Ex-presidente do Barcelona deixa prisão após audiência na Justiça

esportes
02.03.2021, 14:37:00
Atualizado: 02.03.2021, 14:37:18
Josep Maria Bartomeu segue sob investigação (Foto: Josep Lago/AFP)

Ex-presidente do Barcelona deixa prisão após audiência na Justiça

Após passar uma noite preso, Josep Maria Bartomeu recebeu liberdade provisória

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e administração injusta, o ex-presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, detido na segunda-feira (1º), passou apenas um dia preso na cidade da região da Catalunha. Nesta terça (2), o empresário compareceu a uma audiência na Justiça e, depois de se negar em dar declarações à juíza Alexandra Gil, recebeu o benefício da liberdade provisória.

O centro das investigações é a contratação por Bartomeu de uma consultoria especializada em proteção de imagem e dados e redes sociais. O ex-presidente teria contratado a empresa em nome do clube para cuidar da sua reputação. E, segundo a acusação, teria usado também para difamar rivais políticos e até jogadores, inclusive com a criação de perfis falsos nas redes sociais. Alguns dos alvos teriam sido jogadores como Lionel Messi e Gerard Piqué e o ex-treinador da equipe Josep Guardiola.

O escândalo acontece às vésperas de uma nova eleição presidencial no Barcelona, marcada para o próximo domingo (7). "O que aconteceu hoje foi consequência de uma péssima gestão no clube na última administração", disse Joan Laporta, um dos três candidatos do pleito, em entrevista à Lleida Radio. Ele considerou a prisão de Bartomeu "chocante" e "nada boa" para o clube. E disse que o ex-presidente precisa contar com a "presunção de inocência".

A direção do Barcelona já negou diversas vezes tanto a contratação da consultoria quanto o suposto pagamento a mais, para difamar rivais. De acordo com as autoridades, a operação foi realizada pelo departamento de crimes financeiros da polícia

Bartomeu e os demais membros da sua diretoria renunciaram no ano passado em meio às consequências da polêmica envolvendo Messi, que chegou a cogitar deixar o clube em razão dos atritos com o então presidente. O episódio foi apenas um dos que tumultuam os bastidores políticos do Barcelona, além das dificuldades financeiras causadas pela pandemia.

O clube é administrado por um conselho interino desde que Bartomeu saiu em outubro enquanto enfrenta uma moção de censura apoiada por milhares de sócios do clube, irritados com o mau desempenho da equipe e sua situação financeira.

As dificuldades do clube começaram a vir à tona após a embaraçosa derrota do time por 8x2 para o Bayern de Munique, nas quartas de final da Liga dos Campeões na temporada passada, que foi a primeira sem título para o clube espanhol desde 2007/2008.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas