Estilo estampado no rosto: Máscaras de tecido atraem pela proteção e pelo visual

entretenimento
18.05.2020, 06:00:00
Atualizado: 18.05.2020, 06:35:36
Com a obrigatoriedade do uso de máscaras, a moda agora é variar nas estampas do assessório (Divulgação )

Estilo estampado no rosto: Máscaras de tecido atraem pela proteção e pelo visual

A confecção de máscaras de tecido abriu um leque de possibilidades para o seu uso

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Antes de qualquer pandemia acontecer, não era muito comum ver uma grande quantidade de pessoas andando de máscara na rua. Aliás, era um hábito visto com certa estranheza pela maioria de nós. Mas a situação, que é comum há bastante tempo em países com a China e Japão, vai fazer parte do nosso cotidiano daqui pra frente, pelo menos até a vacina chegar. Já que agora vamos conviver com o uso de máscaras, porque não aproveitar para ficar no estilo? Mas não custa lembrar: a prioridade é a proteção.

A confecção de máscaras de tecido abre um leque de possibilidades para o seu uso, que vai desde o seu modelo técnico até as estampas que ela carrega. E foi unindo esses dois fatores que o empreendedor Paulo Barbosa, 33, diretor criativo da marca Closet Clothing, ampliou sua listas de produtos e incluiu as máscaras. A loja trabalha com um estilo mais despojado, com um foco grande na linha de moda praia, e, desde que a OMS autorizou a utilização das máscaras de tecido, Paulo investiu em pesquisas e rapidamente lançou os modelos da sua loja. 

“Logo que toda essa situação começou, muitas pessoas me disseram que eu deveria investir, mas no início fiquei preocupado com as algumas questões, afinal as mascaras precisam passar por uma fiscalização maior na hora de produzir. Trabalhamos com uma linha sustentável e trouxe isso para a nossa produção, com máscaras a partir de fibra de garrafa pet”, revelou.

Os modelos de animal print e a prateada são os campeões de venda na Close Clothing (Foto: Reprodução)

 Mas como estamos falando de estilo, a clientela procura as máscaras também por sua estampa. Entre as mais características da marca, estão as estampas floridas, listradas, formas geométricas e a de animal print (estampas que imitam as formas da pele de animais), que seguem o mesmo desenho presentes nas roupas e sungas vendidas pela loja. Porém, o empreendedor conta que as mais vendidas são as douradas e prateadas. “Teve cliente que comprou a máscara e a sunga dourada pra ficar combinando”, contou. 

As vendas da Closet são feitas pelo instagram (@sungacloset) ou pelo seu site, e é disponibilizado dois modelos: a máscara no formato lenço, assim como as demais que vemos normalmente, e outras no formato bico de pato, que Paulo apelidou carinhosamente de ‘golpe da ninja’. 

“Queria mostrar algo bacana e com fator alto de proteção. Não adianta de nada comprar máscara barata e que nao tenha boa qualidade ou atrapalhe sua respiração”, contou Paulo, que utiliza uma tecnologia chamada dry nos tecidos do produto
 

Já a estilista baiana Kívia Souza, dona do ateliê Casa Linda, em Jacobina, também escolheu trabalhar com estampas, seguindo a tendência que as roupas da sua loja apresentam. Para os moradores da cidade, a notícia das máscaras estilizadas logo se espalhou, e os desenhos floráis e xadrez têm saído muito, além dos modelos infantis, que também foram muito procurados.

“Comecei fazendo para mim e para minha família partir das estampas e retalhos que tinha. Quando saia na rua, muitas pessoas me perguntavam onde tinha comprado e então respondia que era eu que fazia. Agora as pessoas aparecem o tempo todo na frente da minha casa para comprar”, revelou Kivia.

As máscaras de Kivia são compostas por duas ca,adas de proteção e uma terceira de tecido (Foto: Divulgação)

E para quem pensa que máscara não pode ter grife, a estilista mostrou que essa pode ser uma tendência. Ela é parceira da famosa marca de roupa Farm, que tem um projeto para reaproveitar tecidos que sobram de coleções passadas. Assim, Kivia adquire esses tecidos e produz máscaras com as mesmas estampas da loja, o que deu um resultado bastante positivo: “Quando lancei a coleção em parceria com a Farm esgotou todo o lote em duas horas, e 90% do meu público da loja online não era daqui, mas do Rio de Janeiro”. 

A situação mostrou que a produção de máscaras de tecido estampadas tem sido uma saída comercial pra os vendedores, e a solução para quem quer se protejer e dar um tom diferente ao momento que vivemos. “As pessoas têm optado por estampas para tirar um pouco dessa vibe da doença, ambiente hospitalar. E é super válido porque o momento já é de tanta tensão e melancolia, e não queremos remeter a isso o tempo todo”, ponderou Kivia. 

Dos palcos para as máscaras

Enquanto os espetáculos teatrais não voltam, o Teatro Castro Alves passou o protagonismo da cena para uma ação que vem realizando desde o início de abril. O centro técnico do TCA já doou mais de mil máscaras e mantém a todo vapor a produção de quase 600 unidades por mês, destinadas a instituições sociais e famílias que necessitam de máscaras mas não têm condições ou informação suficiente para adquirir. A ação teve início depois que o centro passou a produzir o material para que seus funcionários usassem, já que se tornou obrigatório o uso de máscaras 

“É um desafio, uma novidade. A comunidade que a gente atende é a comunidade artística e de produtores culturais, e agora estamos lidando com esse público maior. Acho muito bacana porque, além de nós ajudarmos todas essas pessoas, muitas também veem o nosso trabalho”, disse Eliane Gomes, coordenadora do Centro Técnico do TCA. Para quem não conhece, a função do centro é trabalhar com a engenharia dos espetáculos, coordenando núcleos como cenário e figurino.

O projeto do TCA já doou mais de 1.000 máscaras para famílias e instituições (Foro: Divulgação)

Por isso, boa parte das máscaras produzidas pela instituição são derivadas de sobras de tecidos que o TCA já utilizou. Eliane conta que um pedido destinado a artistas de ruas veio de um tecido do grupo afro Malê Debalê, já outro com estampas do Muzenza. 

Para fazer a solicitação da encomenda, a instituição ou a pessoa necessitada deve enviar um e-mail para o Centro e informar a quantidade desejada. Segundo Eliane, não é estipulado uma quantidade mínima  ou máxima, e os pedidos estão sendo feitos por ordem de chegada.

Ela ainda afirmou que o projeto tem condições de continuar por conta das doações de tecido que estão sendo feitas, inclusive pelo governo do estado. Fazendo uma projeção, Eliane conta que ainda há material para mais três meses de produção, mas que espera pode fabricar as máscaras pelo tempo que for necessário.    

Dicas para usar máscara e ficar na pegada

Para quem não quer ousar, Paulo recomenda o uso de máscaras lisas, em cores pastéis ou creme, branco e preto. Afinal, essas não chamam tanto a atenção de quem passa por você. 

Já para aqueles que gostar de causar, a ideia é usar uma máscara floral com look mais liso ou monocromático, dando destaque para a máscara. As de forma geométrica também combinam com as roupas florais e coloridas, além, é claro, das estampas de animal print. 

Kivia acredita que a mistura das estampas dá um bom visual para quem gosta de cores. “Não é uma extensão da roupa, mas sim um novo acessório que as pessoas querem mostrar. Não precisa seguir exatamente a mesma estampa da roupa”, avaliou a estilista. 

Veja onde comprar a sua

Closet Clothing (@sungacloset)
Valor:
Unidade: R$12 | Modelos dourado ou prateado: R$15
Venda: pelo instagram ou pelo site closetclothing.com.br 

Ateliê Casa Linda (@ateliecasalinda)
Valor:
Modelos básicos: R$7 (presencial) e R$9,99 (pelo site) | Modelo ReFarm: R$10 (presensial) e R$19,99 (pelo site)
Venda: presencial (em Jacobina) ou pelo site coqueabacaxi.com.br

Pono (@viverempono)
Valor:
Unidade: a partir de R$6,99
Venda: Instagram ou (71) 98222-2108 

Use Máscara (@usem.mask)
Valor:
Unidade: R$10
Venda: Instagram 

Hecho a Mano Costura e Bordado (@hechoamanoatelier)
Valor:
a partir de R$8
Venda: Instagram

Atelier do Bosque (@atelierdobosque)
Valor:
Unidade: R$10
Venda: (71) 98142-7454 ou lucianagomez@terra.com.br

Mimos & Cores (@mimos_e_cores)
Valor:
a consultar
Venda: Instagram ou (71)988296586

Vitae Moda Praia (@usevitae)
Valor:
a consultar
Venda: (71) 987895596 ou (71) 988995215

Little Mask Salvador (@littlemaskssa)
Valor:
a consultar
Venda: Instagram ou littlemaskssa@gmail.com


 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas