Entenda polêmica que deu origem à campanha 'Salve Bel para as Meninas'

em alta
20.05.2020, 13:41:58
Atualizado: 20.05.2020, 14:33:46

Entenda polêmica que deu origem à campanha 'Salve Bel para as Meninas'

Internautas acusam mãe de maltratar e exibir garota de 14 anos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A youtuber Isabel Magdalena, de 14 anos, do canal Bel para Meninas, é um dos assuntos mais comentados do Twitter desde a segunda-feira (18). Internautas usaram uma tag para acusar a mãe de Bel, Francinete, de obrigar a garota a produzir conteúdos que não são mais compatíveis com a idade que ela tem hoje.

O assunto começou a ganhar atenção quando um rapaz fez uma sequência de tuítes (thread, em inglês) sobre o comportamento de Bel em vídeos recentes, cogitando que a mãe a obrigava a gravar vídeos falando de assuntos infantis, mesmo ela já sendo adolescente. Os pais são acusados de maus tratos e exposição da garota.

Trechos de vídeos que pareciam mostrar Bel desconfortável foram selecionados por ele. A garota mantém o canal desde que tinha apenas 6 anos. Atualmente, ele tem mais de 7 milhões de inscritos no Youtube. A mãe dela mantém o Fran para Meninas, que tem mais de 6 milhões de inscritos.

Em um dos posts apontados, de 2015, a menina é filmada por um dos pais enquanto está no mar, com água na altura do queixo, sozinha. No fim do vídeo, um adulto estende a mão para ajudá-la. A menina diz então que foi apenas uma brincadeira para alertar dos riscos de afogamento. Em outro vídeo, um "desafio" filmado há alguns anos, ela vomita ao experimentar uma comida ruim incentivada pela mãe.

Em um vídeo mais recente, a mãe pede que os seguidores votem em uma enquete para escolher qual bolsa Bel deve usar na escola, mesmo ela pedindo por uma específica, a que gosta mais. 

Com a denúncia, vários internautas passaram a usar uma tag sugerindo que Bel precisa de ajuda. Nem mãe nem filha comentaram o caso, que chegou a ser exibido no Cidade Alerta, da Record. "Toda essa mobilização na internet do Brasil e tem que acontecer. Se a Fran escolheu a internet para trabalhar e ela se sente confortável de colocar a família toda mostrando a cara, mostrando o dia-a-dia, fazendo supostamente brincadeiras que agora estão sendo mal vistas pelas pessoas, ela tem que aceitar as críticas”, comentou o apresentador Luiz Bacci.

A família chegou a ser alvo de um inquérito do Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) em 2016 por suspeia de irregularidade com conteúdo publicitário e mercadológico do canal de Bel. 

Após a repercussão, Fran publicou uma foto ao lado das filhas - além de Bel, Nina - e do marido. “Enquanto algumas pessoas espalham o ódio gratuito nós seguimos acreditando na família e no amor. Que nossa felicidade chegue ao coração de vocês!”, diz a legenda.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas