Grêmio desafia histórico recente de zebras para avançar à decisão

esportes
12.12.2017, 07:00:00
Atualizado: 12.12.2017, 10:40:28
Autor de um gol na final da Libertadores, atacante Fernandinho é uma das apostas do Grêmio para o Mundia (Lucas Uebel/ Grêmio FBPA)

Grêmio desafia histórico recente de zebras para avançar à decisão

Campeão da Libertadores, time de Renato Gaúcho encara o Pachuca na semifinal da Mundial de Clubes

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Menos de duas semanas após faturar o seu terceiro título da Copa Libertadores, o Grêmio inicia nesta terça-feira (12) a busca por uma conquista ainda maior. Às 14h (horário da Bahia), o time gaúcho entra em campo para enfrentar o mexicano Pachuca no estádio Hazza bin Zayed, em Al Ain, nos Emirados Árabes Unidos, pelas semifinais do Mundial de Clubes da Fifa.

O confronto é o passo decisivo para o tricolor disputar a decisão do torneio em um possível duelo contra o poderoso Real Madrid, mas a semifinal tem sido cada vez menos um jogo protocolar para os clubes brasileiros e sul-americanos. Basta lembrar o que aconteceu no ano passado com o colombiano Atlético Nacional, derrotado pelo Kashima Antlers. Além disso, Internacional e Atlético Mineiro também sofreram derrotas traumáticas para Mazembe e Raja Casablanca em 2010 e 2013, respectivamente.

Até por isso, o Grêmio tem repetido o discurso de evitar falar sobre o aguardado encontro contra o Real Madrid, de Cristiano Ronaldo, que fará a outra semifinal da competição com o anfitrião Al Jazira, quarta (13), às 14h. “Para chegar em uma final, temos a semifinal. Não adianta ficar falando de Real Madrid, se temos o Pachuca, até porque ninguém sabe se eles estarão na final. Nosso objetivo é o Pachuca, este é o adversário que assistimos, todo o grupo, então estamos preparados para fazer esta semifinal”, disse o técnico Renato Gaúcho.

'Carne de pescoço'
Realizado no atual formato desde 2005, o Mundial de Clubes da Fifa viu quatro equipes brasileiras se classificarem à decisão. Mas o Santos, em 2011, foi o único time que conseguiu a vaga na final com um triunfo por mais um gol de diferença - 3x1 sobre o japonês Kashiwa Reysol.

Esse retrospecto faz o Grêmio acreditar em duelo complicado contra o campeão da Liga dos Campeões da Concacaf, mesmo que o Pachuca tenha apresentado um futebol pobre na vitória por 1x0 sobre o Wydad Casablanca, no último sábado (9), em duelo definido apenas na prorrogação. “O Pachuca é sem dúvida um osso duro, carne de pescoço. É um jogo importantíssimo para eles como é para nós”, afirmou o treinador gremista.

A decisão da Libertadores, porém, deixou uma sequela no Grêmio. Considerado a principal revelação do futebol brasileiro em 2017 e já cobiçado por gigantes do futebol europeu, o volante Arthur se lesionou na segunda partida contra o Lanús e nem viajou aos Emirados Árabes Unidos. Ele será substituído por Michel.

Os gremistas, mesmo assim, exibem confiança no time liderado pelo atacante Luan, artilheiro da campanha na Libertadores, para chegar à final com Renato Gaúcho, que como jogador foi campeão mundial pelo clube contra o Hamburgo, em 1983.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas