Espetáculo Criança Viada prega liberdade de ser quem se é

entretenimento
04.05.2018, 09:24:00
Atualizado: 04.05.2018, 10:05:26

Espetáculo Criança Viada prega liberdade de ser quem se é

"Precisamos revisar nossos hábitos para não continuar criando gerações de crianças solitárias", diz Vinicius Bustani,

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O que você diria hoje para a criança que você foi um dia? E se tivesse a oportunidade de estar frente a frente com ela, o que faria? É esse encontro íntimo e avassalador que o ator Vinicius Bustani promove no espetáculo Criança Viada ou De Como Me Disseram que Eu Era Gay, em cartaz nos domingos de maio, no Teatro Gamboa Nova. “O título grande não é por acaso. É uma explicação, não é apologia a nada. Afinal, não sou eu me afirmando, mas é como me comunicaram sobre a minha sexualidade quando eu ainda nem pensava sobre ela”, destaca.

Hoje, aos 31, Vinicius lembra com a seriedade, a leveza, o sarcasmo e o humor necessários, o quanto crianças sofrem diariamente com a sexualização precoce de seus corpos e desejos: “A gente precisa falar sobre isso e fazer uma revisão de nossos hábitos para não continuar criando gerações de crianças solitárias, confusas, com sensação de isolamento e falta de lugar no mundo”.

Vinicius Bustani promove encontro íntimo e profundo com sua própria criança no espetáculo (Foto: Divulgação/ Lia Cunha e Tiago Ribeiro)

O “empurrão” para a escrita da peça veio em 2015, quando ele contou aos pais sobre sua sexualidade. “O desejo de fazer uma peça sobre isso não era muito claro ainda, mas eu anotava muitas coisas em um caderninho, coisas que diziam sobre mim. Quando eu contei pra meus pais, eles me deram muito material, principalmente minha mãe, com as perguntas que ela fez e também com o modo com que reagiu”, lembra. Vinicius conta que a primeira versão do texto era um “quebra-cabeça” contendo citações e inspirações que diziam muito sobre ele, a exemplo dos livros de Hilda Hist e Valter Hugo Mãe. 

“Quando mostrei o que tinha escrito para a diretora Paula Lice, ela falou que o que mais chamou a atenção dela foi um email que troquei com meus irmãos. Foi daí que começamos a desenvolver cenas mais pessoais e acabou ficando só o que era de autoria minha”, explica. Criança Viada chega aos palcos depois de uma série de ensaios abertos lotados, em que ele pôde experimentar as emoções de remexer em tantos sentimentos. “A presença da minha família, que é minha equipe também, foi catártica”, conta.

Serviço: Teatro Gamboa Nova (R. Gamboa de Cima, 3). Domingos de maio, às 17h. Ingresso: R$ 20 | R$ 10.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas