Flamengo apresenta Gabriel e Arrascaeta e vence o Bangu por 2x1

esportes
20.01.2019, 20:35:07
Atualizado: 21.01.2019, 11:08:12
(Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

Flamengo apresenta Gabriel e Arrascaeta e vence o Bangu por 2x1

Visitantes abriram o placar, mas o rubro-negro, com um a mais, conseguiu a virada

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em tarde festiva, de casa cheia no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, que recebeu mais de 46 mil torcedores, o Flamengo começou a disputa da Taça Guanabara, o primeiro turno do Campeonato Carioca, com o pé direito. Venceu o Bangu por 2x1, de virada, e agora soma três pontos no Grupo C.

Antes do jogo, os dois principais reforços rubro-negros foram apresentados à torcida: o meia uruguaio Arrascaeta, ex-Cruzeiro, e o atacante Gabriel, ex-Santos. Os dois não tinham condições legais para a estreia. Apesar do placar apertado, a torcida foi para casa feliz e esperançosa.

O jogo começou em alta velocidade e com o Bangu cumprindo a promessa do técnico Alfredo Sampaio de jogar de igual para igual contra o Flamengo. Tanto que abriu o placar aos dois minutos.

Kelvin cobrou arremesso lateral e Anderson Lessa subiu na frente de Rodrigo Caio e mandou a bola no ângulo. No lance anterior, bem parecido, Rhodolfo falhou e Pingo testou de cima para baixo, mas Diego Alves fez grande defesa.

Como também era esperado, o Flamengo foi para cima e passou a criar chances. O lance que abriu o gol de empate saiu em uma polêmica aos 12 minutos.

Renê recuperou uma bola na linha de fundo, mas a bola saiu e a auxiliar, empurrada, não viu. Após o passe para trás, Diego bateu rasteiro, o goleiro Jefferson Paulino defendeu e a bola tocou no braço de Felipe Dias. Pênalti e expulsão. Deslocando o goleiro, Diego empatou.

Com um jogador a mais, a superioridade flamenguista foi grande. O goleiro fez boas defesas, mesmo porque conseguiu ter mais de 73% de posse de bola.

A ordem do técnico Abel Braga no intervalo foi para que seu time fosse mais intenso e finalizasse mais. Alfredo Sampaio entrou disposto a encurtar os espaços e tentar se defender pelo Bangu.

O gol da virada saiu aos oito minutos. Após levantamento de Éverton Ribeiro, o zagueiro Rhodolfo se antecipou a Jefferson e deu uma casquinha de cabeça. A pressão era total. Vitinho exigiu defesa do goleiro do Bangu, aos 12, e, aos 14, Pará chutou, a bola desviou e explodiu no travessão.

A melhor chance de ampliar, porém, esteve nos pés de Diego aos 18 minutos, em um pênalti cometido por Dieyson em cima de Éverton Ribeiro. O meia bateu forte, mas Jefferson caiu do lado direito e espalmou.

Em 11 cobranças com a camisa rubro-negra, esta foi a terceira perdida por ele. Mas o jogo continuou de um time só, com o Bangu nem tentando puxar algum contra-ataque.

Sob controle do jogo, Abel Braga optou por poupar Diego, substituído aos 32 minutos por Vitor Gabriel. O meia saiu muito aplaudido e entregou a faixa de capitão para Cuéllar. Pouco depois, Éverton Ribeiro saiu para a entrada de Piris da Motta. O público de 46.472 torcedores foi recorde em estreias do Flamengo em Estaduais.

Nesta quarta-feira, os dois times voltam a campo pela segunda rodada. O Flamengo sai diante do Resende, às 19h15, em Volta Redonda (RJ), enquanto que o Bangu vai enfrentar o Botafogo, no mesmo horário, no estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas