Estupro, agressões e mordida: relembre as polêmicas de Mike Tyson

esportes
28.11.2020, 06:00:00
Atualizado: 30.11.2020, 11:36:28
Mike Tyson em confronto com Evander Holyfield (Reprodução)

Estupro, agressões e mordida: relembre as polêmicas de Mike Tyson

Pugilista de 54 anos volta aos ringues e coloca as luvas para enfrentar Roy Jones Jr.

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Após 15 anos, um dos maiores lutadores de todos os tempos voltará ao ringue. Mike Tyson, dono de 50 lutas, sendo 44 vitórias por nocaute, fará sua reestreia como pugilista em uma exibição que acontece na noite deste sábado (28) na Staples Center Arena, em Los Angeles, Califórnia. O adversário também tem um currículo digno de lenda. Roy Jones Jr. tem 66 lutas e 47 nocautes, o que torna o combate desta noite ainda mais emocionante.

Mas não há como falar de Mike Tyson sem citar uma vida repleta de polêmicas dentro e fora dos ringues. Não há glória que faça esquecer as mordidas, agressões provocações e a condenação por estupro do astro do boxe. 

Por isso, o CORREIO separou seis histórias que ilustram a vida Mike ao longo dos anos e como sua fama de problemático foi construída.
 

A famosa mordida

Tyson arranca um pedaço da orelha de Holyfield em 1997 (Foto: Jeff Haynes / AFP) 

Entre todas as polêmicas, não existe uma história mais marcante que essa para abrir a lista. Em 28 de junho de 1997, Mike Tyson enfrentou Evander Holyfield pela segunda vez, em uma revanche que vendeu mais de um milhão de assinaturas pay-per-view e movimentou mais de 100 milhões de dólares. 

A luta, que aconteceu em Las Vegas, não chegou ao seu fim. Ao menos não da forma que o público e a imprensa esperavam. Derrotado no primeiro confronto, que aconteceu um ano antes, Tyson buscava o título dos peso-pesados a qualquer custo, e os registros da época relatam uma troca incansável de golpes. 

No terceiro round, após sofrer um corte profundo no supercílio, Mike Tyson esperou o juiz Mills Lane conter as ações de Holyfield dentro do ringue, mas isso não aconteceu. Revoltado, Iron Mike partiu pra cima do oponente e deu duas mordidas, uma em cada orelha. 

Como todos se lembram, o membro direito de Evander Holyfield foi mutilado, enquanto o outro lado também ficou seriamente ferido. O ataque descontrolado de Tyson lhe rendeu uma desclassificação no quarto round da luta e uma história que estará para sempre marcada no universo esportivo.

Para quem curte boas teorias da conspiração, existem algumas possibilidades para o paradeiro do pedaço da orelha de Holyfield. Em 97, o The New York Times apurou o destino de parte da orelha que acabou ficando no ringue após o confronto. Um funcionário do Hotel MGM, identificado como Mitchell Libonati, teria encontrado e enrolado em uma luva de silicone.  

O pedaço foi resgatado e colocado num balde de gelo para tentar reconstruir a orelha de Evander Holyfield. Mas pouco tempo depois, ainda naquela noite, os quase 2 centímetros da orelha sumiram. Ainda existem as teorias de que o pedaço foi roubado por um segurança e comprado por um corretor de imóveis por 18 mil dólares. Nenhum desses fato foi confirmado até hoje e o ex-lutador seguiu com uma das orelhas incompletas.


Estupro e prisão 

Tyson indo para o julgamento de redução de pena em 1994 (Foto: Getty Images)

Como a história anterior já apresentou, o primeiro confronto entre Mike Tyson e Evander Holyfield aconteceu em 1996, mas o que muita gente não lembra é que essa luta deveria ter acontecido cinco anos antes. Em 1991, com o evento já programado, as primeiras acusões de estupro contra Tyson começaram a surgir. As informações constavam que o atual campeão mundial de boxe, com 25 anos de idade, havia estuprado Desiree Washington, de 18.

Os dois se conheceram em 18 de julho de 1991, na cidade de Indianápolis, em um evento onde estavam as candidatas a Miss Negra Americana. O boxeador pediu o contato da jovem ao posar para uma foto com ela e a convidou para jantar no hotel que estava hospedado.

Desiree Washington (Foto: Reprodução)

Em fevereiro de 1992, Mike Tyson foi condenado a seis anos de cadeia por estuprar Desiree Washington e preso um mês depois. O boxeador nunca confessou o ato e afirma que o sexo foi consensual. Porém, ele ficou preso em Indianápolis por apenas metade da sua pena. 

No ano de 1995, ele foi solto por bom comportamento e voltou a ativa no box, se preparando ´para o futuro confronto com Holyfield. Hoje em dia, a modelo Desiree Washington tem 47 anos.


Desentendimento ao vivo

Mike Tyson no programa da emissora CP24 (Foto: Reprodução)

A repercusão da condenação por estupro sempre permeou a carreira de Tyson, mesmo após a aposentadoria. Em 2014, o boxeador participava de uma entrevista ao vivo na emissora canadense CP24, no programa comandado pelo jornalista Nathan Downer. 

Mike falava sobre o espetáculo que participava, chamado Mike Tyson´s Undisputed Truth, e se apresentaria em Toronto. Nathan então comenta sobre o encontro do pugilista com Rob Ford, prefeito da cidade que concorria à reeleição na época. O jornalista questiona Tyson se a relação dele com Ford não seria negativa para o gestor, por associar sua imagem a uma homem que havia sido preso por estupro. 

O comentário não agradou o lutador, que disparou em seguida: “Não vou comentar sobre isso porque é uma coisa negativa e você está sendo negativo. Você é um pedaço de merda, vai se fu***”. Downer responde: “Nós estamos ao vivo na televisão”, e é interrompido por Tyson que diz “eu não ligo, o que você vai fazer?”. A entrevista foi interrompida antes do previsto quando, em uma tentativa de normalizar a situação, o apresentador pergunta o que deixava o lutador mais nervoso,’ atuar ou subir no ringue?’. E Mike Tyson conclui: “O que me incomoda é ter que falar com um rato, um pedaço de merda que nem você”.

Agressões

Tyson preso em São Paulo (Foto: Reprodução)

O lutador acumula algumas histórias envolvendo agressões. Um desses casos aconteceu aqui no Brasil, no ano de 2005. Ele foi para uma famosa casa noturna em São Paulo, chamada Bahamas, e foi flagrado por um cinegrafista do SBT. Segundo depoimento que deu para a polícia e informações de testemunhas, o pugilista pediu para que o profissional, identificado como Carlos Mello, desligasse a câmera, mas não foi atendido. 

Ele partiu para cima do cinegrafista - que afirmou ter sido atingido na cabeça - e quebrou a câmera e as fitas que tinham sua imagem. Tyson foi detido por policiais militares e levado para o 27º Distrito Policial, localizado no bairro do Campo Belo. A lesão em Carlos Mello acabou não sendo confirmada e o boxeador foi liberado da delegacia na mesma madrugada. 

Em outra situação, que aconteceu em 1999, Mike foi condenado a um ano de prisão por agredir dois motoristas na pequena cidade de Rockville, em Maryland, nos Estados Unidos. O fato aconteceu em fevereiro, mas no final de maio o lutador teve liberdade condicional autorizada pelas autoridades do Estado de Maryland. 

A sua liberação, mais uma vez, se relacionou com o caso do estupro de Desiree Washinfton. Mike só recebeu a condição depois que a juíza Patricia Gifford, do estado de Indiana, onde aconteceu o crime, reconheceu que a prisão por três meses serviu como punição por ele ter quebrado a outra sentença de liberdade condicional em 1995.


Urina de criança e pinto falso

Mike Tyson em evento nos EUA (Foto: Reprodução / Twitter)

Mesmo depois de tanta história envolvendo o nome de Mike Tyson, é um tanto quanto estranho relacionar o nome do lutador a urina de uma criança. Acontece que, no ano passado, ele revelou em uma entrevista para a ESPN americana que usava o xixi de seus filhos para não ser pego nos exames antidoping após as lutas. 

“Na verdade eu pensei em usar até a urina da minha esposa, mas ela me alertou: ‘quando sair o resultado, vão dizer que vocês está grávido’. Então eu resolvi usar a urina dos meu filhos”. Você deve estar se perguntando como ele conseguia burlar os fiscais que acompanhavam o processo. E é aí que entra o segundo elemento do título: um pênis de mentira. Ele não explicou muito bem como usava esse penis falso, mas de fato não faltou criatividade Tyson para burlar as regras. 

Quando isso não aconteceu e ele foi pego por uso de maconha, nos anos 2000, ele pagou uma multa de 200 mil dólares. O exame aconteceu após o nocaute em cima do polonês Andrew Golota. Na época, ele afirmou que fazia o uso da droga durante diversos momentos de sua vida

Ação de graças na família Tyson 

Foto: Reprodução

Para finalizar essa lista de polêmicas, a mais atual de todas. Nos últimos preparativos para o confronto contra Roy Jones Jr., Mike Tyson publicou em seu canal do YouTube um vídeo intrigante e bem provocativo. 

Em sua sala de jantar, ele ofereceu aos filhos um bolo que tem o formato cada de Roy Jones Jr. Ele compara a cabeça do adversário a um peru, prato tradicional no feriado americano que é comemorado neste período pré-natalino. Mike serve sua filha com um pedaço do nariz, que logo rejeita e diz que não está saboroso, e seu filho mais novo pede a cabeça inteira de Jones para comer. Além de devorar um pedaço, o garoto coloca o ‘peru’ no chão e chama seu cachorro para aproveitar o jantar de Ação de Graças.

Se a provocação do vídeo não for um ingrediente e tanto para a luta, a declaração de Mike Tyson após a pesagem fecha o cardápio: “Eu vou soltar os meus golpes, e o resto é com ele. Se ele correr de mim, eu vou correr na direção dele, vou para cima", disparou. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas