Fique por dentro de tudo que rolou no Afro Fashion Day

bazar
28.11.2016, 15:27:00
Atualizado: 19.11.2018, 16:39:35
A segunda edição consolida o AFD como vitrine das produções baianas (Divulgação)

Fique por dentro de tudo que rolou no Afro Fashion Day

Evento aconteceu no domingo (20), Dia da Consciência Negra, e reuniu modelos, famosos e um grande público na Praça da Cruz Caída

Uma passarela montada na Praça  da Cruz Caída, no Centro Histórico de Salvador, foi o local onde se ouviu O Grito das Ruas, tema da segunda edição do Afro Fashion Day,  desfile realizado pelo CORREIO  no domingo passado, Dia da Consciência Negra, reunindo 46 marcas e 74 modelos e convidado

Afro Fashion Day colocou 74 modelos e convidados para desfilar peças de 46 marcas, a maioria baiana (Foto: Erik Salles/Diferente Agencia de Imagens/Divulgação)

“O evento chama atenção para um tema importante e ajuda a fixar essa data”, declara Roberto Gazzi, diretor executivo do periódico. Ele lembra que um dos principais legados de um evento nos moldes do Afro é a transformação das pessoas envolvidas. “Ele muda a vida dos criadores, de quem trabalha nele, dos modelos e também dos espectadores. É um movimento de presença do jornal, mostrando que ele está preocupado com o desenvolvimento das pessoas”, pontua.

A ideia é endossada por Linda Bezerra, editora-chefe da publicação. “O AFD traz o povo para dentro do jornal e mostra o que o soteropolitano faz sua produção”, opina.


Chuva não afastou as quase 3 mil pessoas que foram à praça (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Multi
A segunda edição consolida o AFD como vitrine das produções baianas, valorizando o trabalho local, além de ser expoente para os modelos. “A ideia é promover experiência através de outras linguagens, além da notícia. O projeto inclui música, dança, comportamento com ápice no desfile”, afirma Fábio Góis, gerente de Marketing e Mídias Digitais do CORREIO.

Nas redes
Em 2016, o evento ganhou força com a transmissão nas redes  sociais, mostrando a aproximação do CORREIO com o público. “Os usuários comentaram os looks, o desfile. isso ampliou o debate que era feito sobre o evento, tanto no espaço físico quanto no digital”, explica Wladimir Pinheiro, editor do Correio24horas.

O Afro Fashion Day 2016  teve patrocínio do Shopping da Bahia, HapVida e Faculdade da Cidade, apoio do Senac e Eudora e apoio institucional da prefeitura de Salvador.

Conceito
A segunda edição do AFD levou a força das ruas para a passarela. “A gente observou que as pessoas têm ocupado as ruas, sobretudo com muito estilo”, explica Fagner Bispo, que assinou, pelo segundo ano, a produção de moda do evento. Para isso, a Cruz Caída ganhou uma passarela que mais parecia a reprodução de uma rua. “A gente reinterpretou isso nos elementos, como faixas amarelas, andaimes e pista de skate”, pontua Giuseppe Mazzoni Filho, arquiteto responsável pelo projeto.


A cantora Larissa Luz foi a mestre de cerimônias da noite (Foto: Alex Dantas/Diferente Imagens/Divulgação)

Mistura
Não foi só no desfile que a inspiração street deu as caras. Antes mesmo dele começar, a animação tomava conta do público com a discotecagem do DJ Mauro Telefunksoul, que transformou a praça em uma pista e abriu brecha para a apresentação de grupos de dança. “Foi sensacional, porque eu fiz um ao vivo, como se fosse numa festa”, declara. Na expectativa para os primeiros looks desfilarem, quem estava no local  dançou junto com o grupo InRitmo, que movimentou o público criando passos livres ao som da trilha do DJ. Logo em seguida, abrindo o desfile, os grupos FitDance, Lekan Dance e um trio de dançarinos de stilleto fizeram uma verdadeira batalha de dança em cima da passarela.

Território conquistado
A passarela do Afro foi ocupada apenas por modelos e convidados negros usando peças de criativos e estilistas baianos. Mestre de cerimônias do evento, a atriz e cantora Larissa Luz destaca a importância da representatividade. “Um evento desse porte no Dia da Consciência Negra é bem representativo. É para dizer que estamos aqui, conquistando territórios incríveis”, declarou.


Margareth Menezes, Uran Rodrigues, Ana Mametto, Lincoln Sena e Marcio Victor aceitaram o convite e fortaleceram o Grito das Ruas no AFD (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Nossa cara
Para Linda, o Afro faz uma ponte entre o leitor e o periódico. “Ações como essa, que mostram as pessoas que moram em Salvador, que vivem essa cidade, são importantes. Além disso é uma vitrine para o povo negro mostrar seus valores e sua produção”, pontua. Para a produtora de moda Isabela Nascimento, que trabalhou como assistente de produção nessa edição, o Afro é um símbolo de  conquista. “É o primeiro evento de moda com a cara da Bahia”, finaliza.

Ritmo
O Afro Fashion Day foi sucesso  também pela participação de famosos baianos.  Os  cantores Márcio Victor, do Psirico, Margareth Menezes, Ana Mametto, Lincoln Sena, da Duas Medidas, e Vítor Preto fizeram a alegria do público que compareceu em peso debaixo de chuva.  A dançarina e princesa do Carnaval 2014 Tamires Nogueira,  o produtor Uran Rodrigues,  a modelo plus Renata Trindade, a cantora lírica Rita Braz, a estilista Najara Black e as blogueiras Bianca Lordelo, Vanessa Ventura, Lourani Maria, Joana Guerra e Cris Black Holm completam o time de convidados.  A maioria usou looks de criadores com os quais já possuem alguma relação.

Representa
Para Márcio Victor, estar em um evento como o AFD o “enche de orgulho”. “Meu tio Ninha, que era cantor da Timbalada, desfilou  ano passado e hoje eu estou com meu primo Cid, da marca InCid. Eu me sinto em família e quero participar todos os anos”, destaca o vocalista do Psirico que também dá valor ao trabalho das outras marcas. “Junior Rocha é meu primo também,  Soudam, Uran, Najara Black... Estou junto com todos da minha geração”.


A exposição Visu no Pelô teve a curadoria de Paula Magalhães, editora do BAZAR, e Leo Amaral, produtor do supolemento. A inspiração é a coluna do dominical, as imagens foram feitas pela fotógrafa Angeluci Figueiredo (Foto: Erik Salles/Diferente Imagens/Divulgação)

Segundo Margareth Menezes, que desfilou look  criado por Mônica Anjos - uma das referências de estilo que a cantora segue há alguns anos, a moda dialoga com o mundo artístico, mas não precisa ser uma ditadura. “Não sou uma pessoa que compra todas as tendências. Visto aquilo que me sinto bem. Na minha própria carreira tenho vários estilos”. O fato do evento ocorrer no Dia da Consciência foi considerado por ela um diferencial para a visibilidade da produção negra no Brasil. “Esse projeto vem fortalecer o afro na moda. Fico feliz em ver esse crescimento e os estilistas botando suas ideias. É o que chamo de afro pop”.

Ana Mametto disse estar muito feliz com a maturidade da grife dos amigos da Meninos Rei. “Uma marca que faz conexão com a Bahia. A coleção das frutas reflete o estado, a música, a tropicalidade, o diferencial do baiano. Eles conseguiram passar nossa força”, ressalta a cantora, que contou ainda como Júnior e Céu Rocha estão buscando ampliar a visibilidade para além do público masculino. “Agora eles querem alcançar também as mulheres com suas produções”, conta.

Empoderamento e força

Daqui
O desfile do Afro Fashion Day levou 46 marcas - 44 delas de criativos baianos - à passarela (ver págs 11 a 14), sendo 22 estreantes no evento. Foram mais de 300 peças, entre roupas e acessórios, que vestiram 60 modelos e 14 convidados. Para o estilista Aládio Marques, o AFD é uma vitrine para a produção local. “É muito importante participar e mostrar um pouco da minha moda nesse evento que é tão emblemático e representativo para a Bahia”, declara. “É uma forma de reconhecimento e valorização do nosso trabalho”.

Exclusivos  Um dos destaques do AFD 2016 foi a produção exclusiva de algumas marcas, como Katuka, Goya Lopes, Ateliê Casa Linda, Outerelas e By Aninha Acessórios. “Essa foi  a principal diferença com relação ao ano passado, que a gente teve que produzir com o que eles já tinham. Esse ano, eles pensaram a produção com base no conceito do desfile”, lembra Fagner.


O DJ Mauro Telefunksoul transformou a Praça da Cruz Caída numa pista de dança (Foto: Erik Salles/Diferente Imagens/Divulgação)

Diversidade
Além de celebrar a beleza negra e valorizar a africanidade dos soteropolitanos, o Afro abriu espaço para a diversidade. A passarela serviu para dar visibilidade aos corpos de vários tamanhos. Prova disso foi a presença da modelo plus size Renata Trindade,  que desfilou com um maiô da Cynd Biquínis, feito sob medida. Além dela, a designer Najara Black foi modelo de sua própria marca, a N Black, que veste corpos de homens e mulheres de todos os tamanhos. “É uma emoção muito grande estar aqui representando meu povo”, conta. Quando estava na passarela, ela fez questão de se manifestar e gritou “é nós por nós”. “É sempre assim, um ajudando outro e trazendo junto para ocupar os espaços”, finalizou.

Para se ver
Além da passarela, os soteropolitanos puderam se enxergar na exposição Visu no Pelô, que fotografou 8 figuras em looks urbanos nas ladeiras do Centro Histórico. A curadoria
da exposição foi de Paula Magalhães e Leo Amaral, com imagens produzidas pela fotógrafa Angeluci Figueiredo.

Black power

Luminosos
Se uma palavra pudesse definir a noite do  Afro Fashion Day,  com toda certeza seria:  beleza. Tanto dos profissionais envolvidos quanto da plateia. Sem exceções.  Foi muito empoderamento, atitude e representatividade pulsando no evento fashionista realizado no  Centro Histórico. Sobretudo na maquiagem, onde a ancestralidade  da população afrobrasileira dialogada com a contemporaneidade serviu de inspiração para o uso de  tons luminosos.  Segundo
Dino Neto, maquiador e cabeleireiro à frente da organização das  makes e penteados dos modelos e convidados, a ideia foi valorizar a pele negra com tons translúcidos de azul, verde, cobre e lilás, sem sombras opacas e, diferente de 2015, com um estilo mais flúor. “Demos  iluminadas nos olhos e deixamos as bocas mais naturais, para valorizar mesmo a diversidade das cores dos lábios. Tentamos fazer algo mais universalizado, leve e com brilho”.


Fagner Bispo, produtor de moda do desfile, finalizando um dos looks nos bastidores (Foto: Alex Dantas/Diferente Imagens/Divulgação)

Urbano
Como o tema do desfile era O Grito das Ruas, Dino ressaltou que os cabeleireiros tiveram que intensificar os penteados com referência street e, ao mesmo tempo, que fazem referência à cultura negra, como tranças de raiz, trança boxer, cabelos soltos e naturais no melhor estilo black power, aplicações de trançados feitos de lãs coloridas, entre outras conexões com  moda urbana. “Fomos orientados para usar estilos como o da cantora Alicia Keys, por exemplo, e  aproveitar essa coisa das ruas, da originalidade”. Os batons da Eudora foram utilizados nas composições.

O estreante na equipe de maquiadores e cabeleireiros do Afro Fashion Day Devisson Esquivel contou  sua alegria em participar da segunda edição. “Foi gratificante porque trabalhamos com uma equipe coesa que atendeu fielmente ao pedido da produção. O resultado foi positivo porque pegamos a ideia e usamos da nossa criatividade para fazer apostas ousadas, com as cores vibrantes, que se destacaram bem nas peles negras e combinaram com os looks elaborados pelos estilistas”. O dream team responsável por potencializar a beleza do AFD  foi composto por Dino Neto, Mário Moraes, Rose de Brito, Romário Aragão, Joabe Rocha, Vinícius Teles, Devisson Esquivel, Marcos Junquilho, Eliana Pimentel, Valério Santos e Luiz Santana.



Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/extremamente-arrependidos-diz-defesa-do-casal-que-agrediu-baiano-de-6-anos-no-df/
Advogado Rafael Pitzer informou que clientes receberam ameaças de morte
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/conheca-a-historia-de-joao-gabriel-goleiro-do-vitoria-ate-2021/
Cria da base, sergipano deixou a Toca em 2012; de volta, reencontrou ex-treinador
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/empresario-baiano-acusado-de-sonegacao-milionaria-e-preso-no-rio/
Dívida de dono da antiga Sandpiper é de quase R$ 4 milhões
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/duda-beat-apresenta-sua-sofrencia-pop-pela-primeira-vez-em-salvador/
A pernambucana foi considerada a artista revelação do ano pela APCA
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/mae-defende-mulher-que-agrediu-menino-baiano-no-afa-do-momento/
Ela usa como justificativa, ainda, que a criança teria xingado sua filha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/alunos-da-ufba-apresentam-purificador-de-agua-que-usa-luz-solar-para-investidores/
Projeto Aqualuz é um dos destaques de evento na USP, nesta sexta (14)
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/casal-baiano-e-condenado-nos-eua-por-participar-de-sequestro-do-neto/
Carlos e Jemima Guimarães pegaram penas consideradas brandas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/nao-da-para-acreditar-diz-mae-de-crianca-baiana-agredida-por-adultos-em-brasilia/
Vídeo mostra momento em que o pai segura o menino para que o filho bata  
Ler Mais