Exposição no Pelourinho faz homenagem a profissionais da saúde

entretenimento
14.10.2020, 05:50:00
(Foto: Washington Arléo)

Exposição no Pelourinho faz homenagem a profissionais da saúde

Jaleco Branco reúne trabalhos assinados pelo artista plástico Whasington Arléo e pode ser vista aos finais de semana

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

As coisas do dia a dia, aquilo que vem do peito e se torna cada vez mais brega, os símbolos universais como a fórmula matemática de Bháskara: dessa maneira Whasington Arléo, 66 anos, tem construído  sua carreira como artista plástico, cenógrafo  cidadão do mundo.

Quem passa pela Rua da Ordem Terceira, no Pelourinho, pode ver seus quadros e exposições com o velho artista. A mais recente é  Jaleco Branco, na qual ele homenageia os profissionais de saúde que atuam na linha de frente contra o coronavírus.


Nascido em Ituberá, o artista visual repete várias vezes que ‘ninguém nasce pra nada’, mas ao mesmo tempo desacredita que as pessoas chegam a este plano destinadas a cumprir uma missão ou função. Parece contraditório e talvez até seja, mas é isso aí que Arléo pensa. E defende com vigor.

O desejo de trabalhar com arte veio quando era adolescente. Viajava com uma antiga namorada para a Ilha de Itaparica e subiu em um coqueiro. Acidentou-se. E ficou um tempo sem conseguir mexer as pernas. Pensou que não poderia depender delas para sobreviver e viu na arte uma opção de ofício: “Se eu não movimentar meus pés novamente, vou trabalhar com as mãos”. E assim foi feito.

Durante a trajetória,  trabalhou com cenografia para teatro e cinema. Chegou, inclusive, a trabalhar em produções internacionais como o filme Orquídea Selvagem, de Zalman King, lançado em dezembro de 1989, na Itália. Algumas das cenas foram gravadas em Stella Maris.

Além disso, foi presidente da Associação dos Artistas Plásticos da Bahia, integrou o Conselho do Carnaval (Concar) e foi diretor da Galeria Solar Ferrão. Já chegou a vender suas peças, geralmente grandes, por mais de R$ 100 mil.

O foco de Arléo agora  é fazer de sua arte um diário de sua própria vida, para que ela possa ser contada e estar presente na vida de pessoas na  Bahia, no Brasil e no mundo. Mas ele também gosta de se meter em causas sociais e foi dessa maneira que criou exposições como a Para Tocar - várias obras temáticas com tradução em braille.

Nessa mesma linha nasceu a sua exposição Jaleco Branco, em homenagem aos profissionais da saúde, que acontece durante os finais de semana no Arléo Art Studio, que fica na Rua da Ordem Terceira, 9, e é gratuita.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas