Familiares e amigos se despedem de policial civil morto durante assalto

salvador
13.04.2021, 19:41:00
Atualizado: 13.04.2021, 20:55:41
(Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Familiares e amigos se despedem de policial civil morto durante assalto

Enterro aconteceu no Cemitério Campo Santo e reuniu diversos colegas de profissão de Joel dos Santos de Jesus, 49 anos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Sob forte comoção, familiares, amigos e colegas de profissão se despediram na tarde desta terça-feira (13) do policial civil Joel dos Santos de Jesus, de 49 anos, morto ontem (12) durante um assalto no bairro de Santa Mônica. O enterro aconteceu por volta das 17h, no Cemitério Campo Santo, na Federação. Joel era lotado no Departamento de Polícia Metropolitana (Depom). 

Na porta do cemitério, estavam muitos carros da Polícia Civil (PC) e da Polícia Militar (PM) estacionados. De acordo com a PC, Joel foi o primeiro policial civil vítima de morte violenta na Bahia em 2021. A todo momento, chegavam aqueles que queriam prestar suas homenagens ao policial. Durante o cortejo do caixão, houve queima de fogos como gesto simbólico para a despedida. Uma senhora não identificada passou mal e precisou da ajuda de uma cadeira de rodas. 

(Foto: Nara Gentil/CORREIO)

“Ele era uma pessoa do bem, muito família e estava sempre disponível para os amigos. Essa morte reflete a violência que a sociedade vive todos os dias, a criminalidade aumentando cada vez mais. E as pessoas de bem são as maiores vítimas, principalmente os profissionais da segurança", disse Alex, amigo da família da vítima. 

Segundo colegas e amigos, Joel era casado, tinha quatro filhos e era policial há 15 anos. A delegada Fernanda Porfírio, que trabalhou durante 11 anos com Joel, lamentou a morte do colega e amigo. “É uma grande perda para a Polícia Civil, e eu perco também um grande amigo. Era um policial atento, aguerrido, mas o efeito surpresa pode pegar qualquer um de nós. Eu realmente poderia perder qualquer policial em uma circunstância daquela, mas foi difícil acreditar que era o Joel. Agora é pedir a Deus que conforte a família e os colegas e dar a resposta que, com certeza, virá”, declarou a delegada. 

Luciano, amigo de Joel, é motoboy e fez questão de dar uma pausa no serviço para marcar presença na cerimônia e se despedir. “Servimos juntos o Exército nos anos 90. Ele era um cara muito divertido e, na época, éramos todos muito jovens, mas ele sempre foi muito centrado. Fiz questão de parar e vir aqui fazer essa homenagem”, contou. 

Na porta do cemitério também estava parado um veículo com placa do Conjunto Penal Masculino de Salvador. Segundo testemunhas, um presidiário saiu do veículo e entrou no cemitério. Durante o enterro do policial, foi possível identificar um homem jovem, que vestia um uniforme laranja característico de penitenciárias, o tempo todo escoltado por policiais armados. De acordo com fontes que preferiram não se identificar, o homem é um dos quatro filhos de Joel. 

(Foto: Nara Gentil/CORREIO)

O crime
Joel de Jesus foi assassinado durante um assalto na noite desta segunda (12) na Rua Camilo de Jesus Lima, no bairro de Santa Mônica, nas proximidades do Conjunto Bahia, em Salvador. O policial morreu no local.  No momento, Joel estava acompanhado dos amigos (duas mulheres e um homem) em um bar, quando um carro parou ao lado do grupo. Dois homens saíram do veículo e anunciaram o assalto.

De acordo com as imagens de câmeras de segurança do local, a dupla de assaltantes parece perceber que o policial estava armado. Um dos criminosos dispara, e o policial, baleado, cai no chão. Os bandidos fugiram. “Foi uma fatalidade. Infelizmente, os assaltantes puxaram a camisa dele e viram que ele era policial por conta da arma. Pelo fato de ser policial, ele foi vítima”, disse um colega de Joel que preferiu não se identificar. 
 

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas