Ex-técnico do Valencia diz que foi demitido por ganhar um título

esportes
13.09.2019, 16:04:00
Atualizado: 13.09.2019, 16:12:08
Marcelino foi demitido pouco antes de estreia do Valencia na Liga dos Campeões (Foto: Miguel Riopa/AFP)

Ex-técnico do Valencia diz que foi demitido por ganhar um título

Marcelino Toral era o treinador do time que bateu o Barcelona na final da Copa do Rei

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Falta pouco menos de uma semana para o Valencia, clube da Espanha, disputar a sua segunda Liga dos Campeões consecutiva, algo que não acontecia desde a dobradinha nas temporadas 2010/2011 e 2011/2012. Os Morcegos estão no grupo H junto a Chelsea, Ajax e Lille.

Na última semana, contudo, a direção do time decidiu demitir o técnico Marcelino Toral, que estava no comando do time desde 2017 e foi o responsável por guiá-la até a sequência na Liga dos Campeões e, mais recentemente, o título da Copa do Rei após vitória por 2x1 em cima do Barcelona. Nesta sexta-feira (13), o técnico concedeu entrevista à imprensa espanhola e fez uma afirmação que parece até contraditória: para Marcelino, sua demissão aconteceu justamente por vencer a Copa do Rei. É isso mesmo e você não leu errado. Explicamos logo abaixo.

Marcelino tinha uma relação previamente desgatada com o dono do Valencia, Peter Lim, e, segundo o treinador, o dirigente não queria que o clube desse atenção à Copa nacional porque temia que isso atrapalhasse o Valencia na busca por uma vaga na Champions League. No final das contas, a equipe acabou com título e vaga. 

Na Espanha, só é possível conquistar uma vaga na Liga dos Campeões ficando no G4 do Campeonato Espanhol. O Valencia acabou a temporada no 4º lugar, com 61 pontos.

“Durante a temporada, recebemos mensagens, diretas e indiretas, nos dizendo para ignorar a competição. Os torcedores queriam lutar por ela, assim como os jogadores, e eles fizeram isso. A comissão técnica queria lutar pela Copa e vencê-la. Vencer o troféu foi a causa de toda esta situação, você consegue imaginar isso?”, afirmou o treinador de 54 anos.

De temperamento explosivo, Marcelino afirmou que Peter Lim sequer mandou uma mensagem parabenizando pelo título nacional conquistado. Além disso, o treinador acredita que um jogo especial nas quartas da Copa do Rei foi o que impulsinou o Valencia a ter um bom desempenho na liga.

Foi contra o Getafe. No primeiro jogo, vitória dos adversários por 1x0. A partida decisiva aconteceu no Mestalla, estádio do Valencia, e os Morcegos saíram atrás do placar com apenas um minuto de jogo. O herói do Valencia naquele dia foi o brasileiro naturalizado espanhol Rodrigo, que marcou três gols - dois deles nos acréscimos -, e classificou a equipe de Marcelino.

O Getafe também era adversário direto do Valencia na briga pela Liga dos Campeões e acabou em quinto no Espanhol, com três pontos a menos que o time de Marcelino.

“Você acha que o Valencia poderia simplesmente não tentar ganhar uma competição? Eu teria sido um bom profissional se isso acontecesse? Como meus jogadores receberiam se eu dissesse: ‘não queremos ganhar isto’?”, disparou.

Uma outra desavença de Marcelino foi, justamente, a inclinação de Peter Lim a vender Rodrigo - herói do jogo contra o Getafe. Para o treinador, querer vender um de seus melhores é o que determina se um clube quer crescer ou ser secundário.

Sem esconder a mágoa, Marcelino aproveitou para alfinetar o dono do clube espanhol alegando que "não tem resposta se o Valencia está em boas mãos" antes de completar afirmando que se o dono despreza títulos, a resposta para a pergunta supracitada é bem fácil. Haja treta.

*supervisão do editor Herbem Gramacho

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas