Espetáculo infantojuvenil reflete sobre o poder da entonação e do uso das palavras

entretenimento
29.06.2018, 08:50:00
Atualizado: 29.06.2018, 09:01:13
(Foto: Divulgação)

Espetáculo infantojuvenil reflete sobre o poder da entonação e do uso das palavras

Peça reúne diversas pequenas apresentações e faz curta temporada a partir deste sábado (30)

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Uma palavra pode ampliar preconceitos ou alimentar solidariedades e empatias. É com essa noção que o espetáculo O Mundo das Minhas Palavras discute a força das falas a partir deste sábado (30), no Laboratório de Experimentação Estética do Museu de Arte da Bahia. A peça, que fica em cartaz em curta temporada e custa R$ 20 e R$ 10, é direcionada ao público infantojuvenil e tem como mote principal a construção do vocabulário e da linguagem das crianças.

Com texto de Wanderley Meira, que divide a direção com Guilherme Hunder, a montagem reúne diversos pequenos contos que promovem, de forma lúdica, cenas variadas para os ilustrarem. A apresentação, com sessões às 11h e às 16h, é feita por Augusto Nascimento e Fernanda Beltrão, integrantes do Núcleo Teatro Viável, que iniciam a peça estabelecendo um bate-papo com os pequenos. Aos poucos, os atores vão se alternando entre papéis de adultos, crianças, palavras, professores e outros personagens do mundo infantojuvenil, construindo a reflexão sobre o assunto. 

Espetáculo traz várias pequenas apresentações em uma união de contos que refletem sobre a importância da conotação e entonação das palavras
(Foto: Divulgação)

“O universo do espetáculo é o espaço da subjetividade das crianças: colorido, não linear, mas, ao mesmo tempo fluido, e em constante construção – essa é a máxima que norteia a construção da encenação, do cenário, do figurino, da iluminação e dos efeitos que ambientam a cena, associada ao pensamento de viabilidade de execução que norteia o pensamento do Núcleo”, diz o roteirista Wanderley Meira, formado em Letras. 

“Certo dia li numa página de rede social que não tem como as crianças crescerem afastadas dos preconceitos. E isso é real, principalmente, por vivermos numa sociedade que muitas vezes dão sentidos às palavras que elas não têm. Nesse mundo machista e que segrega, as palavras ganham conotações sexuais e violentas, que vão influenciar diretamente na formação do vocabulário da criança e na forma como ela pode se comportar ao longo da vida. Trazemos esse debate de forma divertida”, realça Augusto Nascimento, protagonista da obra.

O espetáculo dialoga de maneira lúdica com as crianças sobre suas próprias experiências com a construção de significados, mas, ao mesmo tempo, é um alerta para a responsabilidade dos adultos sobre a entrega que se faz desses significados. “Toda palavra vem impregnada de discursos e, muitas vezes, os próprios adultos não percebem os perigos disso, foi essa inquietação que me levou a escrever. Esse espetáculo é para as crianças, que vão se divertir enquanto aprendem, mas é também para os adultos, que vão poder refletir sobre o que estão passando para os pequenos e sobre o que estão disseminando nos próprios cotidianos entre si”, alerta Wanderley. 

O diretor ainda complementa que a peça vem a refletir não somente sobre os significados mais profundos das palavras, mas também sobre a importância dos tons utilizados. “É muito mais fácil conseguir coisas e não se arrepender ao utilizarmos tons mais serenos, mais gentis. Até o conceito das palavras pode mudar a depender desse contexto de altura de voz e entonação. Isso também é discutido”, pontua.

De forma ágil e contemporânea, a apresentação reúne histórias como a de dois irmãos que vão aprendendo o quanto as próprias palavras podem impactar nas ações do outro. Assim, a peça debate sobre como a educação formal e a sociedade vão disponibilizando as palavras para a construção da personalidade da criança e, consequentemente, dos seus discursos pessoais, sociais e políticos.

SERVIÇO
Laboratório de Experimentação Estética do Museu de Arte da Bahia (Corredor da Vitória).
Sábado (30) e domingo (1º), com sessões às 11h e às 16h.
Ingresso: R$ 20 | R$ 10.
Também nos dias 07/07 e 08/07.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas