Homem diz que decapitou namorada por "acesso de ódio" durante briga

brasil
24.03.2015, 20:05:00
Atualizado: 25.03.2015, 17:48:59

Homem diz que decapitou namorada por "acesso de ódio" durante briga

Renato contou que ele e Patrícia se conheciam desde a adolescência e namoravam há mais de sete anos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Renato Guilherme da Silva foi encontrado na casa dos pais, neste sábado
Renato voltou porque queria se entregar. (Foto: Agreste Violento)

Depois de ser preso e confessar que decapitou a namorada, Renato Guilherme da Silva, 24 anos, contou em depoimento à polícia que o crime aconteceu durante uma briga por ciúmes e que ele matou Patrícia Pereira da Silva, 20 anos, em um "acesso de ódio".

O crime foi na última quinta-feira em Angelim, em Pernambuco, e teve repercussão por todo país por conta da violência com que foi cometido.

Renato contou que ele e Patrícia se conheciam desde a adolescência e namoravam há mais de sete anos. Há cerca de três anos, a relação entrou em uma fase com mais baixos do que altos. A jovem começou a se interessar por outras pessoas e os dois brigavam constantemente por ciúmes que Renato sentia.

Na noite do crime, os dois foram para uma festa de São José, padroeiro da cidade, e discutiram porque uma pessoa com quem Patrícia estaria se relacionando estava na festa, segundo Renato contou ao delegado José Renivaldo Pinto.

A briga continuou quando o casal voltou para casa, onde morava também a mãe de Patrícia. A jovem então decidiu que os dois deveriam terminar a relação. "Segundo ele, quando estavam nos fundos da casa, ela teria terminado o namoro e dito que queria ficar com o outro rapaz. Então, ele disse no depoimento que, num acesso de ódio, pegou uma faca que estava em cima do tanque e agrediu Patrícia, finalizando com a decapitação", contou o delegado ao Extra.

A mãe de Patrícia estava na casa, mas é deficiente visual e não conseguiu ajudar a filha. Depois de decapitar Patrícia, Renato foi para a casa dos pais, que é na mesma rua, e confessou o crime, pedindo que eles chamassem a polícia. Logo depois, no entanto, fugiu de moto. Ele voltou à casa dos pais no sábado dizendo que queria se entregar. O rapaz está preso em Garanhuns.

Patrícia e Renato namoravam há mais de sete anos.
(Foto: Reprodução/Facebook)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048