Índios protestam contra demolição de monumento em Cabrália; veja vídeo

bahia
01.03.2018, 18:48:08
Atualizado: 01.03.2018, 19:26:41

Índios protestam contra demolição de monumento em Cabrália; veja vídeo

Pataxós vão a Brasília pedir que obra da Primeira Missa seja preservada

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Representantes da aldeia indígena Coroa Vermelha, em Santa Cruz Cabrália, no Sul do estado, vão a Brasília no próximo dia 12 pedir à presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Kátia Bógea, que seja retirado o pedido de demolição do Monumento em Homenagem à Primeira Missa no Brasil. As esculturas ficam dentro da reserva indígena.

“Nossa comunidade não aceita de jeito nenhum a demolição. Não vejo como derrubar um monumento que não causa impacto à rodovia, nem impacto ambiental”, opinou o cacique da aldeia Coroa Vermelha e secretário de assuntos indígenas de Cabrália, Zeca Pataxó.

Segundo indígenas, monumento atrai turistas para reserva e já virou fonte de sustento (Foto: Reprodução)

Para ele, há coisas que merecem mais atenção do Iphan do que a homenagem. “Temos várias coisas tombadas que estão caindo em Cabrália, como a cadeia, o sítio histórico. Ao invés de demolir o que tem, eles deviam reformar o que já está tombado”, protestou.

Ameaça
O monumento em homenagem à Primeira Missa do Brasil está ameaçado desde o dia 19 de fevereiro, quando uma decisão da Justiça Federal determinou a demolição a pedido do Iphan. O órgão alegou que as esculturas foram construídas sem licença.

O medo da população indígena é que, com a demolição, diminua o fluxo de turistas na aldeia, já que ele virou um ponto comum de parada de quem visita Cabrália.

Cerca de quinze famílias sobrevivem do comércio no entorno do ponto turístico, composto por lojinhas de artesanato e restaurantes.

“Nossa comunidade quase toda vive do turismo ou da pesca. Nós recebemos 4 mil visitantes por dia no Verão. O monumento atrai para o comércio, para o Museu Indígena que tem dentro da aldeia”, explica Zeca Pataxó.

Protesto reúne centenas de pataxós próximo ao monumento (Foto: Reprodução/CORREIO)

Protesto
Na tentativa de sensibilizar as autoridades e suspender a demolição, cerca de mil indígenas da Aldeia Coroa Vermelha fizeram uma manifestação pacífica na manhã desta quinta (1) em Cabrália. O grupo saiu em caminhada da Escola Indígena Pataxó Coroa Vermelha até o monumento. 

Até o momento, a prefeitura de Santa Cruz Cabrália ainda não foi notificada da decisão. Segundo o procurador-geral do Município, Emannuel Ferraz, a gestão pretende recorrer da decisão assim que for notificada.

Também foi sinalizado que representantes da administração municipal vão acompanhar os indígenas na reunião em Brasília na tentativa de fazer uma conciliação com o Iphan.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas