Guia Copa do Nordeste: história, tabela, transmissão e tudo mais

esportes
25.01.2020, 05:05:00
Mascote da Copa do Nordeste, o bode Zeca Brito exibe a taça conhecida como "Orelhuda" (Foto: Pedro Chaves/Federação Cearense de Futebol)

Guia Copa do Nordeste: história, tabela, transmissão e tudo mais

Bahia e Vitória estreiam neste sábado (25) no maior regional do Brasil

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Já começou a Copa do Nordeste, o maior torneio regional do Brasil. Uma competição que teve idas e vindas até se consolidar como uma das principais atrações do futebol brasileiro no primeiro semestre. Em 2020, o Nordestão chega ao oitavo ano seguido no calendário, superando a sequência que durou de 1997 a 2003 – houve ainda uma edição inaugural em 1994 e outra isolada em 2010. 

Representante da Bahia, a dupla Ba-Vi estreia neste sábado (25), às 16h, e com clássicos regionais pela frente. O Vitória recebe no Barradão o atual campeão Fortaleza, que mantém o técnico Rogério Ceni, cujo trabalho levou o time ao 9º lugar do Brasileirão e aos títulos do Campeonato Cearense e do regional. Enquanto o rubro-negro planeja fazer uma temporada de reabilitação, o adversário desponta como um dos favoritos ao título.

Outro nessa condição é o Bahia, que visita o Santa Cruz no estádio Arruda, no Recife. Depois de chegar à final em 2015, 2017 e 2018, o tricolor baiano entra no Nordestão com obrigação de se recuperar da decepção de 2019, quando foi eliminado ainda na fase de grupos.

A maior novidade desta edição é a volta do Sport, que se recusou a participar nos últimos dois anos. E isso implica no grande atrativo de 2020: pela primeira vez, todos os sete clubes mais tradicionais da região estão na disputa - Bahia, Vitória, Sport, Santa Cruz, Náutico, Ceará e Fortaleza. 

Além disso, a presença de CSA e CRB – dupla alagoana que vem de boas campanhas em divisões nacionais, mesmo com o rebaixamento do CSA à Série B no ano passado - nivela ainda mais o torneio que não repete um campeão desde 2010. Por outro lado, Sampaio Corrêa e Campinense caíram na seletiva e são as ausências mais sentidas.

O guia a seguir está fragmentado para facilitar a "degustação". Nos links abaixo, constam os pormenores da Copa do Nordeste: estádios, regulamento, curiosidades, transmissão... Tem um pouco de tudo, inclusive a opinião de cada integrante da equipe de Esporte, do estagiário ao editor. Ficou curioso? Então confira tudo logo abaixo!

1. Grupo A: os desafios para o Vitória se reerguer
2. Grupo B: por onde o Bahia precisa passar para esquecer o vexame de 2019
3. Uma viagem por nossa terra: conheça todos os estádios do Nordestão
4. Equipe do CORREIO palpita sobre favoritos do Nordestão; confira

Regulamento e Tabela

O regulamento do ano passado está mantido. Os 16 clubes estão divididos em dois grupos, que se enfrentam.

Os quatro melhores de cada um avançam para as quartas de final e fazem confronto em jogo único contra um time do mesmo grupo.

Os vencedores avançam à semifinal, também em partida única, só que contra uma equipe que foi do outro grupo. A final acontece em dois jogos nos dias 22 de abril e 6 de maio.

O Bahia está no Grupo A e enfrenta os times do Grupo B, onde está o Vitória. Por causa disso, logo na terceira rodada da competição vai ter Ba-Vi, o primeiro do ano, e será na Fonte Nova, dia 8 de fevereiro. A primeira fase é disputada em turno único, com cada time jogando oito partidas. Confira os grupos completos na imagem abaixo.

Grupo A enfrenta o Grupo B em turno único. Os quatro melhores de cada chave avançam para as quartas de final (Fotos: Divulgação/Copa do Nordeste)


Cotas

O aspecto financeiro também é um atrativo para os clubes participantes. Neste ano, o montante disponível é de R$ 34,3 milhões. Caso Bahia ou Vitória termine campeão, a premiação embolsada no somatório de todas as fases será de R$ 3,875 milhões. Isso porque juntamente a Sport e Ceará, a dupla Ba-Vi está no chamado subgrupo 1, que recebe mais dinheiro na primeira fase da competição. As cotas são divididas de acordo com o ranking da CBF.

1. Seletiva (para os clubes eliminados na fase preliminar, disputada em 2019) - R$ 100 mil – Sampaio Corrêa, Altos, Juazeirense e Campinense

2. Fase de grupos (divisão através do Ranking Nacional de Clubes 2019)

Subgrupo 1 – R$ 2,2 milhões
Bahia (15º), Sport (16º), Vitória (17º) e Ceará (23º)

Subgrupo 2 – R$ 1,7 milhão
Santa Cruz (28º), CRB (32º), Fortaleza (33º) e Náutico (36º)

Subgrupo 3 – R$ 1,5 milhão 
ABC (43º), CSA (45º), Botafogo-PB (46º) e América-RN (49º)

Subgrupo 4 – R$ 775 mil
Confiança (53º), River (72º), Imperatriz (111º) e Frei Paulistano (sem ranking)

3. Mata-mata
Quartas de final
: R$ 300 mil
Semifinal: R$ 375 mil
Vice: R$ 500 mil
Campeão: R$ 1 milhão

Lista com as previsões de faturamento dos sete maiores clubes do Nordeste em 2020. Observação: o Santa Cruz não divulgou números oficiais. O dado foi obtido pelo jornalista Cássio Zirpoli (Arte: Giuliana Mancini/CORREIO)


O caçula

A Copa do Nordeste terá um inédito participante em 2020. Trata-se do Freipaulistano, clube de Sergipe que foi fundado em agosto de 2016 e está no Grupo A, onde o Bahia está alocado. O Touro do Agreste vai enfrentar o Vitória na quarta rodada, no Barradão. O jogo contra o rubro-negro vai marcar um duelo de opostos, já que o Leão é o time mais velho desta edição, fundado em 1899.

O time sergipano chega à “Lampions League” depois de vencer o estadual no ano passado. O clube do município de Frei Paulo manda seus jogos no modesto Estádio Jairton Menezes de Mendonça, o "Titão", cuja capacidade de 4 mil torcedores é menor que a mínima exigida no regulamento da Copa do Nordeste, de 5 mil. Por isso, o caçula vai jogar no Batistão, em Aracaju, a 76 km de casa. Este ano será especial para o time sergipano, que, além de estrear no regional, também vai debutar na Série D nacional.

Um conhecido do futebol baiano que está defendendo o time sergipano é Ramalho, volante de 39 anos que passou pelo Vitória no início do século e fez parte do elenco que venceu a Copa do Brasil de 2004 pelo Santo André.

Ranking dos campeões

Dois times vigiam o tetracampeão Vitória de perto na contagem dos títulos: Bahia e Sport, com três títulos cada, dividem o segundo lugar. Falando em títulos por estado, a Bahia lidera o ranking com sete. Logo depois vem Pernambuco com quatro (3 do Sport e 1 do Santa Cruz). Ceará e Fortaleza, atual campeão, ganharam dois para o estado cearense. Completam a lista Paraíba, Rio Grande do Norte e Maranhão, cada um com um troféu graças às glórias de Campinense (2013), América de Natal (1998) e Sampaio Corrêa (2018).

A atual edição da Copa do Nordeste não conta com dois campeões: Sampaio Corrêa e Campinense, ambos eliminados na fase preliminar da competição.

Todos os campeões do Nordestão. Observação: o Vitória se proclama penta porque conta o Troféu José Américo de Almeida Filho, de 1976 
(Foto: Copa do Nordeste/Divulgação)

Uma curiosidade: Três dos quatro títulos do Vitória foram em cima de equipes baianas. Em 1997 e 1999, o rubro-negro bateu o Bahia; em 2003, o Fluminense de Feira. Maior campeão do torneio, o Leão também superou o ABC na final de 2010.

Recordes de público

O Bahia é dono de três dos cinco maiores públicos da história do Nordestão. Os dois maiores foram nas finais contra Sport e Vitória, no bicampeonato regional de 2001 e 2002, com 65.834 e 64.689 pagantes, respectivamente. Em ambos os jogos, o Esquadrão venceu por 3x1.

A torcida do Bahia também já sofreu em dia de Fonte Nova cheia - e a do Vitória sorriu. O quinto maior público da história foi o Ba-Vi da final de 1997 que o rubro-negro, na condição de visitante, aplicou 3x0 sob o olhar de 54.774 pessoas. Na era mais recente do estádio, os 45.473 torcedores que foram à Arena Fonte Nova testemunharam o título do Sampaio Corrêa após o empate em 0x0 com o tricolor em 2018. Este é o 8º maior público da competição.

Fonte Nova e Castelão são os únicos estádios na lista dos 10 maiores públicos da Copa do Nordeste, sendo que o estádio soteropolitano protagonizou sete jogos. O Bahia foi mandante em seis dessas partidas (1º, 2º, 5º, 8º, 9º e 10º), e o Vitória, em uma: 48.510 torcedores que foram à velha Fonte ver o clássico Ba-Vi válido pela segunda fase, em 1998, que o rubro-negro venceu por 3x1. Este é o sétimo maior público da história. 

Confira os 10 maiores públicos da Copa do Nordeste:
1. Bahia 3x1 Sport | 28 de abril de 2001
Público: 65.834 pagantes
Estádio: Fonte Nova
2. Bahia 3x1 Vitória | 5 de maio de 2002
Público: 64.689 pagantes
Estádio: Fonte Nova
3. Ceará 2x1 Bahia | 29 de abril de 2015
Público: 63.399 pagantes
Estádio: Castelão, em Fortaleza
4. Ceará 1x1 Sport | 9 de abril de 2014
Público: 60.068 pagantes
Estádio: Castelão, em Fortaleza
5. Bahia 0x3 Vitória | 18 de maio de 1997
Público: 54.774 pagantes
Estádio: Fonte Nova
6. Ceará 0x1 ASA | 3 de março de 2013
Público: 52.207 pagantes
Estádio: Castelão, em Fortaleza
7. Vitória 3x1 Bahia | 19 de abril de 1998
Público: 48.510 pagantes
Estádio: Arena Fonte Nova
8. Bahia 0x0 Sampaio Corrêa | 7 de julho de 2018
Público: 45.473 pagantes
Estádio: Arena Fonte Nova
9. Bahia 1x1 Vitória | 3 de fevereiro de 2019
Público: 43.393 pagantes
Estádio: Arena Fonte Nova
10. Bahia 2x1 Fortaleza | 21 de abril de 2001
Público: 42.437 pagantes
Estádio: Fonte Nova

Goleiro do Bahia, Emerson entra em campo acompanhado de várias crianças na final contra o Sport, em 2001. Partida é recorde de público da Copa do Nordeste até os dias atuais (Foto: Arquivo CORREIO)

Transmissão

TV aberta: SBT
TV fechada: Fox Sports
Straming pago: LiveFC (exibe todos os jogos)
Streaming gratuito: YouTube (um jogo por rodada)

*Estagiário sob supervisão do editor Herbem Gramacho

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas