Idade para receber 3ª dose vai baixar seguindo o calendário, diz Leo Prates

salvador
30.08.2021, 11:05:00
Atualizado: 30.08.2021, 11:14:02
(Jefferson Peixoto/Secom)

Idade para receber 3ª dose vai baixar seguindo o calendário, diz Leo Prates

Enquanto começa dose de reforço, 98 mil ainda não tomaram a 1ª e 68 mil estão com 2ª atrasada

O secretário de Saúde de Salvador, Léo Prates, disse nesta segunda-feira (30) que a intenção da prefeitura é ir reduzindo a idade dos idosos que vão receber a dose de reforço da vacina contra a covid-19, assim como aconteceu no calendário de imunização. O guia será o tempo de espera de seis meses desde a segunda dose. Os idosos que começam a receber hoje essa terceira dose completariam esse intervalo no dia 1º de setembro, mas a prefeitura resolveu antecipar.

"Em Salvador temos avançado bem, já temos 94% da população (adulta) em primeira dose e quase 50% em segunda dose. A gente tem avançado bem, feito nossa parte, estamos antecipando a dose de reforço. O primeiro idoso só começaria a completar seis meses agora no dia 1º de setembro. Estamos pegando essas pessoas e trazendo para o dia 30. A previsão hoje é da vacinação de  6.383 idosos com a dose de reforço. A vacinação para adolescentes de 17 anos sem comorbidades está suspensa no dia de hoje", disse Léo, durante entrevista ao Jornal da Manhã, da TV Bahia.

A previsão é de que durante setembro a vacinação continue nessa faixa etária. "Na verdade, durante esse mês 80% a 90% dos idosos são 80 anos ou mais. E a gente está com um cronograma diário dos idosos que vão completando os seis meses (de intervalo). Nesse mês a gente vai nos de 80 ou mais e depois a gente vai baixando, porque o calendário de vacinação foi baixando", explicou.

Léo citou o exemplo de Israel, que usou a dose de reforço para combater a variante delta. Ele lembrou que o Ministério da Saúde previu a terceira dose para idosos a partir de 70 anos, mas a CIB aprovou para os que têm mais de 60 anos, além de permitir também a combinação de vacinas diferentes. "Achamos que a CIB está com razão", diz. "Em Israel ainda não apareceu nenhuma variante que furou o bloqueio das vacinas, apenas a delta reduziu a eficácia das vacinas e por isso a necessidade da dose de reforço. Sob nossa sugestão na CIB foi aprovada a vacina heteróloga. O que é isso? É a combinação de vacinas. Foi aprovado que a gente possa fazer essa combinação com Oxford e Pfizer. Os idosos que forem hoje tomar a dose de reforço vão tomar Pfizer. E foi assim que Israel conseguiu conter a variante delta".

O secretário diz que no início da vacinação, a maioria dos imunizantes aplicados foi Coronavac e que a maior parte dos idosos soteropolitanos receberam esta vacina. "Segundo resolução da CIB, você pode combinar as vacinas. No início, como a gente só tinha praticamente Coronavac, tivemos 405 mil idosos vacinados, com 60 anos ou mais, e cerca de 264 mil foi com Coronavac. Essa combinação ajuda na dose de reforço, é uma tecnologia que o Rio também está usando. A gente acredita que com isso vai conseguir conter a variante delta", reafirma.

Momento da pandemia
Para o secretário, apesar do momento mais controlado da pandemia na capital baiana, não é hora de baixar a guarda. "Parece que as pessoas não aprenderam com as duas ondas que nós tivemos. Vivemos um momento muito bom em Salvador. Amanhecemos com nove regulações apenas e sem ninguém esperando nas UPAs, mas isso não quer dizer que a pandemia passou. Se as pessoas não ajudarem, quem vai pagar essa conta somos nós", alertou.

Ele lembrou que a vacinação não está equalitária em todo mundo e há risco de novas variantes. "Não acredito que a pandemia vai acabar com essa rapidez porque você não tem uma vacinação equânime no mundo. A maioria dos países africanos você está com 10% da população vacinada. Acho que vai ter um ambiente controlado, vamos conseguir voltar a um novo normal, mas ainda vai demorar pra pandemia passar pela possibilidade do surgimento de novas variantes", diz.

Léo destacou que a secretaria tem feito abordagens e contatos com pessoas que estão com vacinação atrasada e também irá nessa semanas aos abrigos, para vacinar os idosos mais vulneráveis e sem família. Ele acredita que a campanha está funcionando, pois o número de "retardatários" caiu de 125 mil para 98 mil essa semana. Segundo ele, além desses 98 mil que ainda não tomaram a primeira dose, há 68 mil pessoas com a segunda dose atrasada.

Falando sobre as filas grandes nos pontos para segunda dose da Coronavac neste fim de semana, ele usou os atrasados para explicar o que ocorreu. "Hoje a gente já tá ampliando. Isso que digo com relação a retardatários. Estamos com 68 mil pessoas de segunda dose sem tomar, a maioria delas é de Coronavac e houve realmente uma grande adesão no sábado que nos surpreendeu. Isso que sempre pedimos à população, que vá no seu dia tomar a segunda dose, porque isso não acontecendo tira a previsibilidade do sistema. A gente agradece a Deus que essas pessoas foram, mas o ideal é ir no dia", avalia.

Dose de reforço
A terceira dose, que vem sendo chamada de dose de reforço por especialistas, começa a ser aplicada hoje para os idosos que estão aptos - que completam seis meses de interavalo da segunda dose no dia 1º de setembro e têm mais de 80 anos. É possível conferir se o nome está na lista no site da secretaria. 

Confira os pontos de vacinação desta segunda-feira (30):

3ª DOSE: PESSOAS COM 80 ANOS OU MAIS – 8h às 16h
Drive-thru: Arena Fonte Nova (Nazaré), Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos), Universidade Católica do Salvador (Pituaçu) e 5º Centro de Saúde (Barris).
Pontos fixos: CSU Pernambués, 5º Centro de Saúde (Barris), Universidade Católica do Salvador (Pituaçu), USF Vista Alegre, USF Cajazeiras V, USF Imbuí, Clube dos Oficiais da Polícia Militar (Dendezeiros) e USF Santa Luzia (Engenho Velho de Brotas). 
 


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas