'Feirabook': a rede social de Feira de Santana

tecnologia
28.03.2012, 06:42:00
Atualizado: 28.03.2012, 06:51:30

'Feirabook': a rede social de Feira de Santana

Como o próprio nome sugere, o site de relacionamentos, desenvolvido pela empresa local 3it Systems, carrega em si referências explícitas ao Facebook, mas é nas particularidades e no vínculo da comunidade feirense que a rede tem causado furor na cidade

Gilvan Reis
gilvan.reis@redebahia.com.br

Depois que Mark Zuckerberg lançou o Facebook, em 2002, e que o Google apresentou o Orkut, em 2004, a comunidade de Feira de Santana trouxe mais uma criação para o mundo das redes sociais, o Feirabook. Como o próprio nome sugere, o site de relacionamentos, desenvolvido pela empresa local 3it Systems, carrega em si referências explícitas ao Facebook, mas é nas particularidades e no vínculo da comunidade feirense que a rede tem causado furor na cidade.

“Eu não imaginava que nada mais pudesse ser criado de novo nessa área. Mas eu queria fazer algo que chamasse a atenção. Então, veio a ideia de criar uma página da nossa cidade, para que o nosso povo usasse e se conhecesse”, diz o Zuckerberg de Feira, que prefere não se identificar. O idealizador, formado em Sistema de Informação pela Unisa (Universidade Santo Amaro - SP),  conta que foi se inspirando nos grandes nomes da web, como Bill Gates, e na necessidade de participar de alguma maneira desse movimento global.

“Trabalhava em um escritório financeiro. Saí para fundar um negócio próprio, no ano de 2009. Quando vi o filme a Rede Social foi definitivo. Como sou cristão, pedi muito a Deus. Aí o Feirabook nasceu no dia 6 de março de 2012 e, nesta semana, iniciamos a nossa divulgação. Está sendo maravilhoso o retorno”, diz.

Desde o começo da rede, foram mais de 3.600 visualizações e abertura de 300 novas contas. O número é pequeno se comparado aos mais de 800 milhões do Facebook, mas passa longe de ser irrelevante. “A questão é que nosso foco são os feirenses. Você pode ter 900 amigos no Face, mas fala, convive e vê poucas pessoas. Seus amigos mais íntimos, seus vizinhos, colegas de trabalho. Todos vivem na mesma cidade. E juntamos isso nesse grupo menor”.

Para fazer parte da nova onda, o procedimento é similar ao das outras redes: e-mail, senha, dados pessoais, enfim, um cadastro básico.

Quem não reside na Princesa do Sertão também pode participar. É que o autor do Feirabook quer que sua rede funcione pelo mundo virtual afora ligando usuários que possuam qualquer vínculo e/ou interesse com o município.

Uma das diferenças mais visíveis, depois de criado o perfil, é a Timeline. No lugar das informações exclusivas dos amigos/contatos adicionados, aparecem as atualizações de todos os participantes das redes: álbuns, fotos, comentários, o famoso “curtir”, interações. Se quiser mais privacidade (a política de privacidade é, inclusive, livremente baseada na do Facebook), o usuário precisa configurar a página pessoal.

Há, entretanto, quem prefira o compartilhamento pleno das informações.  “No caso de uma rede menor como Feirabook, as atualizações de todos fortalecem os nossos laços. A gente termina até descobrindo quem é nosso vizinho, como o nosso colega pensa,  um desconhecido que é nosso vizinho”, sustenta Genilson Ribeiro dos Reis, 28 anos, estudante de Economia na Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs).

Outra diferença é a parte dos classificados. Qualquer feirense pode expor seus produtos, adquirir outros e vender serviços sem  cobrança. O usuário também pode fazer o upload direto das músicas que costuma ouvir para a página pessoal, deixá-la armazenada e acessível. A rede  é integrada ao Facebook, possibilitando ao usuário que já possua uma conta na “rede-mãe" se conectar diretamente.

É possível também votar nos perfis considerados “mais influentes”, o que gera uma visibilidade extra ao internauta, e também criar os famosos grupos/comunidades. A mais comentada, até o momento, é a Nerds e Geeks FSA, com oito membros, destinada aos jovens feirenses com “mais 20 anos que ainda moram com a mãe, são loucos por videogames, desenhos animados, e tecnologia”.



Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/barbeiragem-ferry-bate-em-atracadouro-e-assusta-passageiros-veja-video/
Operadora do sistema atribuiu dificuldade em manobra a condições de vento e maré; ninguém se feriu
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ensaio-inedito-de-joao-gilberto-e-descoberto-por-pesquisador/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/baiana-premiada-pela-onu-lanca-campanha-para-levar-agua-potavel-para-a-africa/
Anna Luísa Beserra Santos criou uma tecnologia social capaz de oferecer tratamento de água seguro e barato
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/seis-anos-depois-denny-volta-aos-palcos-do-festival-de-verao/
Em entrevista ao CORREIO, artista fala sobre o Carnaval e sobre a expectativa de voltar ao evento: ele vai mudar verso de música em homagem ao FV20
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ex-vocalista-do-angra-edu-falaschi-faz-dueto-com-cantor-da-calcinha-preta-em-show/
Daniel Diau participou de show em Recife cantando Bleeding Heart/Agora Estou Sofrendo
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ouca-festival-do-olodum-consagra-musica-de-sandoval-melodia-para-o-carnaval-2020/
Canção intitulada Lendárias do Tempo reverencia figuras femininas que marcaram a história
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/de-arrepiar-jovens-percursionistas-fazem-apresentacao-no-centro-historico/
Dança, moda e artes plásticas também fazem parte do Coisas do Sim, do Projeto Axé
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/paraguai-extradita-brasileiro-acusado-de-liderar-contrabando-de-cigarro/
Preso desde março de 2019, Luiz Henrique Boscatto foi entregue à PF na Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu
Ler Mais