Herdeiros de Vinicius de Moraes serão indenizados devido ao AI-5

entretenimento
11.05.2021, 14:32:38
Atualizado: 11.05.2021, 14:51:59
Quando foi exoneraado do Itamaraty, Vinicius de Moraes chorou muito porque adorava o serviço diplomático (divulgação)

Herdeiros de Vinicius de Moraes serão indenizados devido ao AI-5

Estado reconhece que ditadura do regime militar prejudicoum carreira diplomática do poeta carioca; valor é de R$ 3,4 milhões

Os herdeiros do músico, poeta, compositor e diplomata carioca Vinicius de Moraes fizeram um acordo com a União, finalizando um processo protocolado há quase 27 anos. Agora, eles serão indenizados com o valor de R$ 3,4 milhões. A informação foi divulgada pela coluna de Ancelmo Gois, do jornal O Globo.

O documento, movido na 28ª Vara Federal do Rio, decreta uma indenização por danos morais e materiais causados ao artista por autoridades durante o regime militar brasileiro, especialmente no período do AI-5, quando o regime se endureceu ainda mais.

O processo contra a União foi protocolado por Luciana, Georgiana e Maria Gurjão de Moraes, filhas do músico, em 25 de julho de 1994. A ação foi movida sob a justificativa de que o afastamento de Moraes do Itamaraty — onde ele trabalhava como diplomata desde 1943 — foi ilegtíma e fruto de uma perseguição política da época, endossada pelo AI-5, o Ato Institucional nº5, implementado em 1968.

O músico foi exonerado do cargo de primeiro-secretário em 1969, por meio de uma aposentadoria compulsória. Ao lado dele, outras dezenas de diplomatas também foram afastados do Itamaraty na mesma época.

O valor da indenização foi definido com base no dinheiro que Moraes deixou de receber pelo afastamento da carreira diplomática e nos prejuízos morais que adquiriu, de acordo com Paulo César Filho, um dos advogados envolvidos no acordo e membro do escritório de advocacia PCPC (Paulo Cezar Pinheiro Carneiro).

A indenização será paga por precatório, ou seja, como uma dívida judicial do governo, e pode ser finalizada até 2022.

No livro Chega de Saudade, publicado em 1990, Ruy Castro comenta detalhes sobre a exoneração de Moraes: "Ele recebeu a notícia em alto-mar, num navio. Chorou convulsivamente, porque adorava o Itamaraty, embora detestasse a burocracia do serviço público."

Moraes morreu em 1980, devido a um edema pulmonar. Dezoito anos depois, com a democracia já estabelecida no país, a Justiça Federal lhe anistiou, em 2006, ele reintegrado ao corpo de diplomatas brasileiros.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas