Ilê anuncia as 15 finalistas para o posto de Deusa do Ébano; veja quem são

salvador
11.01.2020, 21:11:00
Atualizado: 12.01.2020, 22:54:55
Das 126 canditadas, sobraram 15 para disputar a vaga de Deusa do Ébano (Arisson Marinho / CORREIO )

Ilê anuncia as 15 finalistas para o posto de Deusa do Ébano; veja quem são

A grande vencedora do concurso para este ano será definido no dia oito de fevereiro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Faltando pouco mais de um mês para o início do Carnaval em Salvador, chegou a hora de um dos momentos mais marcantes da folia baiana. O grupo Ilê Ayiê anunciou na tarde deste sábado (11) as 15 finalistas para o posto de Deusa do Ébano 2020, que comandará e representará o bloco no desfile durante a festa carnavalesca, que este ano tem como temática Botswana: Uma  História de Êxito no Mundo.

A nova deusa será conhecida no dia oito de fevereiro, após a cerimônia da Noite da Beleza Negra.

Mas antes de qualquer celebração, a tarde na sede do Ilê foi de muito trabalho, dedicação e, claro, dança. No total, foram 126 candidatas inscritas. Todas elas passaram por uma avaliação do júri, que definiu, então, as finalistas.

Confira as selecionadas para a grande final da Deusa do Ébano 2020

Gleiciele Teixeira Oliveira: 22, modelo e dançarina. Porque quero ser uma referência para muitas mulheres negras elevando a autoestima. @ellen_oliver97
Gleiciele Teixeira Oliveira: 22, modelo e dançarina. Porque quero ser uma referência para muitas mulheres negras elevando a autoestima. @ellen_oliver97 (Arisson Marinho / CORREIO)
Cátia Silene Moreira Barreto: 31, promotora de eventos. Na elegância de te pertencer à base de fundamentos, estou aqui. @catia.moreira
Cátia Silene Moreira Barreto: 31, promotora de eventos. Na elegância de te pertencer à base de fundamentos, estou aqui. @catia.moreira (Arisson Marinho / CORREIO)
Honara Santos da Paixão: 23, atendente. Quero ser deusa do ébano para empoderar outras mulheres. @honarapaixao
Honara Santos da Paixão: 23, atendente. Quero ser deusa do ébano para empoderar outras mulheres. @honarapaixao (Arisson Marinho / CORREIO)
Carla Dandara Nascimento Pereira: 26, arte educadora. É hereditário, desde sempre quis estar aqui. A fé move montanhas. @dandyn2
Carla Dandara Nascimento Pereira: 26, arte educadora. É hereditário, desde sempre quis estar aqui. A fé move montanhas. @dandyn2 (Arisson Marinho / CORREIO)
Geisiane Silva Pereira: 25, manicure domiciliar. Para lutar contra o preconceito contra mulheres negras e gordas. Por mais cultura na minha cidade. E a realização de um sonho. @geysy.funk
Geisiane Silva Pereira: 25, manicure domiciliar. Para lutar contra o preconceito contra mulheres negras e gordas. Por mais cultura na minha cidade. E a realização de um sonho. @geysy.funk (Arisson Marinho / CORREIO)
Sabrina Santana dos Santos: 31, cantora e bailarina. Ser deusa do ébano é fortalecer o empoderamento e a resistência da mulher negra. @sapretah
Sabrina Santana dos Santos: 31, cantora e bailarina. Ser deusa do ébano é fortalecer o empoderamento e a resistência da mulher negra. @sapretah (Arisson Marinho / CORREIO)
Jadiele de Oliveira Santos: 30, cantora, dançarina e locutora. Porque eu exalo o perfume de uma mulher negra e resistente. De Feira, do sertão, de uma terra quente para outra Salvador ainda mais quente @jadygirldiva
Jadiele de Oliveira Santos: 30, cantora, dançarina e locutora. Porque eu exalo o perfume de uma mulher negra e resistente. De Feira, do sertão, de uma terra quente para outra Salvador ainda mais quente @jadygirldiva (Arisson Marinho / CORREIO)
Larissa Silva Aliança: 32, biomédica. Não devemos nos calar diante das imposições da sociedade pois a nossa cor é uma honra. @larikiami
Larissa Silva Aliança: 32, biomédica. Não devemos nos calar diante das imposições da sociedade pois a nossa cor é uma honra. @larikiami (Arisson Marinho / CORREIO)
Larissa Pereira Ramos: 23, estudante de enfermagem. Representatividade quem vem desde a infância. Um sonho que hoje posso realizar. @lari.pera
Larissa Pereira Ramos: 23, estudante de enfermagem. Representatividade quem vem desde a infância. Um sonho que hoje posso realizar. @lari.pera (Arisson Marinho / CORREIO)
Tailane Brito Santos: 18, estudante. Ser negro é a raiz da liberdade. @_taailane
Tailane Brito Santos: 18, estudante. Ser negro é a raiz da liberdade. @_taailane (Arisson Marinho / CORREIO)
Amanda Conceicao Ribeiro Santos: 19, secretaria e modelo fotográfica. Por ser negra, poderosa do ilê. @amanndilis_
Amanda Conceicao Ribeiro Santos: 19, secretaria e modelo fotográfica. Por ser negra, poderosa do ilê. @amanndilis_ (Arisson Marinho / CORREIO)
Sarah Justino
Sarah Justino (Arisson Marinho / CORREIO)
Laise da Cruz Lima: 23, trancista. De Terra Nova para conquistar o mundo! @nenna.preta
Laise da Cruz Lima: 23, trancista. De Terra Nova para conquistar o mundo! @nenna.preta (Arisson Marinho / CORREIO)
Camila Cruz Silva: 28, trancista. Eu faço da minha consciência um cotidiano de luta e glória. @camila_dosesi
Camila Cruz Silva: 28, trancista. Eu faço da minha consciência um cotidiano de luta e glória. @camila_dosesi (Arisson Marinho / CORREIO)
Núbia Ferreira Cardoso: 19, estudante e atriz. Porque fortalece minha existência e me faz espelhar outras mulheres como eu. @nuna_aurora
Núbia Ferreira Cardoso: 19, estudante e atriz. Porque fortalece minha existência e me faz espelhar outras mulheres como eu. @nuna_aurora (Arisson Marinho / CORREIO)

Agora, as 15 concorrentes passarão por mais um processo de avaliação e treinamento, que envolve participação em cursos de interpretação e oficinas de dança, além de atender às lentes e microfones da imprensa que buscam conhecer quem são as mulheres cotadas para serem deusas. 

Pelo terceiro ano consecutivo, Ivana Paixão, 27, tentou a classificação para a última fase do concurso. Ela atribui ao Ilê Ayiê uma nova perspectiva de vida. Foi atarvés do bloco que ela teve seu rimeiro contato com o candomblé e deu a ela a oportunidade de enxergar mulheres negras como referência, o que a preparou para a se ver como uma também. “Isso aqui se torna um espaço de valorização da identidade da mulher negra”, sintetizou.

Para definir os nomes que se classificaram para a final, um júri - composto por dançarinas, professoras e ex-deusas - avalia características complementares nas candidatas. Entre as avaliadoras, a coreógrafa Amélia Conrado destaca os três principais critérios. O primeiro é a capacidade de interação da dançarina com o público, afinal, serão quase seis horas de desfile no Carnaval cercado por mais de três mil pessoas que, com certeza, estarão de olho na Deusa do Ébano.

Além disso, a avaliação mede ainda o conhecimento das candidatas sobre ritmos afro e de passos da coreografia. 

Já Nadir Nóbrega, outra integrante do júri, ressaltou como é importante a candidata ter consciência da referência que ela se torna, tudo baseado na ancestralidade negra e africana seguida pelo Ilê Ayiê. Ancestralidade essa representada no conjunto da deusa, como as vestimentas, adereços e a dança imposta por sua figura durante a apresentação em fevereiro e em todos os momentos que ocupar esse papel. 

A sensação de se tornar um espelho para outras meninas se mantém viva em Gleice Oliveira. Terceira colocada na edição do ano passado, a  jovem de 22 anos acredita que está mais preparada este ano, e intensificou as aulas de dança e o estudo sobre a cultura africana, indispensáveis para assumir o papel de Deusa do Ébano.

“Um sonho que era da mãe de ser deusa, por isso tenho uma relação muito familiar com o Ilê”, comentou.

Para quem ainda não pensou ou teve coragem de participar dessa experiência, a modelo e dançarina acredita ser um momento de único, que contribui para a identificação da mulher negra dentro da sociedade, “ocupando um espaço que é nosso por direito”, finalizou.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas