Ex-jogador do Atlético-MG é condenado por estuprar afilhada

esportes
29.08.2019, 16:44:00
Atualizado: 29.08.2019, 17:12:54
(Foto: Reprodução/Instagram)

Ex-jogador do Atlético-MG é condenado por estuprar afilhada

Decisão para Jonathan Fabbro é de 14 anos de prisão; namorada do argentino, Larissa Riquelme passou mal após leitura da decisão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O jogador argentino naturalizado paraguaio Jonathan Fabbro, de 37 anos, foi condenado a 14 anos de prisão por abuso sexual de sua afilhada e sobrinha quando ela tinha entre 5 e 11 anos.  O meia-atacante foi considerado culpado por cinco atos de abuso sexual da menina, que hoje está com 13 anos, "com acesso carnal" e "duplamente agravado pelo vínculo".

"Foi feita justiça, mas não há alegria, há tranquilidade. Fabbro sempre mentiu", afirmou a mãe da vítima à imprensa local na saída do tribunal, em Buenos Aires.

"É um dia de certo regozijo, mas não há nada a comemorar. Só foi feita a justiça. Tenho que ler os fundamentos dos juízes e ver por que eles escolheram esse tempo da pena para vermos se considero suficiente", disse o advogado da família da vítima, Gastón Marano.

Namorada do jogador, a modelo Larissa Riquelme - que ficou conhecida durante a Copa do Mundo de 2010 - esteve presente durante o julgamento. E passou mal após a leitura da sentença, tendo que ser retirada do local por uma ambulância, segundo o jornal Clarín.

Ver essa foto no Instagram

Te amo muchoo mi amor @laririquelmeoficial ????????

Uma publicação compartilhada por Jonathan Fabbro (@jonathanfabbro) em

Fabbro é ex-jogador dos times argentinos Boca Juniors e River Plate. Também teve passagem pelo futebol brasileiro, onde atuou, em 2006, pelo Atlético-MG. Ainda disputou partidas pela seleção do Paraguai.

O meia-atacante estava defendendo o Lobos BUAP, do México, quando foi preso. Foi extraditado e mandado a Buenos Aires, onde ficou detido na prisão de Marcos Paz, na Argentina, por mais de um ano.

Fabbro também é processado no Paraguai por outra acusação de abuso sexual de menor.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas