Empresário revela que Bolt recusou contrato com clube de Malta

esportes
18.10.2018, 12:10:00
Atualizado: 18.10.2018, 14:29:59
Usain Bolt defende o Central Coast Mariners, da Austrália (PETER PARKS / AFP)

Empresário revela que Bolt recusou contrato com clube de Malta

Jamaicano treina em time da Austrália

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Lenda no atletismo com recordes e medalhas de ouro em Olimpíadas e Mundial, o jamaicano Usain Bolt segue tentando fazer carreira no futebol. Treinando há mais de dois meses no Central Coast Mariners, da Austrália, em busca de um contrato para jogar o campeonato local, que começará neste final de semana, o ex-velocista recusou uma oferta feita pelo La Valletta, campeão de Malta, para assinar um contrato de duas temporadas.

A informação da recusa de Bolt foi feita nesta quinta-feira (18) pelo seu empresário Ricky Simms, em entrevista à ESPN norte-americana. "Existem muitos clubes interessados em Usain. Recebemos constantemente várias abordagens. Posso confirmar que Usain não vai aceitar a proposta para jogar em Malta", afirmou.

O La Valletta foi o primeiro clube a manifestar interesse em contar com o futebol do ex-velocista. Ainda sem contrato, Bolt vai continuar treinando na Austrália em busca de seu objetivo. Já entrou em campo duas vezes, em amistosos de pré-temporada, e se destacou na semana passa, quando marcou dois gols na goleada do Central Coast Mariners por 4x0 sobre o Macarthur South West

Ghasston Slimen, diretor executivo do clube de Malta, comentou a decisão de Bolt e fez questão de deixar uma mensagem ao ex-velocista. "Desejamos a Usain Bolt tudo de melhor na sua carreira futebolística. A proposta do Valletta FC está sempre em cima da mesa", disse.

Antes de tentar a sorte na Austrália, Bolt treinou no Borussia Dortmund, da Alemanha, e em clubes da África do Sul e da Noruega. De acordo com a imprensa australiana, o jamaicano pode assinar um contrato de 1,9 milhões de euros (mais de R$ 8 milhões) com o Central Coast Mariners, mas o clube espera que a Federação Australiana de Futebol (FFA, na sigla em inglês) ajude na negociação.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas