardar os desdobramentos para ver o que fazer no futuro", disse Rafael Damasceno.

O Jacuipense, que vai disputar a Série C, vive situação diferente da maioria. Na capital, Bahia e Vitória também interromperam as atividades: o tricolor para até 30 de março; o rubro-negro, por tempo indeterminado.

SÉRIE D

Ederlane Amorim, presidente do Vitória da Conquista, reconhece as dificuldades, mas apoia a decisão da FBF: "Será uma dor de cabeça enorme, mas não há o que fazer. É uma questão de saúde pública mundial e todos nós temos que dar nossa parcela de contribuição. Esses problemas que os clubes do interior vão enfrentar eu encaro como secundários. Há um risco muito maior".

Diferentemente de Juazeirense e Fluminense de Feira, o Vitória da Conquista tem vaga para disputar a Série D de 2020, que estava prevista para começar no dia 3 de maio. O mesmo vale para Bahia de Feira de Atlético de Alagoinhas. As três equipes aguardam também um posicionamento da CBF em relação à competição nacional.

"Nós temos vários contratos com jogadores que terminam agora em abril e alguns outros com validade até o final da Série D. Cada caso vai ser conversado de forma isolada, vamos tentar resolver da melhor maneira possível, para que ninguém se prejudique", comenta Ederlane Amorim sobre o Vitória da Conquista.

O Bahia de Feira, que também aceitou a decisão, está numa situação mais tranquila em relação a contratos: "No nosso elenco, a maioria dos contratos vai até o final do próximo Baiano (de 2021)", diz o presidente do Tremendão, Thiago Souza. "A princípio vamos liberar os atletas até dia 31 de março, mas podemos ampliar a depender do que acontecer. Isso se o Baiano for retomado", completa.

"A maioria dos nossos contratos já é visando a Série D", informa Albino Leite, presidente do Atlético. "Mas a gente nem sabe se vai ter Série D ainda. A providência é liberar os atletas, suspender todas as atividades do clube. A partir daí vamos avaliar juridicamente se vamos suspender os contratos ou não".

BAIANÃO SEM FIM?

Diante das dificuldades apresentadas pela pandemia do Covid-19, todos os dirigentes ouvidos admitem a possibilidade do Campeonato Baiano 2020 não ter um desfecho em campo. "Eu não acredito que o Baiano volte mais. Não teremos mais datas para isso. Para mim, o campeonato acabou do jeito que está", opina Ederlane Amorim.

"Só queria entender agora como será feita a distribuição de vagas para os torneios nacionais (Série D, Copa do Brasil e Copa do Nordeste). Qual será o critério adotado, já que não houve finalização da parte de campo? E sobre rebaixamento? Vamos aguardar um posicionamento da FBF quanto a isso", completa o presidente do Vitória da Conquista.

Roberto Carlos, da Juazeirense, reforça o coro: "Eu acho muito difícil mesmo retomar esse campeonato no futuro. Agora, quero saber como serão distribuídas as vagas para as competições nacionais do ano que vem. E também quem é que vai pagar o prejuízo financeiro que tivemos ao investir nesse período todo".

Presidente do Fluminense de Feira, Pastor Tom afirma que vai buscar medidas jurídicas caso o campeonato seja retomado: "A Justiça terá que entender a necessidade e ser branda nesse momento para que aceite que prolonguemos os contratos dos atletas. Só assim para realizarmos os jogos finais do campeonato".

*com colaboração de Vinícius Nascimento

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas