Ex-presidente do COB é condenado a 30 anos de prisão por corrupção

esportes
25.11.2021, 22:18:00
Atualizado: 25.11.2021, 22:18:14
Nuzman era o presidente do COB durante as Olimpíadas do Rio 2016 (Divulgação)

Ex-presidente do COB é condenado a 30 anos de prisão por corrupção

Carlos Arthur Nuzman comandou o comitê de 1995 a 2017

O ex presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, 79 ano, foi condenado a 30,11 meses e oito dias de prisão pelos crimes de corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. A sentença foi dada por Marcelo Bretas, juiz da 7ª vara federal criminal do Rio de Janeiro.

A condenação de Nuzman é resultado de uma investigação conhecida como operação Unfair Play, que começou após a realização das Olimpíadas no Rio 2016. A operação investigava a compra de votos para a escolha do Rio como sede dos Jogos Olímpicos. 

Ainda foram envolvidos nesse processo o o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho, o empresário Arthur César de Menezes Soares Filho e o ex-diretor de operações do comitê Rio 2016, Leonardo Gryner. 

Cabral foi condenado a dez anos e oito meses de prisão por corrupção passiva. E Leonardo Gryner a 13 anos e 10 meses de prisão por corrupção passiva e organização criminosa. Por morar nos Estados Unidos, Arthur César teve o processo desmembrado daquele que condenou os brasileiros.

Outros dois dirigentes senegaleses do atletismo estavam envolvidos no esquema de corrupção e foram investigados, são eles Lamine Diack e seu filho Papa Diack. Como também residem fora do país, na França e no Senegal, o processo foi separado.

Agora, Nuzman irá recorrer da decisão em liberdade. A defesa dele disse o juiz o condenou sem provas e que isso será corrigido quando o tribunal julgar o recurso.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas