Goiás é o terceiro brasileiro eliminado da Sul-Americana

esportes
26.02.2020, 10:06:00
Atualizado: 26.02.2020, 10:06:48

Goiás é o terceiro brasileiro eliminado da Sul-Americana

Equipe goiana perdeu para o paraguaio Sol de América por 1x0

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Mais um brasileiro foi eliminado na primeira fase da Copa Sul-Americana. Vice-campeão em 2010, o Goiás recebeu o paraguaio Sol de América, na noite de terça-feira (25), no estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira, e perdeu por 1x0, mesmo placar pelo qual havia sido batido há duas semanas, fora de casa.

Dessa forma, o futebol brasileiro perde mais um representante na segunda competição mais importante do continente. Anteriormente, o Fluminense caíra para o Unión La Calera, do Chile, enquanto o Atlético-MG parara no Unión, da Argentina. Até o momento, apenas o Vasco, que passou pelo Oriente Petrolero, da Bolívia, conseguiu avançar - Bahia e Fortaleza ainda vão disputar os jogos de volta da primeira fase.

Ainda não é possível conhecer quais serão os confrontos da segunda fase da Sul-Americana. Afinal, além de a primeira etapa ainda estar sendo disputada, o próximo estágio contará com dez clubes vindos da Copa Libertadores (dois da terceira fase preliminar e os oito terceiros colocados das chaves na fase de grupos).

O JOGO

Disposto a abrir o placar e devolver o aplicado pelos paraguaios na ida, o Goiás iniciou o duelo pressionando o Sol de América. E, logo aos seis minutos, a equipe brasileira conseguiu chegar com perigo. Victor Andrade, acionado pelo lado esquerdo, foi à linha de fundo e cruzou para trás. Daniel Bessa bateu prensado na marcação, que afastou para longe antes que Rafael Moura pudesse aproveitar o rebote.

Depois disso, os visitantes melhoraram a marcação e passaram a ceder menos espaços para os donos da casa. Além disso, o time de Assunção começou a catimbar em excesso, tanto que, aos 18 minutos, Villalba recebeu o primeiro cartão amarelo. Logo na sequência, aos 19, Victor Andrade e Cazal se estranharam e tiveram que ser contidos pela arbitragem liderada pelo uruguaio Andres Cunha.

Com as ações equilibradas, o Sol de América conseguiu abrir o placar. Aos 26 minutos, o Goiás saiu jogando errado, Novick recebeu cruzamento dentro da área e escorou para Nildo Viera. Ele ia driblando Tadeu, mas o goleiro acabou cometendo pênalti. Novick foi para a cobrança e acertou o canto direito, sem qualquer chance de defesa para Tadeu, que ficou paralisado no centro da meta.

O Goiás ainda conseguiu ameaçar em duas oportunidades. Aos 32 minutos, Rafael Moura testou para boa defesa do goleiro Centurión. Pouco depois, já aos 36, Luiz Gustavo aproveitou sobre de bola após escanteio e acertou a rede pelo lado de fora, à direito do goleiro do time visitante.

Durante o intervalo, o técnico do Goiás, Ney Franco, promoveu duas alterações, visando deixar a equipe mais ofensiva. O atacante Vinicius entrou na vaga do volante Miguel Figueira, enquanto Caju substituiu o também lateral-esquerdo Jefferson. As mudanças surtiram efeito.

Logo aos dois minutos, Victor Andrade recebeu aberto na ponta direita, fez boa jogada individual e soltou a pancada, defendida por Centurión. Aos 13, o jogador revelado pelo Santos mandou ótima bola por elevação para Keko, que tentou encobrir o goleiro adversário. Bem posicionado, porém, o arqueiro conseguiu impedir o empate.

Centurión seguiu protagonizando grandes intervenções. Aos 17 minutos, Léo Sena arriscou da intermediária, mas o goleiro voou para colocar a bola para escanteio. Depois, aos 21, Rafael Moura recebeu lançamento dentro da área e testou firme, no chão. Dessa vez, o goleiro do Sol de América fez um milagre.

Na sequência, aos 27 minutos, Daniel Bessa cruzou na medida para Rafael Moura. O atacante se posicionou bem e desviou acertando a trave de Centurión. O goleiro do Sol de América, nesta jogada, nada pôde fazer, a não ser torcer para a bola não entrar.

Nervoso, até por conta dos gritos da torcida contra Ney Franco, contra a equipe, chamada de "sem vergonha", e contra Túlio Lustosa, diretor de futebol, o Goiás não conseguiu mais criar boas oportunidades para tentar, ao menos, diminuir o prejuízo. Os visitantes, por outro lado, com o resultado favorável, apenas ditaram o ritmo para deixar Goiânia com a classificação para a segunda fase da Sul-Americana.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas