'Greve vai ser mais forte do que em 2018', ameaça representante dos caminhoneiros

brasil
13.01.2021, 18:31:29
Atualizado: 13.01.2021, 19:15:59
(Arquivo CORREIO)

'Greve vai ser mais forte do que em 2018', ameaça representante dos caminhoneiros

Alta do preço do diesel é o principal motivo da paralisação prevista para fevereiro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O presidente da Associação Nacional do Transporte Autônomos do Brasil (ANTB), José Roberto Stringasci, afirmou que a greve dos caminhoneiros prevista para o próximo dia 1ª de fevereiro vem crescendo em adesão, e poderá ser maior do que a realizada em 2018.

"A pandemia nunca foi problema. A categoria trabalhou para cima e para baixo durante a pandemia. Muitos caminhoneiros ficaram com fome na estrada com os restaurantes fechados, mas (a categoria) nunca parou", disse o presidente da ANTB, que representa cerca de 4,5 mil motoristas de caminhão.

De acordo com Stringasci, a alta do preço do diesel é o principal motivador da greve, assim como outros itens que também estavam nas reivindicações da greve nacional de 2018.

"Esse (diesel) é o principal ponto, porque o sócio majoritário do transporte nacional rodoviário é o combustível (50% a 60% do valor da viagem) Queremos uma mudança na política de preço dos combustíveis", diz.

Os caminhoneiros têm como objetivo uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro, que recebeu o apoio da categoria nas eleições de 2018, para conseguir viabilizar suas demandas e evitarem a paralisação. 

"A categoria apoiou ele [Jair Bolsonaro] em 100% praticamente nas eleições. Então agora exige a presença dele na reunião. Eu creio que a greve pode ser igual a 2018. A população está aderindo bem, os pequenos produtores da agricultura familiar também. Se não for igual, eu creio que vai ser bem mais forte do que 2018", finaliza.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas