Federação francesa abre investigação sobre racismo do PSG

esportes
09.11.2018, 11:10:00
Atualizado: 09.11.2018, 11:10:39

Federação francesa abre investigação sobre racismo do PSG

Clube admitiu a prática na base

A Federação Francesa de Futebol (FFF) anunciou nesta sexta-feira (9) que abriu um inquérito para investigar os casos de racismo praticados pelo Paris Saint-Germain. Na quinta, o clube foi denunciado por promover discriminação no recrutamento de jovens jogadores para suas categorias de base nos últimos anos.

A entidade informou que seu conselho ético será o responsável pela investigação, e que poderá pedir para que a comissão disciplinar da Liga Francesa também averigue o caso depois que o inquérito terminar.

A denúncia partiu do portal francês Mediapart. De acordo com o veículo, documentos divulgados pelo "Football Leaks", portal responsável pelo vazamento de informações confidenciais, mostraram que a equipe parisiense possuía um método de classificação de atletas a serem recrutados com base nas suas etnias.

O portal afirmou que o PSG separava os possíveis atletas a serem recrutados pelos seus observadores em quatro subgrupos: "francês", "norte-africano", "das Antilhas" e "negro africano". E sob essa política, comandada pelo dirigente Marc Westerlopp - chefe do recrutamento de atletas das categorias de base -, apenas um atleta negro foi contratado entre os anos de 2013 e 2018.

Yann Gboho, meio-campista de 17 anos que hoje está no Rennes, chegou a integrar a base do Paris Saint-Germain, mas foi dispensado aos 13 anos por causa de sua cor - ele nasceu na Costa do Marfim. Na época, a dispensa do atleta foi encoberta pela diretoria do clube "para evitar escândalos".

O PSG soltou uma nota admitindo que praticou discriminação racial nas categorias de base. Disse, no entanto, não ter conhecimento de um sistema formado para registrar etnicamente os jogadores, creditando-o apenas a uma ação individual do dirigente em questão.

O caso repercutiu bastante na França, e a ministra do Esporte, Roxana Maracineanu, chegou a manifestar seu "desalento" diante das acusações. Já a presidente da Liga Francesa, Nathalie Boy de la Tour, afirmou que "estas práticas são inaceitáveis".


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sandy-lanca-musica-em-parceria-com-iza-ouca/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/hbo-dos-eua-estreia-a-amiga-genial-adaptacao-do-romance-de-elena-ferrante/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/autor-de-latrocinio-contra-o-assessor-michel-e-preso-em-santa-catarina/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/atriz-instala-cameras-em-quarto-para-gravar-agressoes-do-marido-veja/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/webserie-inspira-empreendedores-assista/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/o-ultimo-a-sair-apaga-a-luz-do-othon-hotel-ja-esta-sem-nenhum-hospede/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/piloto-alema-de-17-anos-sofre-acidente-grave-e-sera-operada/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/temer-ressalta-forca-e-estabilidade-das-instituicoes-em-pronunciamento/