'Fizemos muito em pouco tempo', diz Temer a investidores estrangeiros

brasil
30.05.2017, 11:05:00

'Fizemos muito em pouco tempo', diz Temer a investidores estrangeiros

Presidente do Brasil, atingido por uma crise política, destacou conquistas econômicas de seu governo em evento realizado na manhã de hoje 930/5) em São Paulo

O presidente Michel Temer, em discurso para uma plateia de investidores internacionais, disse que o seu governo fez “muito em pouco tempo” e garantiu que os estrangeiros encontram no país “uma economia que se recupera e que se moderniza”. O evento, Fórum de Investimentos Brasil 2017, ocorreu hoje (30/5) na capital paulista.

A defesa da ideia de que há um sucesso da condução da economia do país é uma das iniciativas de Temer e seu grupo político para tentar influenciar no julgamento da ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), marcado para começar no próximo dia 6, que pode cassar seu mandato. No processo, a chapa Dilma-Temer é acusada de abuso de poder econômico nas eleições de 2014 por ter tido a campanha paga com recursos desviados da Petrobras. É também uma forma de enfrentar a crise política deflagrada com a divulgação de um áudio com uma conversa entre o presidente e o empresário Joesley Batista, dono da JBS. Na conversa, segundo o Ministério Público Federal, Temer teria dado anuência à compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, preso pela Operação Lava Jato. 

No fórum, Temer disse que os investidores encontram no país um governo determinado em completar as reformas “que estão transformando o país e abrindo novas oportunidade para todos”. “Eu quero transmitir uma mensagem clara, o nosso governo devolveu ao Brasil o caminho do desenvolvimento e, desse caminho, não nos afastaremos”.

O presidente criticou governos anteriores, que, na sua opinião, implementou medidas populistas. “Não permitiremos que voltem a colocar em risco o presente e o futuro dos brasileiros”, declarou Temer, afirmando que o foco da sua administração continua sendo o equilíbrio das contas. “Assim que assumi o governo, a primeira palavra foi que é preciso que o governo corte na própria carne. Seria muito cômodo se assumisse o governo e deixasse as coisas como estavam”. Na mesma fala, o presidente destacou a interação intensa entre Câmara, Senado e o governo. “Foi a partir da construção desses consensos que conseguimos aprovar a reforma do teto dos gastos públicos.”

Autoridades

Além de Temer, outras autoridades também discursaram durante o fórum. O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, declarou que o país restaurou os fundamentos da economia e que tem criado bases para o desenvolvimento sustentável. “No momento estamos efetuando profundas e audaciosas reformas, que são consideradas absolutamente necessárias.” Para ele, a Previdência é deficitária e socialmente injusta, assim como a legislação trabalhista atual, que permite, por exemplo, o ajuizamento de 4 milhões de ações trabalhistas. “Quem se conforma com essa situação são apenas alguns setores mais reacionários”, criticou.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse que o Brasil, desde o ano passado, passou a construir uma agenda de reformas de forma conjunta com a Câmara e o Senado. “Nos anos anteriores, o Brasil criou um estado gigante, que apenas garante recursos aos privilegiados. A sociedade vem usado de forma permanente por poucas corporações de privilegiados e que agora querem manter os seus benefícios”, declarou.

Maia reiterou que a agenda da Câmara de Deputados tem como foco o setor privado. “Não queremos mais que a burocracia prejudique a capacidade de investimentos, principalmente a geração de empregos. Recebemos reformas importantes do governo, começando pela  proposta de emenda constitucional (PEC) do Teto, que pra mim foi uma grande revolução.”

Eunício Oliveira, presidente do Senado, assim como Maia, afirmou que há “uma interação perfeita em relação às matérias que são votadas na Câmara e no Senado. Assim como as matérias votadas no Senado têm recebido uma verdadeira interação com o Brasil.” Oliveira disse ainda que as reformas pretendidas pelo governo serão aprovadas. “Vamos aprová-las, todas, porque essa é a vontade dos representantes do povo no Congresso Nacional. É uma agenda para o futuro.”

Com informações da Agência Brasil. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas