Governo federal prefere uso de BRT na Paralela

salvador
01.08.2011, 06:23:00
Atualizado: 01.08.2011, 06:25:22

Governo federal prefere uso de BRT na Paralela

Estado vai pedir verba ao governo federal para construir metrô fotos de divulgação

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Lais Vita | Redação CORREIO
lais.vita@redebahia.com.br

O governo do estado vai ter que rever os seus planos de construir um metrô na avenida Paralela até a Copa do Mundo de 2014. É que o ministro das Cidades, Mário Negromonte,  afirmou que a orientação da presidente Dilma Rousseff é de não mudar o planejamento de transporte das cidades-sede da Copa do Mundo.

“A orientação da presidente (Dilma Rousseff) é de que a Matriz de Responsabilidade não seja alterada. Já existe a proposta aprovada para Salvador que é o BRT”, afirmou Negromonte ao CORREIO.



No ano passado, em Matriz de Responsabilidade assinada com o governo federal, Salvador previu a construção de um corredor estruturante de BRT (Transporte de ônibus rápido, pela sigla em inglês), com extensão de 19 quilômetros, ligando o aeroporto ao Acesso Norte.

No dia 21 de  junho, porém, depois de analisar projetos apresentados por sete empresas, o governo do estado anunciou que abriria licitação para construir um transporte sobre trilhos ligando os dois pontos, combinado com linhas de BRT em vias alimentadoras, transversais à Paralela. A ideia é apresentar o projeto ao governo federal e conseguir verbas da Caixa Econômica.

“Até agora não recebemos proposta nenhuma do Governo do Estado da Bahia. Existe a demora e, inclusive, estamos inquietos com esse atraso”, afirmou Negromonte. “Se o governo pretende modificar, precisa acelerar a apresentação da proposta e convencer os técnicos do grupo gestor do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) que o sistema vai atender realmente a demanda. Mas os fatores preço e prazo são os mais importantes porque devem estar dentro dos limites”, disse.

Surpresa
O secretário estadual do Planejamento, Zézeu Ribeiro, não quis comentar o assunto. O secretário municipal da Casa Civil, João Leão, disse  que vai se reunir com o ministro esta semana. “Na próxima terça-feira (amanhã), estarei em Brasília, com o ministro Mário Negromonte e com o presidente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), Francisco Colombo”, disse. “Vamos sentar pra conversar e saber qual a opinião do ministro sobre o assunto”, completou.

Acordo
O projeto acordado entre prefeitura, governo do estado e governo federal em janeiro do ano passado prevê 27 estações e quatro terminais nos 19 quilômetros. O investimento seria de R$ 567,7 milhões, sendo R$ 541,8  milhões financiados pela Caixa, através do PAC da Copa, como aparece no site do Ministério dos Esportes. O novo projeto de sistema misto apresentado em junho deste ano tem previsão de custo de R$ 3 bilhões e a promessa de conclusão em dezembro de 2013.

A prefeitura chegou a defender que, ao menos até a Copa, a melhor solução seria asfaltar as laterais do canteiro da avenida Paralela e implantar corredores apenas de BRT. “Depois, com mais calma, a infraestrutura seria aproveitada para a implantação do metrô”,  afirmou João Leão, na época. “Na verdade, o meio mais eficiente seria mesmo o metrô na cidade toda, mas tem que ter dinheiro pra isso. Temos que nos equilibrar entre o ideal e o possível”.

Em entrevista ao CORREIO publicada ontem, o governador Jaques Wagner comentou o impasse. “Não tenho paixão nem pelo trilho, nem pelo pneu. Tenho paixão pela melhor solução, que deve olhar para 20, 25 anos à frente, e possa superar um problema de todos os baianos, ricos e pobres”, afirmou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas