Final da Libertadores entre River e Boca é adiada pela Conmebol

esportes
25.11.2018, 15:13:00
Atualizado: 25.11.2018, 16:44:49
Funcionários do River Plate recolhem as bandeiras de escanteio após novo adiamento (Alejandro Pagni / AFP)

Final da Libertadores entre River e Boca é adiada pela Conmebol

Confederação atendeu pleito do Boca Juniors, que alegou não estar em igualdade de condições

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez, anunciou o adiamento da final da Copa Libertadores entre River Plate e Boca Juniors, que seria realizada neste domingo (25), no Monumental de Núñez, após o adiamento inicial do confronto, que estava marcado para sábado. O dirigente indicou que vai se reunir com os presidentes dos dois clubes na terça-feira (27) para definir a nova data da decisão.

A partida decisiva precisou ser adiada após o ônibus que transportava os jogadores do Boca Juniors ser atacado por torcedores do River Plate. Após alguns adiamentos no horário, a Conmebol havia marcado a partida para este domingo, às 17h (da Bahia), mas optou por novo adiamento, sem uma data determinada. 



"O que aconteceu é uma vergonha, não é futebol", afirmou Domínguez, em entrevista ao Fox Sports, acrescentando que a partida não pode ser realizada neste momento pela inexistência de igualdade esportiva, diante das lesões sofridas por alguns jogadores do Boca Juniors.

É certo que a final não ocorrerá antes da reunião do G20 em Buenos Aires, marcada para os dias 30 de novembro e 1º de dezembro. "O jogo está sendo postergado e eu vou me encontrar com os dois presidentes para decidir a nova data. Não há igualdade esportiva para jogar a final. Queremos que o jogo seja em igualdade de condições", acrescentou. 

Dominguez defendeu que a entidade sul-americana não tem responsabilidade pelos problemas ocorridos no sábado ao declarar que "a culpa não é da Conmebol".

O dirigente ainda apontou que o momento deve ser para reflexão sobre comportamento no mundo do futebol. "Quero aproveitar o momento para convidar as pessoas a refletirem. Isso não é certo. No futebol não cabe a intolerância. Tem que ser feita a autocrítica. Futebol é alegria, é família. As pessoas têm que refletir sobre o sentido próprio do futebol", comentou.

Boca pediu adiamento
Momentos antes do anúncio do presidente da Conmebol, o Boca havia solicitado o adiamento da partida alegando ausência de "condições de igualdade", exatamente o argumento utilizado por Domínguez para suspender a partida. Mas no momento do anúncio, torcedores do River Plate chegavam ao Monumental para acompanhar o jogo. 

O Boca considera que chega para a partida em condição inferior à do adversário. Não bastasse o trauma sofrido pelos ataques de sábado, o time viu seu volante e capitão Pablo Pérez sofrer uma lesão no olho por causa do apedrejamento. O reserva Gonzalo Lamardo também se machucou durante a ação. 

Além disso, outros atletas foram vítimas dos efeitos de um artefato com gás de pimenta arremessado por um torcedor do River, como Tévez, Fernando Gago e Julio Buffarini, que foram vistos passando mal nas dependências do vestiário.

O primeiro jogo da decisão da Libertadores, no estádio de La Bombonera, terminou empatado em 2x2. O campeão continental será o time que vencer o segundo duelo. Em caso de novo empate, por qualquer, a decisão irá para prorrogação e, se necessário, pênaltis.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas