Indicada ao Oscar, cinebiografia de Judy Garland estreia nos cinemas

entretenimento
30.01.2020, 19:00:00
Renée Zellweger é a atriz que interpreta Judy Garland (Divulgação )

Indicada ao Oscar, cinebiografia de Judy Garland estreia nos cinemas

Filme é baseado na peça Judy Garland - O Fim do Arco Íris

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Aos 17 anos, Judy Garland (1922-1969) ganhou um Oscar Juvenil, que era concedido a grandes revelações que ainda não haviam chegado à idade adulta. O prêmio era merecidíssimo, afnal ela havia acabado de interpretar um dos personagens mais emblemáticos da história do cinema: Dorothy Gale, a menina que sonhava em voltar para casa no clássico O Mágico de Oz (1939).

Agora, a vida da estrela que morreu precocemente por causa de uma overdose acidental aos 47 anos chega às telas. No longa Judy, que estreia nesta quinta-feira (30), ela é interpretada por Renée Zellweger, muito elogiada pela atuação. 

Não à toa, Renée venceu o Globo de Ouro de melhor atriz e é considerada favorita ao Oscar na categoria. As concorrentes dela são Cynthia Erivo (Harriet); Scarlett Johansson (História de um Casamento); Saoirse Ronan (Adoráveis Mulheres) e Charlize Theron (O Escândalo).

O filme, dirigido por Rupert Goold (A História Verdadeira/2015), se concentra nos últimos seis meses de vida da atriz, quando a qualidade da voz nem de longe lembrava aquela jovem que encantara o mundo. Naquele período, ela já sofria com a solidão e uma dieta à base de pílulas para controlar o peso, já que muitos executivos diziam que ela estava gorda para o cinema.

A cinebiografia é baseada na peça Judy Garland - O Fim do Arco Íris, do dramaturgo inglês Peter Quilter.  “Judy era divertida e triste, talentosa e incompetente, rica e pobre, inteligente e ignorante, repleta de amor e desesperadamente não amada”, disse Quilter ao jornal O Estado de S. Paulo.

Em flashback, o filme relembra momentos importantes da carreira de Judy Garland, como o assédio que ela sofria do produtor Louis B. Mayer, um dos fundadores da Metro, estúdio que produziu O Mágico de Oz e outros sucessos da atriz.

Mayer também determinava que Judy deveria fazer uso de anfetaminas e barbitúricos, para controlar o sono e ainda ficava de olho na dieta da estrela.  Apesar do sucesso e do reconhecimento, ela foi sempre atormentada pela baixa autoestima e pela solidão.

Quilter elogia o desempenho de Zellweger: “O desempenho dela é digno de um prêmio; incrivelmente poderoso. Ela não tentou personificar totalmente Judy Garland, mas capturar a sua essência. É muito comovente. Você esquece que está vendo Renée Zellweger. O que se vê na tela é Judy”.

Confira o trailer do filme: 

 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas