Estreantes ganham moral em início de novo ciclo na Seleção

esportes
12.09.2018, 17:00:00
Atualizado: 12.09.2018, 17:01:03
Contra adversários fracos, estreantes aproveitaram as chances na Seleção (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Estreantes ganham moral em início de novo ciclo na Seleção

Veja quem aproveitou bem a chance dada por Tite

Os primeiros jogos da seleção brasileira após a Copa do Mundo não foram no nível de exigência que se espera dos confrontos envolvendo a Seleção. A jovem equipe dos Estados Unidos e a fraca El Salvador não conseguiram exigir grande desempenho dos convocados por Tite e foram presas fáceis.

Mas neste primeiro micro ciclo que o treinador tem para formar o time que vai disputar a Copa América 2019, algumas caras novas chamaram a atenção e devem ganhar sequência com a camisa amarelinha.

Uma das posições mais carentes na tentativa de renovação visando à Copa do Mundo do Catar, objetivo final, em 2022, a lateral direita deve ganhar uma briga interessante nos próximos compromissos. Apostas para o setor, Fabinho e Eder Militão deixaram boas impressões e entram forte na briga por uma vaga.

Pedro Martins / Mowa Press

Fabinho sofreu um pênalti contra os Estados Unidos (Foto: Pedro Martins / Mowa Press)

Lateral de origem, Fabinho não atuava na função há dois anos, quando mudou de posição no Monaco, onde passou a jogar como meia. Apesar disso, o agora jogador do Liverpool arrancou elogios de Tite. Ele atuou durante toda a vitória por 2x0 sobre os Estados Unidos e foi se soltando aos poucos. Em uma jogada no ataque, sofreu um pênalti, convertido por Neymar.

Já Eder Militão, que tem origem como zagueiro, fez sua estreia pela equipe principal diante de El Salvador. Ele ficou em campo por 93 minutos e, em um determinado momento da partida, chegou a ser testado como zagueiro. Essa polivalência pode ser um trunfo para o jogador.

Vale lembrar que o titular absoluto da posição é Daniel Alves, que retornou aos treinos no PSG nesta quarta-feira (12), quatro meses após a lesão que o tirou da Copa do Mundo. Como o baiano já tem 35 anos, não é garantido que sua longevidade vai durar até o Catar.

Titular contra El Salvador, Arthur deixou boa impressão na comissão técnica da Seleção (Foto: Pedro Martins/Mowa Press)

No meio-campo, a principal expectativa era para ver Arthur em campo. O jogador do Barcelona, que arrancou elogios até de Messi, recebeu chance nos dois jogos e sai em alta pela qualidade no passe e condução da bola. É outro atleta que vai ganhar uma sequência maior neste novo ciclo.

Quem também aproveitou a chance que teve foi o atacante Richarlison. Atuando como a referência no ataque - função diferente da que desempenha no Everton, o atacante marcou dois gols sobre El Salvador e ganhou moral com Tite e comissão técnica.

Como também pode atuar pelos lados do campo, e vive grande momento no futebol inglês, Richarlison deve ser observado nos próximos compromissos da Seleção.

Richarlison marcou duas vezes na goleada sobre El Salvador e ganhou e moral (Foto: Pedro Martins/Mowa Press)

Outros estreantes
Nos amistosos disputados nos Estados Unidos, Tite aproveitou para dar chances para outros estreantes. Éverton, do Grêmio, e Lucas Paquetá, do Flamengo, ganharam minutos importantes e estão nos planos da comissão técnica para a Copa América. O meia Andreas Pereira, do Manchester United, o zagueiro Felipe, do Porto, e o goleiro Neto, do Valencia, também foram testados, mas acabaram sendo pouco exigidos além dos treinamentos.

Até a Copa América, o Brasil terá pelo menos mais seis jogos de preparação, quatro deles em 2018. Os próximos compromissos estão marcados para outubro, contra Arábia Saudita e Argentina, nas cidades de Riade e Jidá, ambas na Arábia Saudita.