Espetáculo repagina texto de Machado de Assis para tratar dos dias atuais

entretenimento
06.10.2018, 10:00:00
O ator Danilo Cairo fez as atualizações no roteiro juntamente com o dramaturgo Daniel Arcades (Foto: Diney Araújo/Divulgação)

Espetáculo repagina texto de Machado de Assis para tratar dos dias atuais

Montagem retrata motivos para continuar persistindo na vida e na humanidade

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Para quem está desmotivado socialmente ou pessoalmente, o espetáculo Último Capítulo pode ser um banho de esperanças, já que o mote principal da montagem é, justamente, convidar o público para pensar em razões para permanecer vivo e lutando pela humanidade nos dias de hoje. Baseada no conto de mesmo nome do escritor Machado de Assis (1839 – 1908), a peça, que chega neste sábado no Espaço Cultural da Barroquinha, traz o mesmo narrador-suicida, Matias Deodato, interpretado por Danilo Cairo (do Grupo Toca de Teatro). As apresentações prosseguem em todas as sextas, sábados e domingos, às 19h30, até dia 21, por R$ 30 e R$ 15.

O protagonista acredita ser um azarado por conta da sequência de infortúnios que o levam à sua decisão. Porém, antes de cometer o ato final, Mathias decide montar um espetáculo de teatro com o objetivo de encenar o seu último dia, compartilhando com o público as histórias da sua vida e pensamentos sobre o sentido da existência, a metáfora da morte, as contradições do amor, as heranças da família e questionando o que vem a ser a felicidade e quais são alguns dos motivos que deveriam nos manter vivos.

Espetáculo faz referências a casos reais e brinca com realidades baianas 
(Foto: Diney Araújo/Divulgação)

Na obra interativa, a provável morte do personagem acaba servindo como metáfora para qualquer desistência. “Cansado e aborrecido, entendi que não podia achar a felicidade em parte nenhuma; fui além: acreditei que ela não existia na terra, e preparei-me desde ontem para o grande mergulho na eternidade. Será que a vida que a gente constrói não passa de um sonho? De um espetáculo?”, pergunta- se o personagem.

Com mistura de ficção, memória e realidade, é que a obra ganha conexão com o caos atual político, social e, até, íntimo, de diversos dos brasileiros. "É uma trama sobre mudar e reconfigurar o caminho para perceber como ele pode ter tudo. A primeira vez que li esse conto de Machado de Assis eu tinha 15 anos e estava começando a fazer teatro. Quando eu li o conto pensei na mesma hora: isso vai virar um espetáculo no futuro”, comenta Danilo Cairo.

A peça, com direção de Kleber Sobrinho e Rui Manthur, propõe conectar a história com dramas da atualidade e referências locais e, assim, reinventa o conto, ao reformular detalhes da narrativa, como, por exemplo, transpor o local de nascimento do protagonista, Matias Deodato, de Corumbá (Mato Grosso do Sul) para o Recôncavo Baiano; ou ainda inserir memórias familiares que dialogam com as experiências do narrador. O texto adaptado é do próprio ator e do dramaturgo Daniel Arcades, vencedor na categoria Texto do Prêmio Braskem de Teatro 2016.

SERVIÇO:
Onde: Espaço Cultural da Barroquinha (Barroquinha)
Quando: Sextas, sábados e domingos, às 19h30. Até dia 21.
Ingresso: R$ 30 / R$ 15

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas